Proposta de projeto de ensino sobre as mudanças climáticas na escola

pensar e agir com o cotidiano a partir dos riscos climáticos locais

Autores

Palavras-chave:

mudanças climáticas, ensino, investigação, trabalho de campo, cotidiano

Resumo

As mudanças climáticas constituem um dos temas de maior apelo atualmente, sendo, portanto, o seu debate de fundamental relevância. As discussões acerca das mudanças climáticas na BNCC (2017) aparecem de forma muito tímida. A ocorrência do tema é apresentada apenas na área de Ciências Naturais, mas de modo pouco explorado, no campo da Educação Ambiental. O objetivo deste texto é apresentar uma proposta de projeto de ensino investigativo para a educação básica a respeito dos riscos climáticos locais que a escola pode estar exposta no contexto das mudanças climáticas. Essa proposta justifica-se devido à ausência na BNCC (2017) de propostas, projetos ou conteúdos de ensino que possibilitem a construção e articulação de práticas escolares com o tema. Almeja-se que a comunidade escolar possa estar envolvida tanto no conhecimento da sua própria realidade quanto na construção coletiva de conhecimentos escolares.

Biografia do Autor

Darlan da Conceição Neves, UNICAMP

Doutorando em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas. Mestre em Ensino e História de Ciências da Terra pela Universidade Estadual de Campinas - São Paulo (2018). Licenciado em Geografia pela Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus-Bahia (2015). Professor da rede municipal de São Paulo e do Centro Paula Souza (Escolas Técnicas de SãoPaulo). Atualmente desenvolve pesquisas relacionadas às mudanças climáticas no Ensino de Geografia, com ênfase no discurso, linguagens, raciocínio geográfico e produção de materiais didáticos.

Rafael Vinicius São José, Universidade Estadual de Campinas/Estudando de doutorado em Geografia

Geógrafo (Licenciado) pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Mestre em Ensino e História de Ciências da Terra pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Doutorando no Instituto de Geociências da UNICAMP. Linhas de pesquisa: Ensino e difusão da Climatologia e Riscos meteorológicos e climáticos.

Rogério Visquetti de Santana, Colégio Matter Dei/Professor de Química

Mestre em Ciência e Tecnologia Ambiental pela Universidade Federal do ABC (UFABC). Especialista em Meio Ambiente e Sociedade pela Fundação escola de Sociologia e Politica (FESPSP). Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Cruzeiro do Sul (2006). Atuou como técnico ambiental da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental e como professor professor assistente do Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas. É colaborador do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, sub relator da Associação Brasileira de Normas Técnicas - Sede, Professor nos Colégios Internacional Vocacional Radial e MaterDei. Tem experiência na área de Ciências Ambientais e Química, com ênfase em Ciências Ambientais, atuando principalmente nos seguintes temas: amostragem, coleta de amostras, meio ambiente, gestão da qualidade, determinação de campo e docência no ensino básico e superior.

Referências

ACOSTA, V. G. Historia y desastres en América Latina. Santafé de Bogotá, Colômbia: Ciesas & Lared, 1996. 290p.

ADGER, W.N. Vulnerability. Global Environmental Change, v.16, n.3, p.268-281, 2006.

ALEIXO, N. C. R., SILVA NETO, J. C. A. da. Precipitação e riscos em Tefé-AM. Revista Brasileira de Geografia Física, v.08, n. 04 , p.1176-1190, 2015.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In.: CARVALHO, A. M. P (org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2019. p. 1-20.

COLL, C. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1994. 159 p.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 57. ed. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2018. 143 p.

GONDIM, G.M.M. Do conceito de risco ao da precaução: entre determinismos e incertezas. In: Fonseca, F. A; Corbo, A. D. (Orgs.), O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007, p. 87-119.

IPCC. Intergovenmental Panel in Climate Change. Climate Change: Impacts, Adaptation and Vulnerability. Genebra, Suiça, 2001. 1005p.

JACOBI, P. R. et al. Mudanças climáticas globais: a resposta da educação. Revista Brasileira de Educação [online]. 2011, v. 16, n. 46 [Acessado 5 Maio 2022] , pp. 135-148. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000100008>. Epub 16 Maio 2011. ISSN 1809-449X. https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000100008.

LAVELL, A. Comunidades Urbanas, vulnerabilidad a desastres y opiciones de prevención y migatición: una propuesta de investigación-acción para Centroamérica. In: LAVVEL, Allan (comp.). Viviendo em riesgo: comunidade vulnerables y previción de desastres em América Latina. Colômbia: La Red/FLACSO, 1994. p.69-82.

LAVELL, A. Gestión de riesgos ambientales urbanos. Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales y La Red de Estudios Sociales en Prevención de Desastres en Ameri-ca Latina-LA RED, 1999. p. 1-13.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. 3. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2009. 150 p.

LOURENÇO, L. Riscos naturais, antrópicos e mistos. Revista Territorium, 14, 107-111, 2007.

MARANDOLA JR., E; HOGAN. D. J. Natural hazards: o estudo geográfico dos riscos e perigos. Ambiente e Sociedade, v. 7, n. 2, p. 95-109, 2004.

MARANDOLA JR.; HOGAN, D. J. Vulnerabilidades e riscos: entre geografia e demografia. Revista Brasileira de Estudos de População, 22(1), 29–53, 2005.

MARENGO, J. A. Impactos de extremos relacionados com o tempo e o clima- Impactos sociais e econômicos. Boletim do Grupo de Pesquisa em Mudanças Climáticas – GPMC. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE. Centro de Ciências do Sistema Terrestre – CCST Número 8 – Maio de 2009 – Edição Especial.

MARQUES, C.; SANTOS, F. M. dos. Riscos e adaptação às mudanças ambientais: os casos de Santos e Ilha Comprida (SP). Idéias, Campinas, SP, v.12, 01-27, 2021.

MONTEIRO, C. A. F. Clima e excepcionalismo: conjecturas sobre o desempenho da atmosfera como fenômeno geográfico. Florianópolis: Editora da UFSC, 1991.

NEVES, K. F. T. V. Os trabalhos de campo no ensino de geografia: reflexões sobre a prática docente na educação básica. Ilhéus, BA: Editus, 2010. 137p.

OSCAR JÚNIOR, A. C. ; NUNES, L. H. Desafios da governança territorial à mudança climática : a capacidade adaptativa na região metropolitana do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Climatologia, Dourados, MS, v. 29, p. 492-523, 2021.

PBMC, 2016: Mudanças Climáticas e Cidades. Relatório Especial do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas [Ribeiro, S.K., Santos, A.S. (Eds.)]. PBMC, COPPE – UFRJ. Rio de Janeiro, Brasil. 116p

SÃO PAULO (SP). Secretaria Municipal de Educação. Coordenadoria Pedagógica. Diretrizes de aprendizagem dos objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) no currículo da cidade de São Paulo. – São Paulo: SME / COPED, 2020. 103p.

SASSERON, L. H, A. M. P. Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In.: CARVALHO, A. M. P (org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2019. p. 41-62.

SILVA, W. L.; DERECZYNSKI, C. Caracterização climatológica e tendências observadas em extremos climáticos no estado do Rio de Janeiro. Anuário do Instituto de Geociências, Rio de Janeiro: UFRJ, vol.37 -2, pp.: 123-138, 2014.

SILVEIRA, R. D. Avaliação do risco climático no estado do Rio Grande do Sul a partir da repercussão dos eventos climáticos extremos. In: SANT’ANNA NETO, J. L.; AMORIM, M. C.de C. T.; SILVA, C. A. da. Clima e Gestão do território. Jundiaí: Paco Editorial, 2016. 403 p.

SILVEIRA, M. L. Uma situação geográfica: do método à metodologia. Revista TERRITÓRIO, ano IV, nt1 6, jan./jun. 1999.

SMIT, B.; PILIFOSOVA, O. Adaptation to climate change in the context of sustainable development and equity. In: J.J. McCarthy, O.F. Canziani, N.A. Leary, D.J. Dokken, K.S. White (eds), Climate Change 2001: Impacts, Adaptation, and Vulnerability. Cambridge University Press, Cambridge, UK, pp. 877–912. 2001.

SOUSA, L. B.; ZANELLA, M. E. Percepções de riscos Ambientais: teorias e aplicações. Fortaleza: Edições UFC, 2009.

SOUZA, K. R. G.; LOURENÇO, L. A evolução do conceito de risco à luz das ciências naturais e sociais. Revista Territorium, n. 22, p. 31-44, 2015.

VEYRET, I. Os riscos: O homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Editora Contexto, 2007. 320 p.

VEYRET, Y ; RICHEMOND, N. M. Os tipos de risco. In : Veyret, Y (Org.). Os riscos : o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo : Contexto, p. 63-79, 2007.

ZANELLA, M. E.; OLÍMPIO, J. L.S. Impactos pluviais, risco e vulnerabilidades em Fortaleza-CE. In: MENDONÇA, F. Riscos climáticos: vulnerabilidades e resiliência associados. Jundiaí: Paco Editorial, 2014. 386p.

Downloads

Publicado

2022-12-29

Como Citar

DA CONCEIÇÃO NEVES, D.; SÃO JOSÉ, R. V. .; VISQUETTI DE SANTANA, R. Proposta de projeto de ensino sobre as mudanças climáticas na escola: pensar e agir com o cotidiano a partir dos riscos climáticos locais. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 58, p. 251–286, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/2315. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos