Marcadores de gênero e raça na vida de mulheres negras do espaço urbano

do limitante direito à cidade às estratégias de resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2022.2942

Palavras-chave:

Interseccionalidade, Espaço Urbano, Segregação Socioespacial, Economia Solidária

Resumo

A partir da revisão bibliográfica sobre temas como: gênero, raça, direito à cidade e segregação urbana, e da análise de dados de âmbito nacional fornecidos por institutos de pesquisa, pretende-se incitar uma discussão sobre a realidade das mulheres negras nas periferias das cidades brasileiras. Partimos de teorias epistemológicas de geógrafas cujas ideias foram denunciadoras da suposta neutralidade do espaço geográfico, que por muito tempo reproduziu análises androcêntricas, racistas, machistas e heteronormativas. Acreditamos que a plena experiência da urbanidade é condição privilegiada apenas para alguns segmentos sociais, enquanto grande parte da população sobrevive em meio a uma série de dificuldades sociais, econômicas, culturais e ambientais, que as impedem de usufruir do direito à cidade. Dentre este grupo, destacamos as mulheres negras, que sofrem intensa exclusão em virtude da interseccionalidade de sua condição, mas que apesar da pobreza, preconceitos e violências, por meio de sua capacidade de resistência, do apoio de agentes e da formação de grupos de economia solidária, entre outros, têm alcançado conquistas, por vezes pontuais, porém significativas, nestes espaços.

 

Biografia do Autor

Larissa Araújo Coutinho de Paula, http://lattes.cnpq.br/8492340161088435

É doutora (2020), mestra (2015) com período sanduíche na Universidad Autónoma Metropolitana (México), geógrafa (2012) e licenciada (2011) em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Presidente Prudente. Possui pós-doutorado em Geografia (2023) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e especialização em Ensino de Geografia (2022) pela UNESP, campus de Ourinhos. É integrante do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura (CLAEC) e da Rede de Estudos de Geografia, Gênero e Sexualidades Ibero Latino-Americana (REGGSILA). Participa como conselheira científica da Revista Terra Livre. Foi editora da revista do Departamento de Geografia da FCT/UNESP. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Humana, atuando principalmente nos seguintes temas: geografia agrária, relações de gênero, mulheres rurais, associações de agricultoras, assentamentos rurais, políticas públicas, estratégias de reprodução social e metodologias de pesquisa qualitativa. Atuou como professora substituta da disciplina Geografia do Brasil na FCT/UNESP (2019) e dos cursos de Licenciatura em Educação do Campo e Pedagogia da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) (2021-2022), campus São Mateus. Trabalhou na elaboração de materiais didáticos para ensino de Geografia. Vencedora do Prêmio Isabel André para a Investigação em Gênero e Geografia, do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) da Universidade de Lisboa.  Atualmente é professora substituta do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), campus Erechim.

Rizia Mendes Mares, http://lattes.cnpq.br/8246648223691009

Doutora em Geografia pelo Programa de Pós-graduação em Geografia, na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho-Campus de Presidente Prudente/SP (2022). Mestra em Geografia pela mesma instituição (2016). Licenciada em Geografia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Campus Vitória da Conquista (2011). É docente na Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC, realiza pesquisa de Pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Estudos Territoriais (PROET), Universidade do Estado da Bahia (DCET I - UNEB), atuando junto aos grupos de pesquisa: Territórios – Território, Rede e Ação Política, Urbanização e Produção de Cidades na Bahia (UEFS) e o Produção do Espaço e Redefinições Regionais (GAsPERR/FCT-UNESP), atuando nos seguintes temas: Produção do Espaço Urbano, Sistema Urbano, Cidades Médias, Fragmentação Socioespacial, Práticas Espaciais, Cotidiano, Teoria das Representações, Pesquisa Qualitativa em Geografia, Territorialidades. Mulher negra, pesquisadora, com atuação no Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas do IFBA-Campus Irecê - (NEABI.IRE) e no Grupo de Trabalho e Estudos sobre Relações Raciais no Programa de Pós-graduação em Geografia da FCT-UNESP e nessa mesma Instituição é Editora-gerente de periódicos científicos. É membro da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Seção Local  Santa Inês-Bahia.

Referências

BAUMAN, Z. 44 cartas ao mundo líquido moderno. Zahar, 2011.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo – Livro 1: Fatos e Mitos. 4ª Edição. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BONUMÁ, H. As Mulheres e a Economia Solidária: a resistência no cotidiano tecendo uma vida melhor. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 9ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Coleção Sujeito & História, 2017.

CARNEIRO, S. Enegrecer o feminismo: A situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Geledés, 2013.

CURIEL, O. Descolonizando el Feminismo: Uma perspectiva desde America Latina y Caribe. Primer Coloquio Latinoamericano sobre Praxis y Pensamiento Feminista, realizado en Buenos Aires en junio de 2009.

COSTA, J. C. Mulheres e economia solidária: hora de discutir a relação! Sociedade e Cultura (Online), v. 14, p. 19-27, 2011.

CYFER, I. A bruxa está solta: os protestos contra a visita de Judith Butler ao Brasil à luz de sua reflexão sobre ética, política e vulnerabilidade. Cadernos Pagu, v. 4, p. 1-15, 2018.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

GARCIA, A. S. Relações de Gênero, raça, classe e desigualdades Socio-ocupacionais em Salvador. II encontro internacional de ciências sociais: as ciências sociais e os desafios para o século XXI. Relações de gênero, raça, classe e desigualdades socioocupacionais em Salvador. 2010.

GARCÍA R. M D. ¿Espacios asexuados o masculinidades y feminidades espaciales?: hacia una geografía del género. SEMATA, Ciencias Sociais e Humanidades, Rioja, v. 20, p. 25-51, 2008.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, 1995.

HELENE, D. Gênero e direito à cidade a partir da luta dos movimentos de moradia. Cadernos Metrópole, v. 21, p. 951-974, 2019.

HENNING, C. E. Interseccionalidade e Pensamento Feminista: contribuições históricas e debates contemporâneos acerca do entrelaçamento de marcadores sociais da diferença. Revista Mediações (UEL), v. 20, p. 97-128, 2015.

HERK, A. C. Gênero e Economia Solidária: um olhar sobre a participação e atuação das mulheres nas organizações do terceiro setor. 2011. Dissertação (Mestrado em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração da Faculdade de Gestão de Negócios, Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2011.

hooks, b. Ensinando a transgredir: a Educação como prática de liberdade. Editora Martins Fontes, 2013.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo, Ática, 2005.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. Tradução Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Centauro, 2001.

MBEMBE, A. Necropolítica. N-1 edições, São Paulo, 2018.

MARICATO, E. As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias. In: ARANTES, Otília; VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia. A cidade do pensamento único: Desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2003.

MASSEY, D. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, A. A. (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p. 176 – 185.

MASTRODI, J; BATISTA, W. M. O dever de cidades includentes para as mulheres negras. Direito Da Cidade, v. 10, p. 862-886, 2018.

NELSON, L. La geografía feminista anglosajona: reflexiones hacia una geografía global. In: IBARRA GARCÍA, María Verónica; ESCAMILLA HERRERA, Irma (coord.). Geografías feministas de diversas latitudes: orígenes, desarrollo y temática contemporáneas. México: UNAM, Instituto de Geografía, p. 21-53, 2016.

PANTA, M. População Negra e o Direito à Cidade: interfaces entre raça e espaço urbano no Brasil. Dossiê Temático - Memória e Legado das Resistências Negras. ACERVO (RIO DE JANEIRO), v. 33, p. 79-100, 2020.

RATTS, A. J. P. Gênero, raça e espaço: trajetórias de mulheres negras. In: 27o Encontro anual da ANPOCS (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais), 2003, Caxambu, MG. Programa e Resumos do XXVII Encontro Anual da ANPOCS, 2003. v. 1. p. 133-133.

ROLNIK, R. Territórios negros nas cidades brasileiras. 1989. Disponível em: https://raquelrolnik.files.wordpress.com/2013/04/territc3b3rios-negros.pdf. Acesso em: 18 denovembro de 2022.

ROSE, G. Feminism & Geography: The limits of Geographical Knowledge. Cambridge: Polity Press, 1993.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995, p. 71-99.

SILVA, J. M.; SILVA, M. G. S. N. Introduzindo interseccionalidades como um desafio para a análise espacial no Brasil: em direção às pluriatividades do saber geográfico. In: SILVA, Maria das Graças Silva Nascimento; SILVA, Joseli Maria (Orgs). Interseccionalidades, Gênero e Sexualidades na Análise Espacial, 2014.

TAVARES, R. B. Práticas sociais de resistência na perspectiva de gênero contra indiferença à diferença: por um planejamento de possibilidades. In: Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, São Paulo, 2017.

Downloads

Publicado

2023-08-02

Como Citar

PAULA, L. A. C. de; MARES, R. M. Marcadores de gênero e raça na vida de mulheres negras do espaço urbano: do limitante direito à cidade às estratégias de resistência. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 59, p. 38–73, 2023. DOI: 10.62516/terra_livre.2022.2942. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/2942. Acesso em: 22 fev. 2024.