Considerações acerca da BNC-Formação e as novas morfologias do trabalho

o professor de novo tipo

Autores

  • Rodrigo Coutinho Andrade DEGEO-IM/UFRRJ

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3210

Palavras-chave:

BNC-Formação, gerencialismo, accountability educacional, pedagogia das competências

Resumo

Por meio do exame das atuais prescrições curriculares para os cursos superiores de licenciatura, das recomendações internacionais para a formação em todos os níveis de ensino, assim como dos contributos teóricos sobre o tema, observa-se a operação material e imaterial imersa nos novos léxicos e mecanismos gerenciais para a contemplação do atual estágio de reprodução sociometabólica do capital tanto no âmbito estrutural, quanto no corpo superestrutural, demandando para tal um trabalhador maleável e adaptável às novas morfologias do trabalho. Tal conteúdo alcança a educação por meio do controle sistemático dos entes fixos e variáveis, com relativa centralidade sobre o trabalho docente nos últimos para a concreção do currículo prescrito-aferido. Neste sentido, objetivamos analisar as incidências do receituário da frente ampla do capital na BNC-Formação para a consolidação do “professor de novo tipo”. Trata-se de uma pesquisa básica, de caráter explicativo, que se ancora no exame bibliográfico-documental. Como resultado indicamos que análise do documento acima discriminado imputa uma série de predileções pertinentes à adequação do trabalho docente ao princípio gerencial-quantofrênico.

Biografia do Autor

Rodrigo Coutinho Andrade, DEGEO-IM/UFRRJ

Doutor em Educação pelo PPGEduc-UFRRJ; Professor Adjunto do Departamento de Geografia do IM-UFRRJ; Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da FFP/UERJ; Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares da UFRRJ; Membro do GTPS-UFRRJ; Membro do GT de Ensino da AGB-Niterói; Vice-coordenador do CEGEd-UFRRJ.

Referências

ALVES, Giovanni. Trabalho flexível, vida reduzida e precarização do homem-que-trabalha: perspectivas do capitalismo global no século XXI. In : Alves, G. (Org.). Trabalho e saúde: a precarização do trabalho e a saúde do trabalhador no século XXI. São Paulo: LTr, 2011.

ANDRADE, Rodrigo Coutinho; SOUZA, José dos Santos. Crise do capital, recomposição burguesa e impactos na gestão da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. EJA em Debate, ano 6, n. 9, 2017.

ANDRADE, Rodrigo Coutinho; CORREIA, Luana Ferreira. Considerações sobre o trabalho docente no Brasil: uma breve radiografia e apontamentos presente-futuros. Boletim Paulista de Geografia, n. 105, p. 67-92, 2021.

ANTUNES, Ricardo Coltro. Qual é o futuro do trabalho na Era Digital?. Laborare, v. 3, n. 4, p. 6-14, 2020. DOI: https://doi.org/10.33637/2595-847x.2020-46

BANCO MUNDIAL. Aprendizagem para todos. Estratégia de Educação 2020 do Grupo Banco Mundial. Resumo Executivo, Washington D.C. Banco Mundial, 2011.

BANCO MUNDIAL. Profesores excelentes: Cómo mejorar el aprendizaje en América Latina y el Caribe. Washington, DC: Grupo Banco Mundial, 2014.

BANCO MUNDIAL. Fazendo a educação dar certo : o sucesso do Ceará e Sobral nas reformas educacionais para a alfabetização universal. Brasil : Grupo Banco Mundial, 2020.

BONAMINO, Alicia; SOUSA, Sandra Zákia. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, v. 38, p. 373-388, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022012005000006

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. MEC: Brasília, 2018. Disponível em:< http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/ BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em 12 de março de 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília: MEC, 2019. Disponível em: < http://portal.mec.gov .br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file>. Acesso em 11 de março de 2023.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma" cultura educacional mundial comum" ou localizando uma" agenda globalmente estruturada para a educação"?. Educação & sociedade, v. 25, p. 423-460, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000200007

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. Neoliberalismo e subjetivação capitalista. Revista Olho da História, v. 22, 2016.

FILGUEIRAS, Vitor; ANTUNES, Ricardo. Plataformas digitais, uberização do trabalho e regulação no capitalismo contemporâneo. Revista Contracampo, v. 39, n. 1, 2020. DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v39i1.38901

FREITAS, Luiz Carlos de. Responsabilização, meritocracia e privatização: conseguiremos escapar ao neotecnicismo. Seminário de Educação Brasileira, v. 3, 2011.

GAULEJAC, Vincent de. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2007.

GEMELLI, Catia Eli; CLOSS, Lisiane Quadrado; FRAGA, Aline Mendonça. Multiformidade e pejotização:(re) configurações do trabalho docente no ensino superior privado sob o capitalismo flexível. REAd. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre), v. 26, p. 409-438, 2020.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere, volume 3: Maquiavel. Notas sobre o estado e a política. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2001.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere, volume 2: Os intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2002.

HARVEY, David. A Condição Pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993.

HIRATA, Helena. Os mundos do trabalho. In: CASALI, Alípio et al. Empregabilidade e educação: novos caminhos no mundo do trabalho. São Paulo: EDUC, 1997.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Brasília : IBGE, 2023. Disponível em : < https://www.ibge.gov.br/estatist icas/sociais/trabalho/9171-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html>. Acesso em 13 de setembro de 2023.

INEP. Indicadores Educacionais. Brasília: INEP, 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dadosa bertos/indicadores educacionais/esforco-docente>. Acesso em 11 de março de 2023.

INEP. Censo da Escolar. Brasília: INEP, 2022. Disponível em: <https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisti cas-e-indicadores/censo-escolar/resultados>. Acesso em 13 de março de 2023.

KUENZER, Acácia.Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017177723

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019.

LÖWY, Michael. A teoria do desenvolvimento desigual e combinado. Outubro, v. 6, p. 73-80, 1998.

MACEDO, Jussara Marques de. Gestão do trabalho docente no século XXI: do capital humano ao capital intelectual. Revista da FAAEBA: Educação e Contemporaneidade, p. 41-55, 2012. DOI: https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.v21.n38.495

MARTINS, André Silva. Todos pela educação: o projeto educacional de empresários para o Brasil Século XXI. Reunião Anual da ANPEd, v. 31, p. 1-16, 2008.

MELO, Leandro Ferreira de; MICHELI, Denise de. A Racionalidade do Processo de Adoecimento Docente. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, v. 23, n. 2, p. 154-160, 2022.

PRONKO, M. O Banco Mundial no campo internacional da educação, em PEREIRA, J.M.M. e PRONKO, M. (orgs.). A demolição de direitos:um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde, Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2014.

PRONKO, Marcela Alejandra. Modelar o comportamento. RTPS-Revista Trabalho, Política e Sociedade, v. 4, n. 6, p. 167-180, 2019. DOI: https://doi.org/10.29404/rtps-v4i6.248

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação. São Paulo: Cortez, 2001.

SAVIANI, Demerval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12 n. 34 jan./abr. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782007000100012

SEGATTO, Catarina Ianni; ABRUCIO, Fernando Luiz. A gestão por resultados na educação em quatro estados brasileiros. Rev. Serv. Público, Brasília 68 (1) 85-106, jan/mar, 2017. DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v68i1.762

SILVA, Amanda Moreira da. Da uberização à youtuberização. RTPS-Revista Trabalho, Política e Sociedade, v. 5, n. 9, p. 587-610, 2020.

SILVA, Monica Ribeiro da. Currículo e competências: a formação administrada. São Paulo: Cortez, 2008.

SIQUEIRA, Thiago Vasquinho; LAMOSA, Rodrigo de Azevedo Cruz. Novo Ensino Médio e economia comportamental: fundamentos para modelar o comportamento da classe trabalhadora no contexto de crise: Português. Germinal: marxismo e educação em debate, v. 15, n. 2, p. 36-56, 2023. DOI: https://doi.org/10.9771/gmed.v15i2.54767

SOUZA, José dos Santos. Cursos Superiores de Tecnologia: a materialidade da formação enxuta e flexível para o precariado no brasil. Revista Trabalho Necessário, v. 18, n. 36, p. 320-342, 2020. DOI: https://doi.org/10.22409/tn.v18i36.42812

SOUZA, José dos Santos. Mediação entre a escola e o novo mundo do trabalho na formação de técnicos de nível médio. Trabalho, Educação e Saúde, v. 16, p. 123-140, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00095

TARLAU, Rebecca; MOELLER, Kathryn. O consenso por filantropia: como uma fundação privada estabeleceu a BNCC no Brasil. Currículo sem fronteiras, v. 20, n. 2, p. 553-603, 2020. DOI: https://doi.org/10.35786/1645-1384.v20.n2.11

UNESCO. O Perfil dos professores brasileiros: o que fazem, o que pensam, o que almejam. Pesquisa Nacional Unesco. São Paulo: Moderna, 2004.

Downloads

Publicado

2024-02-23

Como Citar

ANDRADE, R. C. Considerações acerca da BNC-Formação e as novas morfologias do trabalho: o professor de novo tipo. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 60, p. 121–156, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3210. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3210. Acesso em: 17 abr. 2024.