O saber escolar nos primeiros anos da Associação dos Geógrafos Brasileiros (1935-1944)

um estudo a partir da Revista Geografia e do Boletim da AGB

Autores

  • Maria Rita de Castro Lopes Seção Local São Paulo

Palavras-chave:

AGB, Saber escolar, periódicos.

Resumo

A Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), em 1934, surgiu logo após a fundação do primeiro curso de licenciatura em Geografia no Brasil, na Universidade de São Paulo. Enquanto uma comunidade científica, a AGB não se limitou apenas à produção de pesquisas acadêmicas, atuou como um agente externo à escola, com o objetivo de influenciar no saber escolar. A pesquisa realizou uma compreensão histórica de como a AGB buscou forjar o saber escolar de 1935-1944. As principais fontes documentais foram os periódicos Geografia e Boletim da AGB, produzidos pela própria entidade. Para a análise historiográfica, utilizou-se como referencial teórico Ivor Goodson, no que concerne aos seus estudos de caráter sócio-histórico do saber escolar e Horácio Capel para compreender a história das associações científicas. A associação estrategicamente sabia da importância da escola como um lugar de transmissão do conhecimento, que contribuiria para uma ruptura epistemológica na Geografia desenvolvida no Brasil.

Referências

ALBUQUERQUE, Maria Adailza Martins. Dois Momentos na História da Geografia Escolar: a Geografia clássica e as contribuições de Delgado de Carvalho. Revista Brasileira de Educação em Geografia. Campinas, v. 01 n. 02, 2011. pp. 19-51.

ANDRADE, Manuel Correia de. A AGB e o pensamento geográfico no Brasil. Terra Livre, São Paulo, n. 09, p. 143-152, 1991.

ASSOCIAÇÃO DOS GEÓGRAFOS BRASILEIROS. Boletim da Associação dos Geógrafos Brasileiros: Histórico. Ano I, n.1. In. Revista Brasileira de Geografia. IBGE, Rio de Janeiro: v. 3, n. 1, jan./mar. de 1941.

AZEVEDO, Aroldo de. Os concursos para o magistério secundário. Boletim da Associação dos Geógrafos Brasileiros, São Paulo, n. 05, p. 85-89, 1944.

AZEVEDO, Aroldo de. O ensino da Geografia no curso secundário. Geografia, São Paulo, n. 04, p.02, 1936.

BICCAS, Maurilene de Souza. Impressos pedagógicos como objetivo e fonte para a História da Educação em Minas Gerais: revista do ensino (1925-1940). In: MORAIS, C. C; et al. (Org). História da Educação: ensino e pesquisa. São Paulo: Autêntica, 2008, p.71-106.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. 4 ª ed. São Paulo: Cortez, 2011. 408 p.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Pátria, Civilização e Trabalho: o ensino de história nas escolas paulistas (1917-1970). São Paulo: Loyola, 1990. 227 p.

CAPEL, Horácio. História de la ciencia e história de las disciplinas cientificas: objectivos y bifurcaciones de un programa de investigación sobre historia de la geografia. Cuadernos críticos de Geografia Humana. Barcelona, ano 12, n. 84, 1989. Disponível em: <http://www.ub.es/geocrit/geo84c.htm>.

CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 02, p. 177-229, 1990.

DEFFONTAINES, Pierre. A associação dos geógrafos brasileiros (Introdução). Geografia. Geografia, São Paulo, ano 1, n. 01, p. 07-09, 1935a.

DEFFONTAINES, Pierre. Apresentação. Geografia, ano 01, n. 02, p.1, 1935b.

DIAS, Angélica Maria de Lima. LINGUAGEM LÚDICA COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA PARA GEOGRAFIA ESCOLAR NA REVISTA DO ENSINO DE MINAS GERAIS (1925-1935). 2013. 95f. Dissertação (Mestrado) – Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013.

FRANÇA, Ary. Programas de Geografia para os colégios. Boletim dos Geógrafos Brasileiros, São Paulo, ano 4, n. 5, 1944.

GOLOMECK, Patrícia. Caetano de Campos: a escola que mudou o Brasil. São Paulo: Edusp, 2016. 823 p.

GOODSON, Ivor. Currículo: teoria e história. 15 ed. Petrópolis: Vozes, 2018. 160 p.

GOODSON, Ivor. O Currículo em Mudança: estudos na construção social do currículo. Porto: Porto Editora, 2001. 230 p.

ISSLER, Bernardo. A Geografia e os Estudos Sociais. 253f. Tese (Doutorado) – Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 1973.

LESTEGÁS, Francisco Rodrigues. Concebir La Geografia Escolar desde una nueva perspectiva: uma disciplina a serviço de la cultura escolar. Boletín de la Asociación Española de Geografía. Espanha, n. 33, p. 173- 186, 2002.

LIRA, Larissa de Alves. Pierre Monbeig e a Formação da Geografia Brasileira: uma ciência no contexto do capitalismo tardio. Erosão de valores literários, “tentação à ação” e sistematização do método (1925-1957). 2017. 418 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

MARTINS, Maria do Carmo. A História prescrita e disciplinada nos currículos escolares: quem legitima esses saberes? Bragança Paulista: EDUSF, 2002. 274 p.

MONBEIG, Pierre. A Geografia no Ensino Secundário. Boletim Geográfico. Rio de Janeiro, v. 3, n. 26, p. 163-171, 1945.

MONBEIG, Pierre. Aroldo de Azevedo: geografia Humana (curso pre-juridicos); Geografia para quarta série. Vols. XXVI e XXXVIII da Biblioteca Pedagógica Brasileira. Companhia Editora Nacional, São Paulo. Geografia, ano 01, n. 04, p. 96-97, 1935.

MONBEIG, Pierre; AZEVEDO, Aroldo de; CARVALHO, Maria Conceição Vicente de. O ensino secundário de Geografia. Geografia, São Paulo, ano 01, n. 01. p.77-85, 1935.

NOGUEIRA, Carlos Eugênio. O lugar na fronteira de Pierre Monbeig. 2013. 361 f. (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

ORLANDI, José de Oliveira. O film cinematographico na geographia. Geografia, São Paulo, ano 02, n. 01, 1936b.

ORLANDI, José de Oliveira. Methodologia do ensino de geographia. Geografia, São Paulo, 1936a.

ROCHA, Genylton Odilon Rêgo da. Uma breve história da formação do(a) professor(a) de Geografia no Brasil. Terra Livre, São Paulo, n. 15, p. 129-144, 2000.

ROCHA, Genylton Odilon Rêgo da. A trajetória da disciplina geografia no currículo escolar brasileiro (1837-1942). 1996. 302 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1996.

SEABRA, Manoel. Caio Prado Jr. e os Primeiros Anos da AGB. In: LUMATTI, P. et al. (orgs). Caio Prado Jr. e a Associação dos Geógrafos Brasileiros. São Paulo: Edusp, 2008. p. 13-126.

SILVA, Maria Ediney Ferreira da. A construção da identidade nacional no livro didático de Geografia – 1842-1945. 2018. 316f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SILVEIRA, João Dias da. A excursão no ensino da Geografia. Geografia, n. 04, 1936.

PEREIRA, Diego Carlos. Movimento Escola Nova e Geografia Moderna Escolar: em manuais para o ensino secundário brasileiro (1905-1941). 2019. 227f. Doutorado Tese (Doutorado) – Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2019.

PONTUSCHKA, Nídia Nacib; TOMOKO, Iyda Paganelli; CACETE, Núria Hanglei. Para ensinar e aprender Geografia. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2007. 383 p.

ZUSMAN, Perla. Brígida. Sociedades Geográficas na promoção dos saberes a respeito do território: estratégias políticas e acadêmicas das instituições geográficas na Argentina (1879-1942) e no Brasil (1838-1945). 209 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

Downloads

Publicado

2022-12-29

Como Citar

DE CASTRO LOPES, M. R. O saber escolar nos primeiros anos da Associação dos Geógrafos Brasileiros (1935-1944): um estudo a partir da Revista Geografia e do Boletim da AGB. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 58, p. 383–417, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/2266. Acesso em: 30 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos