Pegar para ver outras Cartografias

desafios e possibilidades do uso do mapa tátil no Ensino de Geografia para alunos não videntes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3194

Palavras-chave:

Ensino de Geografia, cartografia, inclusão

Resumo

Diante das diversas peculiaridades presentes na realidade do não vidente no ambiente escolar, se faz necessário a problematização a respeito das múltiplas possibilidades de construção do conhecimento geográfico. A compreensão do espaço geográfico por parte dos estudantes está diretamente relacionada ao  processo de ensino-aprendizagem, onde os instrumentos que compõem esse processo tem fundamental importância. O presente trabalho procura justamente destacar a potencialidade de um desses possíveis instrumentos, o mapa tátil. Nesse sentido tratamos o mesmo enquanto uma ferramenta “suleadora” que possibilita a construção de educação de caráter inclusivo. Dessa forma, buscamos expandir a compreensão sobre a realidade dos indivíduos com deficiência visual em seu contexto escolar, possibilitando identificar as dificuldades existentes nesse processo assim como os caminhos possíveis de serem traçados ansiando uma Educação Inclusiva.

Biografia do Autor

Flora Antonia Soares Ribeiro, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestranda em Geografia pelo Programa de Pós Graduação em Geografia (PPGG) da Universidade Federal do Espírito Santo (início em 2021). Licenciada em Geografia (2021) pela Universidade Federal do Espírito Santo. Realiza pesquisas na área de Geografia da População, Geografia da Saúde e Cartografia com foco nas temáticas de desigualdade socioespacial, urbanização, saúde coletiva e pesquisa qualitativa e quantitativa. É membra do Laboratório de Geografia da Saúde (Ufes), do Grupo de Pesquisa Mobilidade Espacial da População (CNPq/UFES) e do Laboratório de análises geográficas, demográficas e da população (Lagedep).

Lucas Pereira Vieira, Universidade Federal do Espírito Santo ,Universidade Federal do Espírito Santo

Mestrando em Geografia pelo Programa de Pós Graduação em Geografia (PPGG) da Universidade Federal do Espírito Santo (início em 2022). Licenciado em Geografia (2021) pela Universidade Federal do Espírito Santo. Realiza pesquisas na área de Geografia e Fenomenologia, História do Pensamento Geográfico e Espistemologia. 

Referências

ALMEIDA, L. C.; LOCH, R. E. N. .Mapa tátil: passaporte para a inclusão.Extensio – revista eletrônica de extensão, n. 3, 2005. Disponível em: http://www.extensio.ufsc. br/20052/Direitos_Humanos_CFH_147.pdf .

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. Brasília, 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 de Março de 2021.

_____________________. Lei no 10.172, de 9 de Janeiro de 2001. Brasília, 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 de Março de 2021.

_____________________. Lei nº 13.146, de 6 de Julho de 2015. Brasília, 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 de Março de 2021.

CAMARGO, Eder Pires de; NARDI, Roberto. Ensino de conceitos físicos de termologia para alunos com deficiência visual: dificuldades e alternativas encontradas por licenciandos para o planejamento de atividades. Rev. bras. educ. espec., Marília , v. 12, n. 2, p. 149-168, Aug. 2006 . DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-65382006000200002

CARMO, Waldirene Ribeiro do. Cartografia tátil escolar: experiências com a construção de materiais didáticos e com a formação continuada de professores. Dissertação de mestrado do curso de Geografia da Universidade de São Paulo. São Paulo/SP. 2009.

CASTELLAR, Sonia Maria Vanzella. O papel do pensamento espacial na construção do raciocínio geográfico. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 10, n. 19, p. 294-322, jan./jun., 2020. DOI: https://doi.org/10.46789/edugeo.v10i19.922

CASTREGHINI, Maria Isabel. Cartografia tátil e representação espacial na orientação e mobilidade de pessoas com deficiência visual. Paco Editorial. São Paulo/SP. 2016.

D. Entrevista I. Entrevista concedida a estudantes da disciplina de Tópicos III, do curso de Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo. Sala Virtual Google Meet, em 04 de Março de 2021.

DA SILVA, Eduardo Robini et al. Caracterização das Pesquisas de Teses em Administração com Abordagem Qualitativa. Revista de Administração de Roraima - RARR, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 204-223, aug. 2016. ISSN 2237-8057. Disponível em: <https://revista.ufrr.br/adminrr/article/view/3032>. DOI: https://doi.org/10.18227/2237-8057rarr.v6i1.3032

FLICK, U. Métodos de Pesquisa: introdução à pesquisa qualitativa. 3ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FOGEL, G. Por que não teoria do conhecimento? Conhecer é criar. Cadernos de Nietzsche n. 13, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Tradução Roberto ataldo osta; consultoria, supervisão e revisão técnica desta edição Lorí iali. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre : Artmed, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Demográfico 2010: Características Gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf. Acesso em 7 de Abril de 2021.

_____________________. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2020 Cidades. Serra/ES. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/serra/panorama. Acesso em 5 de Maio de 2021.

KASTRUP, V. O lado de dentro da experiência: atenção a si mesmo e produção de subjetividade numa oficina de cerâmica para pessoas com deficiência visual adquirida. psicologia, ciência e profissão, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98932008000100014

LOCH, Ruth E. N. Cartografia Tátil: mapas para deficientes visuais. Portal da Cartografia. Londrina, v.1, n.1, maio/ago., p. 35 - 58, 2008.

MARTINELLI. Marcelo. Mapas, Gráficos e Redes: elabore você mesmo. Editora Oficina de Textos: 1ª Edição. São Paulo/SP. 2014.

MARTON, S. Do dilaceramento do sujeito à plenitude Dionisíaca. Tradução brasileira da conferência proferida na École Normale Supérieure de Paris em 14 de março de 2007.

OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de metodologia científica. São Paulo: Pioneira. 1997.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. WHO. (2016). Disability and health (Ficha Técnica atualizada em novembro de 2016). Recuperado de http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs352/en/.

PORTARIA Nº 3.128, de 24 de Dezembro de 2008 – Define que as Redes Estaduais de Atenção à Pessoa com Deficiência Visual sejam compostas por ações na atenção básica e Serviços de Reabilitação Visual. Acesso em: 30 de Março de 2021

PREFEITURA MUNICIPAL DA SERRA. Resolução CMES Nº 195/2016. Aprova as Diretrizes para Educação Especial na Rede Municipal de Ensino da Serra – ES e dá outras providências. Disponível em: https://drive.google.com/drive/u/0/folders/1UjU3O_b4aeA0PU-R9od4kk6gv_m6DT3K. Acesso em 03 de Abril de 2021.

PRIETO, Rosângela Gavioli. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In: Inclusão Escolar: Pontos e contrapontos. Summus Editorial, São Paulo, 2006.

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO – SEDU. Pessoas com deficiência visual contam com atendimento especializado na Rede Estadual. Publicado em 08 de Abril de 2019. Disponível em: https://sedu.es.gov.br/Not%C3%ADcia/pessoas-com-deficiencia-visual-contam-com-atendimento-especializado-na-rede-estadual. Acesso em 15 de Março de 2021.

ROSOLÉM, N. P. Um Breve Histórico Sobre os Estudos da Semiologia Gráfica no Brasil. Geografia (Londrina) ISSN 2447-1747 v. 26. n. 1. p. 49 – 61, jan/jun, 2017. DOI: https://doi.org/10.5433/2447-1747.2017v26n1p49

SÁ, E. D. de; CAMPOS, I. M. de C.; SILVA, M. B. C. Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Visual. São Paulo: SEESP/MEC, 2007.

SELLTIZ, C.; WRIGHTSMAN, L. S.; COOK, S. W. Métodos de pesquisa das relações sociais. São Paulo: Herder, 1965.

SENA, D.S.F . A psicomotricidade na vida da criança portadora de deficiência visual: numa abordagem inclusiva. 2005. Trabalho de pós-graduação “lato sensu” – Universidade Cândido Mendes, 2005.

VASCONCELLOS, R. A cartografia tátil e o deficiente visual: Uma avaliação das etapas de produção e uso do mapa. 1993. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade de São Paulo, Departamento de Geografia, 1993.

VEIGA-NETO, Alfredo. Faces da diferença: Entrevista concedida por Alfredo Veiga-Neto a Gilka Girandello. Ponto de Vista, Florianópolis, n. 05, p. 207-2016, 2003.

SKLIAR, Carlos. Entrevista com Carlos Skliar. [Folha Dirigida]. Disponível em <http://www.porsinal.pt/index.php?ps=destaques&idt=ent&iddest=92>. 2003.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Trad. Giane Lessa. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

Downloads

Publicado

2024-02-23

Como Citar

SOARES RIBEIRO, F. A.; PEREIRA VIEIRA, L. Pegar para ver outras Cartografias: desafios e possibilidades do uso do mapa tátil no Ensino de Geografia para alunos não videntes. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 60, p. 546–571, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3194. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3194. Acesso em: 17 abr. 2024.