O rio Poti (Teresina/PI) como objeto de estudo no âmbito da Geografia Física Escolar

a relação estudante-rio-escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3120

Palavras-chave:

Ensino de Geografia Física, Processo de Ensino e Aprendizagem, Rio

Resumo

O ensino dos aspectos físico-naturais no âmbito da Geografia Escolar, além de possibilitar a compreensão temática, contribui para o entendimento e relação dos estudantes com a dinâmica ambiental do seu cotidiano. Este estudo objetiva discutir a importância do Ensino de Geografia Física pautado na realidade para um processo de ensino e aprendizagem eficaz, tomando como exemplo quatro recortes espaciais localizados no baixo curso do rio Poti (Teresina/PI) e aplicando em uma turma de uma escola na região Sudeste da cidade. Metodologicamente houveram leitura/análise teórico-conceitual; seleção e análise da paisagem de quatro pontos do rio Poti; além da utilização do QGis versão 2.16 e de registros fotográficos. Os resultados apontam para a diversidade de elementos físico-naturais locais, sobretudo no sentido montante-jusante, com influências geológicas-geomorfológicas quanto aquelas relacionadas aos aspectos de drenagem, vegetacional e pedológica, contribuindo para necessárias incorporações em sala de aula, sobretudo em turmas de 6º ano do Ensino Fundamental.

Biografia do Autor

Edenilson Andrade Ferreira, UVA - Universidade Estadual Vale do Acaraú

Mestre em Geografia (2021-2023) pela Universidade Estadual do Vale do Acaraú - UVA, Especialista em Gestão Escolar; e em Educação Especial Inclusiva pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (2021), Graduado em Licenciatura em Geografia pela Universidade Federal do Piauí (2012.1/2017.2), desenvolvendo, nos períodos 2017.1 e 2017.2 a monitoria na disciplina de Fotointerpretação em Geografia, além de participante de projetos de Iniciação Científica Voluntária e de Projeto BIAMA/PRAEC/UFPI. Atualmente é integrante dos grupos de pesquisa Planejamento e Gestão Ambiental em Bacias Hidrográficas (UVA) e Geomorfologia, Análise Ambiental e Educação da UFPI (GAAE/UFPI), desenvolvendo estudos sobre Ensino de Geografia, Recursos didáticos para o ensino de Geografia, Multiculturalismo, Meio ambiente urbano e Geotecnologias.

Ernane Cortez Lima, Universidade Estadual Vale do Acaraú,https://www.uva.ce.gov.br/

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2012) Pós-Doutorado em Geografia "Educação Ambiental Aplicada a Gestão Territorial em Comunidades Ribeirinhas e Litorâneas" pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2014). Possui graduação em Geografia/Licenciatura Plena pela Universidade Federal do Ceará - UFC (1994), Especialização em Botânica pela Universidade Federal do Ceará - UFC (1994), Mestrado Acadêmico em Geografia pela Universidade Estadual do Ceará - UECE (20004). Pesquisador do CNPq, Líder do Grupo de Pesquisa Planejamento e Gestão em Bacias Hidrográficas. Atualmente é professor Adjunto K da Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA com experiência na área de Geociências, com ênfase em Geomorfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Bacias Hidrográficas, Meio Ambiente, Degradação Ambiental, Planejamento Ambiental e EIA/RIMA. Professor e Orientador do Mestrado Acadêmico em Geografia da Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA.

Referências

ABREU, I. G.; LIMA, I. M. M. F. Panorama da cidade de Teresina: sua origem, sua gente, seu ambiente e possíveis transformações. In: PORTELA, M. O. B.; VIANA, B. A. S.; LIMA, I. M. M. F. (Orgs.). O ensino de Geografia e a cidade de Teresina. Goiânia: C&A Alfa Comunicação, 2020. p. 57-95.

ALBUQUERQUE, F. N. B. Geografia Física Escolar: Teorias e Conceitos, Escalas e Linguagens. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, 17., 2017, Anais... Campinas, SP, Brasil. DOI: https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2373

ANASTASIOU, L. G. C. Ensinar, Aprender, Apreender e Processos de Ensinagem. In: SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE, 4., 2011, Anais... Santana do Livramento, RS, Brasil.

BERTALANFFY, L. General System Theory. Foundations, development and applications. New York: George Braziler, 1968.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC. 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/> Acesso: 20 de março de 2022.

CALLAI, H. C.; MORAES, M. M. Educação Geográfica, Cidadania e Cidade. Acta Geográfica, edição especial, 2017. p. 82-100. DOI: https://doi.org/10.18227/2177-4307.acta.v11iee.4771 DOI: https://doi.org/10.18227/2177-4307.acta.v11iee.4771

CAVALCANTI, L. S. Geografia, escola e construção de conhecimento. 16ª ed. Campinas: Papirus, 1998.

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Carta de suscetibilidade a movimentos gravitacionais de massa e inundação: município de Teresina – PI. Teresina: CPRM, 2020.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2011.

FREITAS, S. R. P. C. O Processo de Ensino e Aprendizagem: a importância da didática. In: FÓRUM INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA. 8., 2016, Anais... Imperatriz, MA, Brasil.

GÓES, A. M. A Formação Poti (Carbonífero Inferior) da Bacia do Parnaíba. 1995. 204f. Tese de Doutorado (Geologia Sedimentar) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 1995

KUBO, O. M; BOTOMÉ, S. P. Ensino-aprendizagem: uma interação entre dois processos comportamentais. Interação, v. 5, 2001, p. 1-19. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v5i1.3321 DOI: https://doi.org/10.5380/psi.v5i1.3321

LEMOS, C. E. C; ASSIS, G. A pandemia da Covid-19, a exposição das desigualdades e o discurso da necropolítica neoliberal. Ensaios de Geografia, v. 5, n. 9, p. 34-39, 2020. DOI: https://doi.org/10.22409/eg.v5i9.42491 DOI: https://doi.org/10.22409/eg.v5i9.42491

LIMA, E. C. Planejamento Ambiental como Subsídio para a Gestão Ambiental da Bacia de Drenagem do Açude Paulo Sarasate Varjota - Ceará. 2012. 212f. Tese de Doutorado (Geografia) – Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 2012.

LIMA, E. C.; SILVA, E. V. Estudos Geossistêmicos Aplicados à Bacias Hidrográficas. Revista Equador, v. 4, n.4, p. 3-20, 2015. DOI: https://doi.org/10.26694/equador.v4i4.4367 DOI: https://doi.org/10.26694/equador.v4i4.4367

LIMA, I. M. M. F. O relevo de Teresina, PI: compartimentação e dinâmica atual. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM GEOGRAFIA, 9., Anais... 2011, Goiânia, GO, Brasil.

MONTEIRO, A. B.; DINIZ, J. A. O; PAULA, T. L. F.; CORREIA FILHO, F. L. Taxonomia Hidrogeológica do Estado do Piauí. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, 19., Anais... 2016., Campinas, SP, Brasil.

MORAES, M. V. A. R.; LIMA, I. M. M. F. Análise Geomorfológica a partir de dados SRTM: Município de Teresina, Piauí. Revista Equador, v. 4, p. 951-960, 2015.

MOREIRA, M. A. O que é afinal aprendizagem significativa?. Qurriculum, n. 25, p. 29-56, 2012.

NASCIMENTO, F. R.; SAMPAIO, J. L. F. Geografia Física, Geossitemas e Estudos Integrados da Paisagem. Revista da Casa da Geografia de Sobral, v. 6/7, n. 1, p. 167-179, 2005.

NUNES, H. K. B.; SILVA, J. F. A.; AQUINO, C. M. S. O rio e a cidade: o Rio Poti no processo de urbanização de Teresina (Piauí) e as vulnerabilidades associadas. In: Lima, I. M. M. F.; ALBUQUERQUE, E. L. S. (Orgs.). Rio Poti: caminhos de suas. Teresina: EDUFPI, 2020. P. 183-201.

PAIVA, I. T. P; NASCIMENTO NETO, J. N; LIMA, E. C. O Ensino De Geologia como Instrumento Formador da Prática Docente em Geografia. Revista da Casa da Geografia de Sobral, v. 21, n. 2, p. 413-426, 2019. DOI: https://doi.org/10.35701/rcgs.v21n2.530 DOI: https://doi.org/10.35701/rcgs.v21n2.530

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia, n. 6, p.17-29. 1992. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.1992.0006.0002 DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.1992.0006.0002

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERESINA. Plano Diretor de Drenagem Urbana de Teresina (PDDrU). Teresina: CONCREMAT/SEMPLAM, 2012.

SILVA, A. K. M.; VIANA, B. A. S. As atividades industriais e seus impactos no solo urbano: sugestões para o ensino sobre a cidade de Teresina. In: PORTELA, M. O. B.; VIANA, B. A. S.; LIMA, I. M. M. F. (Orgs.). O ensino de Geografia e a cidade de Teresina. Goiânia: C&A Alfa Comunicação, 2020. P. 131-158.

SILVA, M. S.; CAMPOS, C. R. P. Aulas de campo como metodologia de ensino - fundamentos teóricos. In: CAMPOS, C. R. P. (Org). Aula de campo para alfabetização científica: práticas pedagógicas escolares. Vitória: Editora Ifes, 2015.

SPOSITO, M. E. B; GUIMARÃES, R. B. Por que a circulação de pessoas tem peso na difusão da pandemia: difusão da Covid-19 no país segue modelo relacionado a interações espaciais na rede urbana. Portal UNESP, 26 de março de 2020. Disponível em: https://www2.unesp.br/portal#!/noticia/35626/por-que-a-circulacao-de-pessoas-tem-peso-na-difusao-da-pandemia. Acesso em: 23 abr. 2020.

SKINNER, B. F. Teorias de aprendizagem são necessárias? Revista Brasileira de Análise do Comportamento, v. 1, n. 1. 2005. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/rebac.v1i1.767 DOI: https://doi.org/10.18542/rebac.v1i1.767

VALE, C. C. Teoria Geral Do Sistema: histórico e correlações com a Geografia e com o estudo da paisagem. Entre-Lugar, v. 3, n. 6, p. 85-108. 2012.

VASCONCELOS, J. F. Esse é o meu jeito ninja de ser: Mangás e animes no ensino de Geopolítica. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Geografia) – Universidade Federal do Piauí. Teresina, 2017.

VIANA, B. A. S. Caracterização estratigráfica, química e mineralógica do massará e conflitos socioambientais associados à sua exploração em Teresina, PI, Brasil. 2013. 221f. Tese de Doutorado (Geografia) – Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2013.

VIVEIRO, A. A.; DINIZ, R. E. S. Atividades de campo no ensino das ciências e na educação ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciência em tela, v. 2, n. 1. 2009.

Downloads

Publicado

2024-02-23

Como Citar

ANDRADE FERREIRA, E.; CORTEZ LIMA, E. O rio Poti (Teresina/PI) como objeto de estudo no âmbito da Geografia Física Escolar: a relação estudante-rio-escola. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 60, p. 512–545, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3120. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3120. Acesso em: 17 abr. 2024.