A GEOGRAFIA ESCOLAR: GIGANTE DE PÉS DE BARRO COMENDO PASTEL DE VENTO NUM FAST FOOD?

Autores

  • NESTOR ANDRÉ KAERCHER Professor da Faculdade de Educação Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

Com este estudo, busco analisar práticas docentes da geografia escolar – a geografia ensinada no Ensino Fundamental e Médio – observada na ação de dez professores na cidade de Porto Alegre durante os anos de 2002-03. Chamamos a geografia de ‘gigante de pés de barro’, ‘geografia fast food’ e ‘geografia pastel de vento’ quando detectamos alguns obstáculos epistemológicos e pedagógicos na nossa prática docente, produzindo resultados como: professores que não professam; ausência de diálogo efetivo, seja com os alunos, seja com o mundo extra-sala de aula; e a quase ausência de conflito cognitivo, que leva a aprendizagem pouco significativa. Ainda impera uma geografia escolar que se baseia em de geografia isso constrói no aluno? Que possibilidades temos para uma docência que enfrente estes obstáculos? Viso problematizar ma apropriação empobrecida da teoria construtivista do ‘não’ como elemento pedagógico. Defendo a geografia escolar como uma prática que desperte o desejo de saber no aluno a partir  de discussões que pensem a nossa existência cotidiana.

 






 

 

 

 

 

 

 

 

docência que enfrente estes obstáculos? Viso problematizar uma

apropriação empobrecida da teoria construtivista e defender a importância

do ‘não’ como elemento pedagógico. Defendo a geografia escolar como

uma prática que desperte o desejo de saber no aluno a partir de discussões

que pensem a nossa existência cotidiana.

Com este estudo, busco analisar práticas docentes da geografia

escolar – a geografia ensinada no Ensino Fundamental e Médio – observada

na ação de dez professores na cidade de Porto Alegre durante os anos de

2002-03. Chamamos a geografia de ‘gigante de pés de barro’, ‘geografia

fast food’ e ‘geografia pastel de vento’ quando detectamos alguns

obstáculos epistemológicos e pedagógicos na nossa prática docente,

produzindo resultados como: professores que não professam; ausência de

diálogo efetivo, seja com os alunos, seja com o mundo extra-sala de aula;

e a quase ausência de conflito cognitivo, que leva a aprendizagem pouco

significativa. Ainda impera uma geografia escolar que se baseia em

informações de almanaque - uma revista de variedades. Que concepção

de geografia isso constrói no aluno? Que possibilidades temos para uma

docência que enfrente estes obstáculos? Viso problematizar uma

apropriação empobrecida da teoria construtivista e defender a importância

do ‘não’ como elemento pedagógico. Defendo a geografia escolar como

uma prática que desperte o desejo de saber no aluno a partir de discussões

que pensem a nossa existência cotidiana.

Downloads

Publicado

2015-08-12

Como Citar

KAERCHER, N. A. A GEOGRAFIA ESCOLAR: GIGANTE DE PÉS DE BARRO COMENDO PASTEL DE VENTO NUM FAST FOOD?. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 28, p. 27–44, 2015. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/220. Acesso em: 21 abr. 2024.