Dos movimentos e do corpo-território

gramáticas originárias para pensar as geo-grafias no/do feminino

Autores

Palavras-chave:

Movimentos sociais, sociedades em movimento, giro eco-corpo-territorial, pensamento de(s)colonial

Resumo

Este artigo é fruto de diálogos com diferentes Movimentos Sociais latinoamericanos e, além disso, de diferentes matrizes filosóficas que abordam o tema na Geografia. Seu objetivo geral é a conceitualização do que historicamente as ciências sociais trataram enquanto Movimentos Sociais, desde o surgimento do conceito no século XIX ao período de recente insurgência indígeno-camponesa-feminina no continente latinoamericano. Nossa base metodológica parte do marxismo-leninismo até o chamado Giro eco-corpo-territorial, materializado no conceito de Corpo-Território. O artigo é fruto do diálogo de três pesquisas distintas que tratam do tema dos Movimentos Sociais na América Latina, tendo como base dados de campo, diálogo com lideranças político-comunitárias e discussões teóricas. Concluímos que é fundamental para a compreensão dos Movimentos Sociais a realidade espaço-temporal em que esses sujeitos se organizam. Além disso, nota-se uma fase de supressão da dimensão espacial no contexto da globalização, a qual foi resgatada, no caso latino-Americano, a fundamental base territorial.

Biografia do Autor

Victoria Ferreira Oliva , universidade federal fluminense

Mestranda no curso de Pós-Graduação em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (Posgeo-UFF) e Integrante do Núcleo de Estudos sobre Território, Ações Coletivas e Justiça (NETAJ-UFF).

Ginno Pérez, https://orcid.org/0000-0002-1927-826X

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense (Posgeo-UFF) e integrante do Núcleo de Estudos Território e Resistência na Globalização e do Núcleo de Estudos sobre Território, Ação Social e Justiça e integrante do Centro de Pesquisa Urbes-Lab.

Willian Silva da Rocha, Universidade Federal Fluminense

Mestrando do curso de pós graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense (Posgeo/UFF). Graduado em Geografia pela Universidade Federal Rural do Rio deJaneiro. Membro do Núcleo de estudos sobre Território, Ação Coletiva e Justiça (NETAJ).

Referências

ALONSO, A. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, São Paulo, 76. pp. 49-86, 2009.

ARRIGHI, Giovanni. Adam Smith em Pequim: origens e fundamentos do século XXI. São Paulo: Boitempo, 2008.

BARTHOL, Timo. Por uma Geografia em Movimento: a ciência como ferramenta de luta. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.

CABNAL, Lorena. Acercamientos a la contrucción de la propuesta de pensamiento epistemológico de mujeres indígenas feministas comunitarias de Abya-Yala. Feminismos diversos: el feminismo comunitário. ACSUR, p. 11-25, 2010.

CRUZ, Valter do Carmo. Das Lutas por redistribuição de terra às lutas pelo reconhecimento de territórios: uma nova gramática das lutas sociais? In: ACSELRAD, H.. (Org.). Cartografia social, terra e território. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2013, v. 1, p. 119-176.

FALLS BORDA, Orlando. Una sociología sentipensante para América Latina. Bogotá: CLACSO, 2009.

FALQUET, Jules. Pax Neoliberalia: mulheres e a reorganização da violência neoliberal. São Paulo: Sobinfluência Edições, 2022.

FEDERICI, Silvia. O Ponto Zero da Revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FERREIRA, Joelson; FELÍCIO, Ephasto. Por terra e território: caminhos da revolução dos povos no Brasil. Arataca (BA): Teia dos Povos, 2021.

GAGO, Verónica. A potência feminista, ou o desejo de transformar tudo; tradução de Igor Peres. São Paulo: Elefante, 2019.

GOHN, Maria da Glória. Abordagens teóricas no estudo dos movimentos sociais na américa Latina. Caderno CNH, Salvador, v. 21, n. 54, p. 439-455, SET/DEZ, 2008.

GUTIÉRREZ, Raquel; TRUJILO, Mina Lorena Navarro; LINSALATA, Lucia. Repensar lo político, pensar lo común: Claves para la discusión. In: INCLÁN, Daniel; LINSALATA, Lucía; MILLÁN, Márgara (cord.). Modernidades alternativas y nuevo sentido común: prefiguraciones de una modernidad no capitalista, 2016, p. 377-417.

HAESBAERT, Rogério.Vivir en el límite: territorio y multi-transterritorialidad en tiempos de in-seguridad y contención. Ciudad de México: Siglo XXI Editores, 2020.

______. Do corpo-território ao território-corpo (da Terra): contribuições decoloniais. In. Geographia, vol: 22, n. 48, 2020a.

___________________. A corporificação “natural” do território: do terricídio à multiterritorialidade da Terra. GEOgraphia, 2022, v. 23, n. 50.

LANDER, Edgardo. (org) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2005.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes, 2015.

LÊNIN, Vladímir. O Estado e a revolução: a doutrina do marxismo sobre o Estado e as tarefa do proletariado na revolução. São Paulo: Boitempo, 2017.

______. O que fazer?: questões cadentes de nosso movimento. São Paulo: Boitempo, 2020.

______. Quem são os amigos do povo e como lutam contra os socialdemocratas. São Paulo: Lavrapalavra, 2022.

LOBO, Natalia. Las nuevas formas de los viejos mecanismos de apropiación de la naturaleza: control de cuerpos-tiempos-territorios y política feminista. São Paulo: SOF Sempreviva Organização Feminista, 2021.

MARCHA DAS MULHERES INDÍGENAS. Documento final da Marcha das Mulheres Indígenas: "Território: nosso corpo, nosso espírito". 2019. Disponível em: <https://cimi.org.br/2019/08/marcha-mulheres-indigenas-documento-final-lutar-pelos-nossos-territorios-lutar-pelo-nosso-direito-vida/>. Acesso em: 24 fev. 2023.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitemo, 2017.

MASSEY, Doreen. Pelo Espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

Medeiros, L. (2012). Os movimentos sociais como campo de pesquisa nas ciências humanas. Revista Mundos do Trabalho, vol. 4, n. 7, JAN-JUN, p. 7-31.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Minas Gerais: Editora UFMG, 2003.

MST. Manifesto Terra e Vida. 2020. Disponível em: https://mst.org.br/2020/08/03/manifesto-terra-e-vida/. Acesso em: 24 fev. 2023.

PASQUINO, Gianfranco. Movimentos Sociais. In. BOBBIO, Norberto et al. MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política, p. 787-792. Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter.Lucha por la tierra. Lucha por la TIERRA: ruptura metabólica y reapropiación de la naturaleza. In: ALIMONDA, Héctor et. al. (Org.). Ecología política latinoamericana: pensamiento crítico, diferencia latinoamericana y rearticulación epistémica. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO; México: Universidad Autónoma Metropolitana; Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Ciccus, 2017.

______. De saberes e de territórios: diversidade e emancipação a partir da experiência latino-americana. In. CRUZ, Valter do Carmo; OLIVEIRA, Denílson Araújo de. (Orgs). Geografia e giro descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. 1. Ed, Rio de Janeiro: Letra Capital, 2017a.

______. Organização do espaço: objeto de estudo, objeto de desejo. In. LIMONAD, Estes. BARBORA, Jorge Luiz. Et al. Geografias, reflexões conceituais, leituras da ciência geográfica, estudos geográficos. São Paulo: Editora Max Limonad, 2020.

RIBEIRO, Ana Clara. Por uma Sociologia do Presente: ação, técnica e espaço. Vol. 4. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013.

RIVERA CUSSICANQUI, Silvia. Um mundo ch’ixi es posible. Ensayos desde um presente em crisis. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Tinta Limón, 2018.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia Crítica. 6. Ed., 2. Reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

SERENI, Emilio. De Marx a Lênin: a categoria de “formação econômico-social”. Meridiano — Revista de Geografia. n. 2. 2013.

SOUZA, Marcelo Lopes. Por uma Geografia libertária. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

SPIVAK, Gayatri. (2010) Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG.

SVAMPA, Maristella. Movimientos sociales, matrices socio-políticos y nuevos escenarios en América Latina. OneWorld Perspectives, n. 1, 2010.

______. “Consenso de los Commodities” y lenguajes de valoración en América Latina. Revista Nueva Sociedad, n. 244, 2013.

______. As fronteiras do neoextrativismo na América Latina: conflitos socioambientais, giro ecoterritorial e novas dependências. São Paulo: Elefante, 2019.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ZAVALETA MERCADO, René. Lo nacional-popular en Bolivia, México: Siglo xxi Editores, 1986.

ZIBECHI, Raúl. Movimentos sociais na América Latina: o “mundo outro” em movimento. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2020.

Downloads

Publicado

2023-08-02

Como Citar

FERREIRA OLIVA , V.; PÉREZ, G.; DA ROCHA, W. S. Dos movimentos e do corpo-território: gramáticas originárias para pensar as geo-grafias no/do feminino. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 59, p. 102–132, 2023. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/2922. Acesso em: 16 jul. 2024.