Estágio supervisionado em geografia a partir de contextos diferenciados de ensino

Autores

  • Mario Pires Simão Faculdade de Formação de Professores da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (FFP/UERJ)
  • Gabriel Siqueira Corrêa Universidade do Estado do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0002-1448-7791

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3473

Palavras-chave:

Estágio Supervisionado, educação diferenciada, formação de professores

Resumo

Neste artigo iremos apresentar a experiência de estágio supervisionado, tendo como foco as questões que envolvam a educação diferenciada, ou seja, práticas associadas a distintas territorialidades como educação do campo e indígena, a educação não formal; as iniciativas de práticas culturais, e as agendas contemporâneas que têm ganhado espaço na escola, como o debate de raça e gênero. Assim, tem-se como objetivo identificar a potencialidade do estágio supervisionado enquanto um lugar de formação política e geográfica, a partir de um debate sobre educação diferenciada. Nessa direção, iremos relatar as práticas e possibilidades desse campo, a partir das experiências obtidas durante a docência em estágio supervisionado IV, disciplina ofertada pelo curso de graduação de Geografia, ofertado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, na Faculdade de Formação de Professores, tendo como recorte temporal as práticas desenvolvidas entre 2014 e 2023.

Biografia do Autor

Gabriel Siqueira Corrêa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Gabriel Siqueira Corrêa é graduado em Geografia pela Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Realizou seu mestrado e doutorado em Geografia na Universidade Federal Fluminense, e pós-doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É Professor Adjunto vinculado ao Departamento de Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Faculdade de Formação de Professores). Também faz parte do Programa de Pós Graduação em Geografia da UERJ/FFP, atuando tanto na linha de poder como na linha de ensino.Atualmente coordena o NETEN (Núcleo de estudos em Territorialidades negras e ensino de Geografia) debatendo os seguintes temas: Relações Raciais e Geografia; Lei 10.639/03; lutas quilombolas no Brasil e o Branqueamento do Território. 

Referências

AGENDA JUVENTUDE BRASIL. Secretaria Nacional de Juventude. Pesquisa Nacional sobre perfil dos jovens brasileiros. Brasília, 2014.

ALMEIDA, M. I. de; PIMENTA, S. G. (orgs). Estágios supervisionados na formação docente: educação básica e educação de jovens e adultos. São Paulo: Editora Cortez, 2014.

ANDRADE, M.; LIMA, A. (et al.) A diferença que desafia a escola: a prática pedagógica e a perspectiva intercultural. Rio de Janeiro: Quartet, 2009.

ANDRADE, Rodrigo Coutinho. A Educação de Jovens e Adultos e o Programa Nova EJA: um olhar analítico sobre a categoria trabalho para formar trabalhadores. Revista Tamoios, São Gonçalo/RJ, ano 10, n. 2, p. 35-56, jul/dez. 2014. DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2014.13078

ANJOS, R. S. A.. África, A Educação Brasileira e a Geografia. In: SECAD-MEC. (Org.). Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília-DF: MECBID-UNESCO, 2005a, v. 1, p. 167-184.

BATISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M.; JESUS, D. M. (orgs) Educação especial: diálogo e pluralidade. - 3 ed. - Porto Alegre: Mediação, 2015

BUTLER, j. Os sentidos do sujeitos. Coordenação de tradução: Carla Rodrigues - 1 ed. - Belo Horizonte: Autêntica, 2021.

CALDART, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2000

______________Educação em movimento: formação de educadores e educadoras do MST. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1997.

CANDAU, V. M. F., OLIVEIRA, L. F.. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista | Belo Horizonte | v.26 | n.01 | p.15-40 | abr. 2010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-46982010000100002

CARRIL, L. F.. Os desafios da educação quilombola no Brasil: o território como contexto e texto. In: Revista Brasileira de Educação. V. 22. N. 69, abr-jun/2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782017226927

CIAVATTA, M.; RUMERT, S. M.. As implicações políticas e pedagógicas do currículo na Educação de Jovens e Adultos integrada à formação profissional. Revista CEDES, Campinas, v. 31, n. 111, p. 461-480, abr-jun, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000200009

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CNE/CEB. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação de Jovens e Adultos, 2000.

FARAGE, E.; SANTO, A. M.O. (orgs) Educação Pública no conjunto de favelas da Maré: desafios e potencialidades. 1. ed. - Rio de Janeiro: Mórula Editora, 2023.

FIABANI, A. As diretrizes curriculares nacionais para educação escolar quilombola: a necessária ruptura de paradigmas tradicionais Revista Identidade. São Leopoldo | v.18 n. 3, ed. esp. | p. 345-356 | dez. 2013.

FORQUIN, J.C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Tradução de Guacira Lopes - Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1993.

FRAGA, P. C. P.; IULIANELLI, J. A. S. (orgs) Jovens em tempo real. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

FREIRE, L.L.; CUNHA, N. V. (orgs) Educação e favela: refletindo sobre antigos e novos desafios. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2022.

KOHAN, W. O. Uma escola filosófica popular? In: GALLO, S.; MENDONÇA, S. (orgs) A escola: uma questão pública. - 1. ed. São Paulo: Parábola, 2020.

KUENZER, A.Z. Ensino médio e profissional: as políticas do Estado neoliberal. - 2. ed. - São Paulo: Cortez Editora, 2000 (Coleção Questões da Nossa Época: v. 63)

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares. As razões do improvável. Tradução de Ramon A. Vasques e Sonia Goldfeder. São Paulo: Editora Ática, 1997.

LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspecteivas Latino-Americanas. Coleção Sur Sur. Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2005.

MOLINA, M. C.; FREITAS, H. C de A. (orgs) Educação do Campo. Revista Em Aberto, Brasília, v. 24, n. 85, p. 1-177, abr.2011.

MOREIRA. R. O discurso do avesso: para a crítica da geografia que se ensina. - São Paulo: Contexto Editora, 2014.

MRECH, Leny Magalhães. Educação Inclusiva: realidade ou utopia. Artigo apresentado em seminário sobre educação inclusiva na Faculdade de Educação da USP, maio de 1999.

NOGUEIRA, Ruth E. Motivações hodiernas para ensinar geografia: representação do espaço para visuais e invisuais. Florianópolis, [s.n], 2009.

NOVOA, A. Os professores e a sua formação num tempo de metamorfose da escola. In: Revista Educação & Realidade. V. 44, n. 3. 2019 DOI: https://doi.org/10.1590/2175-623684910

PASSINI, E. Y.; PASSINI, R.; MALYSZ, S.T. (orgs). Prática de Ensino de Geografia e estágio supervisionado. 2. ed. - 2ª reimpressão - São Paulo: Contexto Editora, 2013.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

PAULA, F. M.A.; CAVALCANTI, L.S.; PIRES, L. M. (orgs). Os jovens e suas espacialidades. Goiânia: Editora Espaço Acadêmico, 2016

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? - 11. ed. - São Paulo: Cortez Editora, 2012.

RAHME, Mônica Ma. Farid, MRECH, L. M. Os efeitos da inserção escolar para alunos pouco convencionais. Estudos de Avaliação em Educação. São Paulo, v.25, n. 57, PP. 114-137, Ano 2014. DOI: https://doi.org/10.18222/eae255720142826

RATTS, A. J. P., RODRIGUES, A. P. C., VILELA, Benjamim P., CIRQUEIRA, D. M. Representação da Áfica e da população negra nos livros didáticos de Geografia. Revista da Casa de Geografia de Sobral, Sobral, v. 8/9, n.1, p. 45-59, 2006/2007.

RATTS, A. Geografia, relações étnicoraciais e educação: a dimensão espacial das políticas de ações afirmativas no ensino. Revista Terra Livre. São Paulo/SP. Ano 26, v.1, n.34, p.125-140. Jan-jun/2010.

RESENDE, M. S. A geografia do aluno trabalhador: caminhos para uma prática de ensino. São Paulo: Edições Loyola, 1989

REIS, Maira Lopes. Estudos de gênero na Geografia: uma análise feminista daprodução do espaço. In: Espaço e Cultura, Uerj, RJ, n.38, jul/dez/2015 DOI: https://doi.org/10.12957/espacoecultura.2015.29067

RIBEIRO, M.J.L. (org). Educação especial e inclusiva: teoria e prática sobre o atendimento à pessoa com necessidades especiais. Prefácio Marinés Saraiva. Maringá,PR: Eduem, 2012.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: história e teoria. - 2 ed. - Campinas,SP: Autores Associados, 2012 (Coleção memória da educação)

SANTOS, Mônica Pereira dos. Educação inclusiva: redefinindo a educação especial. Revista Ponto de Vista, Florianópolis, n. ¾, p. 103-118, ano 2002.

SANTOS, R. E. Ensino de Geografia e currículo: questões a partir da lei 10.639. In: Terra Livre São Paulo/SP, Ano 26, V.1, n. 34, p. 141-160,jan-jun/2010

SOUZA E SILVA, J. “Por que uns e não outros”. Caminhada de jovens pobre para a universidade. Rio de Janeiro: Sete Letras, 2003.

STRECK, D (org). Fontes da pedagogia latino-americana: uma antologia. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

STRECK, D; ESTEBAN, M.T. (orgs). Educação Popular: lugar de construção social coletiva. - Petrópolis, RJ: Vozes Editora, 2013.

TARDIF M; LESSARD C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Tradução de João Batista Kreuch. 9 ed. - Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2014

TAVARES, M.T.; ALVARENGA, M.S.; SILVA, C.A. (orgs) Educação popular, movimentos sociais e formação de professores: os 50 anos do golpe militar de 1964 e a mobilização dos inéditos viáveis no campo social e educativo. 1.ed. - São Paulo: Outras Expressões, 2015.

TURRA NETO, Nécio. Slam Quilombo de Dandara de Presidente Prudente – SP: um território insurgente e suas práticas educativas (artigo ainda não publicado.

VALLA, V. V. (org.) Educação e favela: políticas para as favelas do Rio de Janeiro, 1940-1985. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1986

Downloads

Publicado

2024-06-14

Como Citar

PIRES SIMÃO, M. .; CORRÊA, G. S. Estágio supervisionado em geografia a partir de contextos diferenciados de ensino . Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 61, p. 247–287, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3473. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3473. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)