Diversidade de corpos no Estágio Supervisionado

"a dor e a delícia de ser o que é"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3195

Palavras-chave:

Diversidade, Corpo, estágio, espaço escolar

Resumo

O espaço escolar está estruturado em políticas e práticas educacionais que cotidianamente refletem e perpetuam normas de gênero e poder que excluem ou marginalizam certos corpos e identidades. Assim, o presente estudo tem como objetivo compreender em que medida a diversidade dos corpos interfere no desempenho dos licenciandos(as) no decorrer dos estágios (observação e regência). Desse modo, foram aplicados questionários nas disciplinas de Estágio Supervisionado II e III, do curso de Licenciatura em Geografia, na Universidade Regional do Cariri – URCA. Logo, considera-se que a experiência do estágio na formação docente, ao colocar na berlinda o corpo em sua relação com o espaço, revelou que o ambiente escolar permanece subjugado à perspectiva colonialista, seja nas relações de poder estabelecidas, seja no modo de saber e de ser dos sujeitos que ali se encontram.

Biografia do Autor

Clesley Nascimento, Universidade Regional do Cariri URCA

Professora Adjunta da Universidade Regional do Cariri -URCA, Professora do Mestrado Profissional em Educação - MPEDU -URCA, Graduada em GEOGRAFIA BACHARELADO/ LICENCIATURA pela Universidade Estadual do Ceará - UECE, Pós- doutora em Educação Holística e Formação Docente pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual do Ceará - UECE. Doutora em GEOGRAFIA pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual do Ceará - UECE, Mestre em DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE - Universidade Federal do Ceará -UFC (PRODEMA), Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Universidade Estadual do Vale do Acaraú - UVA . Professora Colaboradora do Mestrado Profissional em Educação - MPEDU da Universidade Regional do Cariri- URCA. Tem experiência na área de Ensino de Geografia, Educação e Educação Ambiental, atuando principalmente nas seguintes áreas: Prática de Ensino, Educação Holística, Educomunicação, Produção de Material Didático, Educação Ambiental, Planejamento e Gestão Ambiental, Resíduos Sólidos e Educação Especial.

Renata Silva Barbosa, Universidade Regional do Cariri URCA

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual da Paraíba (2011), especialização em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Campina Grande (2015), mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2014), doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2019) e estágio Pós-Doutoral do Programa de Pesquisa do INCT Observatório das Metrópoles pela Universidade Federal de Pernambuco (2021). Tem experiência na área de Geografia Humana, atuando principalmente nos seguintes temas: Epistemologia Geográfica, Geografia Urbana, Políticas Públicas e Ensino de Geografia.

Referências

CAVALCANTI, Lana de Souza. Ensino de Geografia e diversidade: construção de conhecimentos geográficos escolares e atribuição de significados pelos diversos sujeitos do processo de ensino. In: CASTELLAR, Sônia (org). Educação Geográfica: teorias e práticas docentes. São Paulo: Contexto, 2014.

CREMA, Roberto. Introdução à visão holística. São Paulo: Summus, 1989.

GULÁ, Paula Victória Sozza Silva.[et al]. Estigma do peso: conceito, consequencias e ações de combate. 1ªed. Ribeirão Preto:FFCLRPUSP, 2023. DOI: https://doi.org/10.11606/9786588082126

HAESBAERT, Rogério. Do corpo-território ao território-corpo (da terra): contribuições decoloniais. Revista GEOgraphia. Rio de Janeiro. V.22, n.48. p.75-100. Junho de 2020. DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2020.v22i48.a43100

MARTINS, Rosa E. M. W.; TONINI, Ivaine M. A importância do estágio supervisionado em Geografia na construção do saber/fazer docente. Revista Geografia, Ensino & Pesquisa. v.20, n.3, p.98-106. Mato Grosso do Sul, 2016. DOI: https://doi.org/10.5902/2236499421000

MORAIS, Juliana Mendes de. SOUZA, Vanilton Camilo de. A abordagem de gênero e o ensino de Geografia: possíveis diálogos com a formação de professores/as. Geografia Ensino Pesquisa. Santa Maria, v. 26, e 20, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65813 Acesso em:10.mai.2023. DOI: https://doi.org/10.5902/2236499465813

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de Professores – saberes da docência e identidade do professor. Revista USP. v.22, n.2, p.72-89. São Paulo, 1996.

SANTOS, A. E. C. dos; ORNAT, M. J. Pelo espelho de Alice: homofobia, espaço escolar e prática discursiva docente. 1ª Edição. Curitiba, PR: Editora Appris, 2017.

SILVA, Cíntia Cristina Lisboa da. SANTOS, Bruna dos. Reflexões Teóricas da Geografia Feminista Decolonial sobre as Espacialidades Coloniais Reprodutoras do Controle Social do Corpo Feminino Durante o Parto. In: Terra Livre. São Paulo, Ano 36, vol.2, Número 57. Associação dos Geógrafos Brasileiros -AGB, 2021. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/issue/view/173/68. Acesso em: 05.set.2023.

SILVA, J. M. A cidade dos corpos transgressores da heteronormatividade. In: SILVA, Joseli Maria. Geografiassubversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa, PR: Todapalavra, 2009a. p. 135-149.

FONTES, Malu. Os Percursos do Corpo na Cultura Contemporânea.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. 42ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2020.

YOUNG, Michael. Para que servem as Escolas?. Revista Educação e Sociedade. vol.28, n.101, p.1287-1302, set/dez. Campinas – SP, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000400002

YUS, Rafael. Educação Integral: uma educação holística para o século XXI. Trad.Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed, 2002.

NUNES, Camila Xavier. REGO, Nélson. As Geografias do Corpo e a Educação (do) Sensível no Ensino de Geografia. In.: Revista Brasileira em Educação em Geografia. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 86-107, jan./jun., 2011. Disponível em: https://revistaedugeo.com.br/revistaedugeo/article/view/17/15. Acesso em: 18.set.2023.

SCOTT, J. Os usos e abusos do gênero. Tradução Ana Carolina E. C. Soares. Projeto História, São Paulo, n. 45, p. 327-351, dez. 2012.

SILVA, Cíntia Cristina Lisboa da. SANTOS, Bruna dos. Reflexões Teóricas da Geografia Feminista Decolonial sobre as Espacialidades Coloniais Reprodutoras do Controle Social do Corpo Feminino Durante o Parto. In: Terra Livre. São Paulo, Ano 36, vol.2, Número 57. Associação dos Geógrafos Brasileiros -AGB, 2021. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/issue/view/173/68. Acesso em: 05.set.2023.

SILVA, J. M. A cidade dos corpos transgressores da heteronormatividade. In: SILVA, Joseli Maria. Geografiassubversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa, PR: Todapalavra, 2009a. p. 135-149.

Downloads

Publicado

2024-02-23

Como Citar

NASCIMENTO, C.; SILVA BARBOSA, R. Diversidade de corpos no Estágio Supervisionado: "a dor e a delícia de ser o que é". Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 60, p. 157–186, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3195. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3195. Acesso em: 17 abr. 2024.