Natureza da e na política ambiental brasileira

Autores

  • Ana Consuelo Ferreira Fontenele

Resumo

Este artigo busca analisar como a natureza está inscrita institucionalmente como política de Estado, focalizando as interfaces com os organismos internacionais e o (re)ordenamento do espaço geográfico nacional. Para tanto, como alternativa metodológica de análise, recorre à leitura histórica dialética a partir do concreto, por entender que este método enfrenta as contradições da realidade e recobra a unidade entre as ciências sociais e naturais. A natureza, na interação com a realidade, está determinada pela própria natureza de seu conhecimento, que se impõe aos homens no espaço geográfico como dado permanente e se modifica à medida que é compreendida historicamente pelo/no trabalho como mediação metabólica do par dialético sociedade-natureza, assim como pela necessidade humana de subordinar a própria natureza, que, apropriada pelo modo de produção capitalista, se estabelece como crise ambiental. Buscou-se, então, compreender os organismos e mecanismos que atuam no comando e controle da natureza como recurso natural e foco de política ambiental, tendo o Estado como indutor de políticas públicas.

Downloads

Publicado

2016-02-08

Como Citar

FONTENELE, A. C. F. Natureza da e na política ambiental brasileira. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 41, p. 31–66, 2016. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/569. Acesso em: 19 jul. 2024.