As implicações das teorias pedagógicas no trabalho docente de Geografia e seus desdobramentos na prática pedagógica e na luta política

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3213

Palavras-chave:

ensino de geografia, pedagogia histórico-crítica, geografia histórico-crítica

Resumo

O artigo analisa implicações das teorias pedagógicas no trabalho docente em Geografia,  teorias que explicam e dão direção aos processos de ensino-aprendizagem e às finalidade políticas da educação escolar. A metodologia explicita a relação entre a teoria pedagógica e a sua finalidade política, mediadas pelo papel da escola, do professor e de sua prática pedagógica. Focaliza três situações de contexto de ensino às quais o/a professor(a) de Geografia são submetido(a)s, com o objetivo de demonstrar como as teorias pedagógicas dão rumo ao trabalho docente. O trabalho pedagógico é ato intencional que tem fins de formação de sujeitos que estão em processo de aprendizagem. O trato pedagógico aos conhecimentos da ciência geográfica nos processos de ensino, implica na intenção de que os estudantes desenvolvam consciência acerca da organização espacial da sociedade no contexto das classes em luta

Biografia do Autor

Janeide Bispo dos Santos, Universidade do Estado da Bahia

.

Marcos Antônio Campos Couto, https://orcid.org/0000-0002-5889-6474

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (1988), mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (1994) e doutorado em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo (2005). Atualmente é Professor Titular do Departamento de Geografia da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - FFP-UERJ campus São Gonçalo. Desde 2012 compõe o Colegiado do Programa de Pós Graduação em Geografia (Mestrado) da UERJ-FFP, dedicando-se a Linha de Pesquisa "Ensino de Geografia e Produção Social do Espaço". Diretor da Associação dos Geógrafos Brasileiros - seção Niterói (2021-2023). Em 2014 realizou Estágio de Pós Doutoramento na Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, com o objetivo de propor uma didática da geografia na perspectiva da pedagogia histórico-crítica. Desde 2016 é Vice-Lider do Grupo do Estudo e Pesquisas História, Sociedade e Educação no Brasil e na América Latina - HISTEDBR BAIXADA FLUMINENSE do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Desde 2022 é membro do Grupos de Pesquisas sobre Ensino de Geografia e Formação Docente do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Ensino de Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino-aprendizagem, livros didáticos, construção de conceitos científicos, pedagogia histórico-crítica, marxismo e produção social do espaço e formação de professores.

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos do Estado: nota sobre aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

COUTO, M. A. C. A geografia como ciência das práticas e dos saberes espaciais - por um novo modelo clássico de organização curricular. São Gonçalo-RJ: Departamento de Geografia da UERJ-FFP, Revista Tamoios, v. 13, n. 2 (2017): julho/dezembro DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2017.30150

COUTO, M. A. C. . Para a crítica da geografia que se ensina através dos livros didáticos. In TONINI, I. et amall. O livro didático de geografia e os desafios da docência para aprendizagem. Porto Alegre: Sulina; 2017a, p. 191-220.

DUARTE, Newton. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. In MARTINS, L. M.; and DUARTE, N. - orgs. Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010; p. 32-49. http://books.scielo.org

LACOSTE, Yves. A Geografia – Isso Serve, Em Primeiro Lugar, Para Fazer a Guerra. Papirus Ed.: S.Paulo-SP, 2005.

LIB NEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública – a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 1992.

MOREIRA, Ruy. Para onde MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858 - Esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.

MOREIRA, R. .O que é geografia. São Paulo: Brasiliense. 1ª edição, 1985.

MOREIRA, R.. O que é geografia. São Paulo: Brasiliense. 2ª edição, 2010.

MOREIRA, R. Uma ciência das práticas e saberes espaciais. São Gonçalo-RJ: Departamento de Geografia da UERJ-FFP, Revista Tamoios, v. 13, n. 2: jul/dez, 2017. DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2017.30458

MOREIRA, Ruy. Para onde vai o pensamento geográfico? Por uma epistemologia crítica. São Paulo: Contexto, 2020 – 2ª edição.

MOREIRA, Ruy. Geografia e Práxis: a presença do espaço na teoria e na práticas geográficas. São Paulo: Contexto, 2012.

MOREIRA, Ruy. Pensar e Ser em Geografia. São Paulo: Contexto, 2006.

PAULO NETTO, J.. Capitalismo e barbárie contemporânea. Vitória (ES): Argumentum, v. 4, n.1, p. 202-222, jan./jun, 2012. DOI: https://doi.org/10.18315/argumentum.v4i1.2028

SANTOS, Milton. Por Uma Geografia Nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. São Paulo: Edusp, 2004.

SAVIANI, D.. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas: Ed. Aut. Associados, 2007, 472 p.

SAVIANI, D.. Escola e democracia, 41ª ed. Campinas: Autores Associados, 2009.

SAVIANI, D.. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações, ed. Campinas: Aut. Associados, 2005.

SOUZA, José Gilberto de. JULIAZ, Paula Cristiane Strina. Geografia: ensino e formação de professores. Marília: Lutas Anticapital, 2020.

VIEIRA JUNIOR,I, Torto Arado. Todavia: 2019.

Downloads

Publicado

2024-02-23

Como Citar

BISPO DOS SANTOS, J.; CAMPOS COUTO, M. A. As implicações das teorias pedagógicas no trabalho docente de Geografia e seus desdobramentos na prática pedagógica e na luta política. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 60, p. 81–120, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3213. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3213. Acesso em: 17 abr. 2024.