Espaço urbano no Brasil agrícola moderno e desigualdades socioespaciais

Autores

  • Denise Elias Universidade Estadual do Ceará (UECE) Depto. de Geociências Rua Vicente Leite, 2121, Apto. 301 Aldeota - Fortaleza, CE – CEP: 60.170-151
  • Renato Pequeno Universidade Federal do Ceará (UFC) Depto. de Arquitetura e Urbanismo Rua Vicente Leite, 2121, Apto. 301 Aldeota - Fortaleza, CE – CEP: 60.170-151

Resumo

No Brasil, a territorialização do capital e a oligopolização do espaço agrário têm promovido profundos impactos socioespaciais, tanto no campo como nas cidades. Isto explica em parte a reestruturação do território e a organização de um novo sistema urbano, muito mais complexo, resultado da difusão da agricultura científica e do agronegócio globalizados, que têm poder de impor especializações produtivas ao território. Neste artigo, defende-se a tese de que é possível identificar no Brasil agrícola moderno vários municípios cuja urbanização se deve diretamente à consecução e expansão do agronegócio, formando-se cidades cuja função principal claramente se associa às demandas produtivas dos setores associados à modernização da agricultura, sendo que nestas cidades se realiza a materialização das condições gerais de reprodução do capital do agronegócio. Para tanto, são apresentados alguns pressupostos que explicariam este tipo de cidade, que denominamos de cidade do agronegócio. Da mesma forma, considerando que a difusão do agronegócio se dá de forma socialmente e espacialmente excludentes, promovendo o acirramento das desigualdades, buscamos mostrar algumas das formas destas se reproduzirem nas cidades do agronegócio. A moradia é a principal variável de análise destas desigualdades

Downloads

Publicado

2015-09-03

Como Citar

ELIAS, D.; PEQUENO, R. Espaço urbano no Brasil agrícola moderno e desigualdades socioespaciais. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 25, p. 13–33, 2015. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/395. Acesso em: 17 jun. 2024.