Impactos da Reforma do Novo Ensino Médio na formação cidadã

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3169

Palavras-chave:

Geografia, Ensino, Currículo, Formação, Cidadania

Resumo

Este artigo é resultado das reflexões, leituras e debates realizados acerca das políticas educacionais e sobre o papel da Geografia Escolar na formação cidadã. Tendo em vista a nova reforma do Ensino Médio que entrou em vigor na rede de ensino de todo o país no ano de 2022, este ensaio teve o objetivo de investigar as mudanças promovidas pela Base Nacional Comum Curricular - BNCC e seus impactos na formação cidadã no que tange à etapa do Ensino Médio, principalmente no itinerário formativo em que engloba a Geografia Escolar. A alteração mais explícita foi marcada pela prevalência da obrigatoriedade e supervalorização da Língua Portuguesa, Língua Inglesa e Matemática, enquanto as demais disciplinas foram postas como optativas, dentre elas, a Geografia. Ademais, os resultados obtidos, através da revisão bibliográfica e documental,apontam para um paradigma de ensino pautado no individualismo e de uma formação direcionada às demandas do mercado de trabalho em detrimento da formação cidadã.

Biografia do Autor

Maria Roselândia Barros Cunha , Universidade Estadual Vale do Acaraú

Graduada e Mestra em Geografia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), pós-graduanda em Currículo e Prática Docente nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e também em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e o Mundo do Trabalho, ambas pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Durante a graduação atuei como bolsista de Iniciação Científica no Programa Institucional de Bolsas de Permanência Universitária (IC/PBPU) da UVA e, como membro do grupo de pesquisa e estudos sobre Geografia escolar e Educação, capitalismo e território no semiárido cearense vinculado ao laboratório de estudos de Geografia (LEGEO/UVA). Estive presente como monitora da disciplina de estagio supervisionado I. Fui professora da rede pública do município de Ipu-Ceará, atuando principalmente nos seguintes temas: espaço urbano, alfabetização cartográfica Ensino de Geografia, Ensino de História, Ensino Religioso e Formação para Cidadania. Durante a formação stricto sensu, elaborei um estudo voltado para formação de professores, políticas públicas educacionais, testes avaliativos, currículo e atuação docente com apoio da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP). Ademais, possuo formação em nível de aperfeiçoamento em Tecnologia Educacional e Letramento Digital pela Universidade Federal do Ceará (UFC). 

Luiz Antonio Araújo Gonçalves , Universidade Estadual Vale do Acaraú

É bacharel e licenciado em Geografia pela Universidade Estadual do Ceará - UECE (2006/2009), possui mestrado em Geografia (2009) e doutorado em Geografia (2016) pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia - PROPGeo/UECE. Foi Pró-Reitor de Extensão e Cultura da Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA (2020-2021) e Coordenador adjunto do Mestrado Acadêmico em Geografia - MAG/UVA. Realizou Estágio Pós-Doutoral no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Ceará (UFC), desenvolvendo a Pesquisa: "As novas centralidades e dinâmicas territoriais da rede urbana no Noroeste do Ceará.". Atualmente é Professor Adjunto dos Cursos de Geografia (Bach. e Licenc.) e do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Mestrado Acadêmico da UVA. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Urbana, do comércio e serviços, geografia do turismo e geografia do trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: circuitos da economia urbana, territórios urbanos, Cidades médias e pequenas, comércio e serviços, cultura e consumo, mercados e feiras, mobilidades e redes. É membro da Rede Brasileira de Estudos sobre Comércio e Consumo (ReBECCa), da Rede de Pesquisadores sobre Cidades Médias (ReCiMe), da Rede Brasil-Portugal de Investigações Costeiras (REDE BRASPOR) e da Rede Norte-Nordeste de Pesquisadores na Pós-Graduação em Geografia (RENNEGEO).

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Assessoria de Comunicação Social. MEC poderá ter US$ 250 milhões do Bird para Novo Ensino Médio e Escolas de Tempo Integral. Brasília, 24 jan. 2018a. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/211-218175739/59461-mec-podera-ter-us-250-milhoes-do-bird-para-novo-ensino-medio>. Acesso em: 06 jul. 2022.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 201

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 22 maio 2022.

BRASIL. Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio. Brasília: MEC, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. V. 3: Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm>. Acesso em: 22 maio 2022.

CALLAI, H. C. A. A geografia e a escola: muda a geografia? Muda o ensino? Terra Livre, São Paulo, n. 16, p.133 - 152, 2001.

CAVALCANTI, L. de S. A geografia escolar e a cidade: ensaios sobre o ensino de geografia para a vida urbana cotidiana. Campinas, SP: Papirus, 2008.

CAVALCANTI, L. de S. Pensar pela Geografia: ensino e relevância social. Goiânia/ GO: C&A Alfa comunicação, 2019.

CUNHA, M. B. O novo ensino médio e o exercício da cidadania: controvérsias e desafios. 2005, 167 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós–Graduação em Educação, Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marilia/SP, 2005.

DAMIANI, A. L. A Geografia e a construção da cidadania In: CARLOS, A. F. A. (org.) A Geografia na sala de aula. 7 ed. 2 reimpr. São Paulo: Contexto, 2008.

FERREIRA, W. A. O currículo de Geografia: uma análise do documento de reorientação curricular da SEE-RJ. 2009, p.154. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FREITAS, L. C de. A reforma empresarial da Educação: Nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

GOMES, M. F. O conhecimento geográfico diante das mudanças nas políticas de currículo e de avaliação do ensino médio. 2018, 103 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Mestrado Acadêmico em Geografia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, 2018.

MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In. MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, A. I. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2000.

OLIVEIRA JÚNIOR, J. da S. Um panorama sobre a trajetória da geografia enquanto ciência e disciplina escolar. Caminhos de Geografia, Uberlândia-MG, v. 21, n. 74, p. 178–193, abr., 2020. Disponível em: http://doi.org/10.14393/RCG217450096. Acesso em: 12 mar. 2022. DOI: https://doi.org/10.14393/RCG217450096

PESSONI, L. M de L.; LIBÂNEO, J. C. Finalidades da Educação Escolar e critérios de qualidade de ensino: as percepções de dirigentes escolares e professores. In. LIBÂNEO, J. C.; FREITAS. R. A. M. da M. (Org.) Políticas educacionais neoliberais e escola pública: uma qualidade restrita de educação escolar. Goiânia: Editora Espaço Acadêmico, 2018.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. 7 ed. São Paulo: EDUSP, 2007.

SANTOS, M. Os deficientes cívicos. In: Folha de São Paulo, Brasil 500 d. c., 24 jan. 1999. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs24019917.htm>. Acesso em: 06 jul. 2022.

TEDESCO, J. C. O novo pacto educativo: educação, competitividade e cidadania na sociedade moderna. São Paulo: Ática, 2001.

THIESEN, J. da S. Geografia escolar: dos conceitos essenciais às formas de abordagem no ensino. Geografia, ensino & pesquisa, v. 15, n.1, p. 85-95, jan./ abr., 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/geografia/issue/view/455. Acesso em: 06 jul. 2022.

VESENTINI, J. W. Repensando a Geografia escolar para o século XXI. São Paulo: Plêiade, 2009.

Downloads

Publicado

2024-02-23

Como Citar

BARROS CUNHA , M. R.; ARAÚJO GONÇALVES , L. A. Impactos da Reforma do Novo Ensino Médio na formação cidadã. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 60, p. 341–368, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3169. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3169. Acesso em: 17 abr. 2024.