Caracterização socioeconômica de comunidades tradicionais do Mosaico do Baixo Rio Negro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3381

Palavras-chave:

perfil socioeconômico, sociobiodiversidade, áreas protegidas, amazônia central, populações tradicionais

Resumo

Estudos socioeconômicos são importantes instrumentos de gestão que permitem avaliar aspectos sociais envolvidos na conservação ambiental. Analisamos através de questionários o perfil socioeconômico de populações tradicionais residentes em Áreas Protegidas do Mosaico do Baixo Rio Negro, Amazonas. O perfil socioeconômico dos moradores, assim como o acesso a itens de infraestrutura comunitária, divergiu em relação à distância dos centros urbanos, com comunidades mais próximas aos grandes centros apresentando fontes de rendimentos monetários mais diversificadas do que comunidades distantes. A necessidade de investimentos em atividades alternativas de produção e fontes de rendimentos monetários que valorizem os produtos da sociobiodiversidade amazônica foram demandas generalizadas ao longo do território avaliado. Identificamos grande heterogeneidade entre as comunidades situadas em diferentes categorias de Unidades de Conservação. Estes aspectos evidenciam a dificuldade em promover uma gestão integrada que promova o desenvolvimento sustentável dos territórios protegidos e melhorias na qualidade de vida das populações tradicionais.

Biografia do Autor

Rayssa Bernardi Guinato, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá IDSM/OS MCTI

Pesquisadora do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM/OS MCTI vinculada ao Grupo de Pesquisa em Territorialidades e Governança Socioambiental na Amazônia. Bióloga e Mestra em Planejamento e Uso de Recursos Renováveis pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Especialista em Educação Ambiental e Sustentabilidade pela UNINTER. 

José Diego Gobbo Alves, universidade estadual de campinas

Geógrafo pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP - Rio Claro), mestre em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Sociedade (Doutorado) na Universidade Estadual de Campinas.

Ana Claudeise Silva do Nascimento, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA)

Doutora em Ciências Sociais, com ênfase em Sociologia, Mestre em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável e Graduada em Ciências Sociais/Sociologia, todos pela Universidade Federal do Pará/UFPA. É professora adjunta da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), pesquisadora associada do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM-OS/MCT) e professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas - PPGICH/UEA.

Heloísa Corrêa Pereira, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá IDSM/OS MCTI

Doutorado em Demografia pela Universidade Estadual de Campinas, Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas, graduação em Turismo pelo Instituto Esperança de Ensino Superior (IESPES). Pesquisador titular no Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM-OS/MCT).

Dávila Suelen Souza Corrêa, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá IDSM/OS MCTI

Cientista Social pela Universidade Federal do Pará. Mestrado em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFPa. Diretora de Manejo de Recursos Naturais e Desenvolvimento Social no Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM/ OS MCTI

Álvaro de Oliveira D’Antona, universidade estadual de campinas

Formação em Ciências Humanas e em Sociais Aplicadas, incluindo Economia, Antropologia e Ciências Sociais. Livre-docente da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA-Unicamp), credenciado no Programa de Pós-graduação de Demografia (IFCH/Unicamp) e no mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (FCA/Unicamp). Pesquisador-colaborador do Núcleo de Estudos de População (NEPO-Unicamp). 

Referências

ALMEIDA, P. F.; SANTOS, A. M. D.; SILVA CABRAL, L. M. D.; ANJOS, E. F. D.; FAUSTO, M. C. R.; BOUSQUAT, A. Water, land, and air: how do residents of Brazilian remote rural territories travel to access health services? Archives of Public Health, v. 80, n. 1. 2022. doi: 10.1186/s13690-022-00995-z. DOI: https://doi.org/10.1186/s13690-022-00995-z

ALVES, J. D. G.; PEREIRA, H. C. Populações tradicionais e os efeitos das mudanças climáticas no Mosaico de Áreas Protegidas do Baixo Rio Negro (MBRN). In: SIMONETTI, RS. R.; PEREIRA, H. S.; BARBOSA, D. E. S. (Org). Autogestão e desenvolvimento territorial sustentável de áreas protegidas: diálogos, aprendizagens e resiliência. Manaus, AM: EDUA, 2023. 340 p.

BARDIN L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edição 70. 1977.

BEZERRA, F. D. S.; LOIOLA, T. O.; MACIEL, R. C. G.; SANTIAGO, M. B. Análise econômica da agricultura familiar na Amazônia Ocidental: discussões a partir da produção de macaxeira no projeto de assentamento São Pedro/ Acre. Revista de Estudos Sociais, n. 32, v.16, p. 3 - 22. 2014.

BORGES, S. H. Anexo 1 - Análise das experiências de monitoramento nas Unidades de conservação do Mosaico do Baixo Rio Negro. In DIDIER, K.; ESTUPIÑÁN, G. M. B. (editores). Plano de Monitoramento do Mosaico de Áreas Protegidas do Baixo Rio Negro, Amazonas, Brasil. Wildlife Conservation Society (WCS Brasil) e o Conselho do Mosaico do Baixo Rio Negro, Manaus, Amazonas, Brasil. 2017.

CAMPOS-SILVA, J. V., PERES, C. A.; HAWES, J. E.; HAUGAASEN, T.; FREITAS, C. T.; LADLE, R. J.; LOPES, P. F. M. Sustainable-Use Protected Areas Catalyze Enhanced Livelihoods in Rural Amazonia. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 118, n 40. 2021. https://doi.org/10.1073/pnas.2105480118. DOI: https://doi.org/10.1073/pnas.2105480118

CÔRTES, J. C. ; ALVES, J. D. G.; D'ANTONA, A. O. Rede urbana na Amazônia e vulnerabilidades de populações tradicionais: desigualdades no contexto da gestão de áreas protegida. In: X Congreso ALAP, 2022, Valparíso, Chile. Anais do X Congreso da Asociación Latinoamericana de Población (ALAP), 2022.

D’ANTONA, Á. de O. Conservação ambiental, mobilidade espacial e condições de vida de populações tradicionais em áreas protegidas: por modelos de acesso à saúde adequados ao quadro amazônico. Cadernos De Saúde Pública, v. 39, n.4. 2023. https://doi.org/10.1590/0102-311XPT025223

DIDIER, K., ESTUPINÁN, G. M. B., FAGUNDES, C. K.; DURIGAN, C. C. Cap 1 - O Mosaico do Baixo Rio Negro e seu plano de monitoramento. In DIDIER, K.; ESTUPIÑÁN, G. M. B. (editores). Plano de Monitoramento do Mosaico de Áreas Protegidas do Baixo Rio Negro, Amazonas, Brasil. Wildlife Conservation Society (WCS Brasil) e o Conselho do Mosaico do Baixo Rio Negro, Manaus, Amazonas, Brasil. 2017.

INSTITUTO ARAPYAÚ. Uma agenda pelo desenvolvimento da Amazônia. Uma concentração pela Amazônia. 2021. Disponível em: https://arapyau.org.br/wp-content/uploads/2021/10/uma-agenda-pelo-desenvolvimento-da-amazonia.pdf

IPHAN. Dossiê IPHAN Patrimônio Imaterial 19 - Sistema Agrícola Tradicional do Rio Negro . 2019. 192 p. http://portal.iphan.gov.br/publicacoes/lista?categoria=22&busca=&pagina=2

GAMARRA, N.; HAWES, J.; COSTA, A.; VIEIRA, F.; RODRIGUES, A.; LADLE, R.; MALHADO, A.; CAMPOS-SILVA, J. Arapaima co-management through the lens of the Protected Areas Assets Framework. Journal for Nature Conservation, v. 67, p. 126 - 161. 2022. https://doi.org/10.1016/j.jnc.2022.126161 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jnc.2022.126161

GUALBERTO, C. G.; ESTUPIÑAN, G. M. B. Cap 5 - Plano de Monitoramento da Pesca do Mosaico do Baixo Rio Negro, Amazonas, Brasil. In DIDIER, K.; ESTUPIÑÁN, G. M. B. (editores). Plano de Monitoramento do Mosaico de Áreas Protegidas do Baixo Rio Negro, Amazonas, Brasil. Wildlife Conservation Society (WCS Brasil) e o Conselho do Mosaico do Baixo Rio Negro, Manaus, Amazonas, Brasil. 2017.

GUINATO, R. B.; NASCIMENTO, A. C. S.; PEREIRA, H. C.; SOUSA, M.; CORRÊA, D.; MOURA, E. Manejos sustentáveis de recursos naturais geram renda? Análise socioeconômica de iniciativas em áreas protegidas na Amazônia Central. ContraCorrente: Revista Do Programa De Pós-Graduação Interdisciplinar Em Ciências Humanas, v.18, p. 82-102. 2022. https://periodicos.uea.edu.br/index.php/contracorrente/article/view/2504

HERRMANN, G.; COSTA, C. Gestão integrada de áreas protegidas: Uma análise de efetividade de mosaicos. 1e. 2015. https://d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/downloads/wwf_estudo_de_efetividade

HIBBARD, M.; LURIE, S. Creating socio-economic measures for community-based natural resource management: a case from watershed stewardship organizations. Journal of environmental planning and Management. V. 55, n. 4, p. 525-544. 2012. DOI: https://doi.org/10.1080/09640568.2011.614093

HOCKINGS, M.; STOLTON, S.; LEVERINGTON, F.; DUDLEY, N.; COURRAU, J. Evaluating Effectiveness: A framework for assessing management effectiveness of protected areas. 2 e. IUCN, Gland, Switzerland and Cambridge. 2006. 105 p. DOI: https://doi.org/10.2305/IUCN.CH.2006.PAG.14.en

KOGA, D. Aproximações sobre o conceito de território e sua relação com a universalidade das políticas sociais. Serviço Social Em Revista, v. 16, n.1, p. 30–42. 2013. https://doi.org/10.5433/1679-4842.2013v16n1p30. DOI: https://doi.org/10.5433/1679-4842.2013v16n1p30

LADLE, R. J.; MALHADO, A. C. M.; TODD, P. A.; MALHADO, A. C. M. Perceptions of Amazonian deforestation in the British and Brazilian media. Acta Amazonica, v. 40. n. 2, p. 319- 324. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0044-59672010000200010

LEVIS, C.; FLORES, B. M.; MAZZOCHINI, G. G.; MANHÃES, A. P.; CAMPOS-SILVA, J. V.; BORGES DE AMORIM, P.; PERONI, N.; HIROTA, M.; CLEMENT, C. R. Help restore Brazil’s governance of globally important ecosystem services. Nature Ecology & Evolution, v.4, n.2, p.172–173. 2020. https://doi.org/10.1038/s41559-019-1093-x. DOI: https://doi.org/10.1038/s41559-019-1093-x

LIMA, D. M. As transformações na economia doméstica de Mamirauá. Uakari, v.16, n.1, p.9- 26. 2010

MCGRATH, D. G.; CASTELO, L.; ALMEIDA, O. T.; ESTUPIÑÁN, G. M. B. Market Formalization, Governance, and the Integration of Community Fisheries in the Brazilian Amazon. Society & Natural Resources, v. 28, n. 5, p. 513–529. 2015. https://doi.org/10.1080/08941920.2015.1014607 DOI: https://doi.org/10.1080/08941920.2015.1014607

MOURA, E. A. F.; CASTRO, E. M. R. D. Mudanças sociais e gestão ecológica em questão: a experiência de mamirauá. Ambiente & Sociedade, v. 15, n.2, p. 23–50. 2012. https://doi.org/10.1590/s1414-753x2012000200003. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-753X2012000200003

MOURA, E. A. D; NASCIMENTO, A. C. S do; CORRÊA, D. S. S.; ALENCAR, E. F.; SOUSA, I. S. de. Sociodemografia da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá­ 2001 a 2011. Belém: IDSM, NAEA. 2016. 310p.

PINHEIRO, M. R. Recomendações para reconhecimento e implementação de mosaicos de áreas protegidas. 2e. Cooperação Técnica Alemã - GTZ. 2010. https://www.conservation.org/docs/default-source/brasil/recomendacoes_mosaicos_completo.pdf?sfvrsn=30f0fd2_2.

PLANO DE AÇÃO DA RESERVA DA BIOSFERA DA AMAZÔNIA CENTRAL – PARBAC (2021-2024). Manaus. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO. Brasil/Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas – SEMA-AM/Fundação Amazônia Sustentável - FAS. 2021.

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS (SEAS). Diagnóstico socioterritorial do estado do Amazonas. 2020. https://www.seas.am.gov.br/wp-content/uploads/2021/01/DIAGNOSTICO-SOCIOTERRITORIAL-DO-ESTADO-DO-AMAZONAS

SIMONETTI, S. R.; NASSAR, P. M.; JESUS, J. da S. “O turismo parou”: a pandemia e as comunidades do Mosaico do Baixo Rio Negro AM. p. 50-71. In Coleção travessias: Turismo, sustentabilidade e Covid-19.: entre incertezas e esperanças. LETS/UnB. 2022. 367p. https://lets.etc.br/livro-lets-2022/

SORIANO M.; MOHREN, F.; ASCARRUNZ, N.; DRESSLER, W.; PEÑA-CLAROS, M. Socio-ecological costs of Amazon nut and timber production at community household forests in the Bolivian Amazon. PLoS One, v.12, n.2. 2017. doi: 10.1371/journal.pone.0170594. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0170594

TEISSERENC, P. “Ambientalização e Territorialização: situando o debate no contexto da Amazônia brasileira”. Antropolitica, n. 29. p.153-179. 2011. Disponível em https://periodicos.uff.br/antropolitica/article/view/41763.

TRINDADE JÚNIOR, S. C. Regionalização, cidades e urbano diversidade na Amazônia brasileira. Revista Acta Geográfica, v. 17, n. 43. 2023. DOI: https://doi.org/10.18227/2177-4307.acta.v17i43.8062

WARD, C.; STRINGER, L. C.; HOLMES, G. Protected area co-management and perceived livelihood impacts. Journal of Environmental Management, v. 228. p. 1-12. 2018. ISSN 0301-4797,https://doi.org/10.1016/j.jenvman.2018.09.018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jenvman.2018.09.018

WILLERDING, A. L.; SILVA, L. R. da; SILVA, R. P. da; ASSIS, G. M. O. de; PAULA, E. V. C. M. Estratégias para o desenvolvimento da bioeconomia no estado do Amazonas. Estudos Avançados, v. 34, n. 98, p. 145–166. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3498.010

Downloads

Publicado

2024-06-14

Como Citar

GUINATO, R. B.; ALVES, J. D. G.; NASCIMENTO, A. C. S. do; PEREIRA, H. C.; CORRÊA, D. S. S.; D’ANTONA, Álvaro de O. Caracterização socioeconômica de comunidades tradicionais do Mosaico do Baixo Rio Negro. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 61, p. 639–682, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3381. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3381. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)