Enquanto a terra não for livre, eu também não sou

o jarê da Chapada Diamantina (BA) como resgate da memória em Torto Arado

Autores

  • Maria Eduarda Pires Bastos

Palavras-chave:

Consciência pelo lugar, Colonialidade, Racismo, Psicosfera, Reforma agrária

Resumo

O presente trabalho tem a intenção de promover aproximações entre o fazer geográfico e a literatura, se utilizando das fabulações criadas por Itamar Vieira Jr. em Torto Arado. Denuncia, através da análise de construções sociais hierárquicas, as subjetividades do povo brasileiro enquanto imaginário, realidade e moldes de permanências coloniais, que incluem desde a insistente interdição à terra que atravessa séculos até o mito da democracia racial, ocultando a presença e a memória negra da história e da geografia dos lugares, tendo aqui como recorte espacial a efabulação da Chapada Diamantina na Bahia, através das práticas de matriz africana do Jarê. Compreende como base teórica sobretudo contribuições do professor Milton Santos e da intelectual Lelia Gonzalez ao pensarem a consciência e memória herdadas por um povo migrante e diaspórico, e a afrocentricidade de Molefi Asante como fazer metodológico.

Referências

ASANTE. Molefi K. Afrocentricidade: Notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, E. L. (org). Afrocentricidade: Uma Abordagem Epistemológica Inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. (Sankofa: matrizes africanas da cultura brasileira; 4), p. 93-110.

CASTRO, Júlia Fonseca de. Geografia e Literatura: da aproximação ao diálogo. In: Geografia, Literatura e Arte: epistemologia, crítica e interlocuções. Porto Alegre: Imprensa Livre, 2016. p. 332-347.

GADELHA, Regina Marta d'Aquino Fonseca. A Lei de Terras (1850) e a abolição da escravidão: capitalismo e força de trabalho no Brasil do século XIX. R. História, São Paulo. 120, p. 153-162, jan./jul. 1989.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. In: Por um feminismo afro-latino- americano: Ensaios, Intervenções e Diálogos. Editora Zahar, Rio de Janeiro, 2020.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e Sexismo na Cultura Brasileira. In: Revista Ciência Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020a.

__________________. A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020b.

SANTOS, Milton. O Lugar e o Cotidiano. In: A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. Ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017. p. 313-330.

SOUSA SANTOS. Boaventura de. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado / Boaventura de Sousa Santos, (org.). - 2. ed. - São Paulo: Cortez, 2002.

SENNA, Ronaldo. AGUIAR, Itamar. Jarê: instalação africana na Chapada Diamantina. In: Revista Afro-Ásia: Centro de Estudos Afro-Orientais UFBA, 13. Ed. 1980.

VIEIRA JR., Itamar. Torto Arado. Editora Todavia, São Paulo, 2019.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Como Citar

PIRES BASTOS, M. E. Enquanto a terra não for livre, eu também não sou: o jarê da Chapada Diamantina (BA) como resgate da memória em Torto Arado . Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 57, p. 741–758, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/2288. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos