Movimento de Mulheres Camponesas

território de luta e resistência feminista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3471

Palavras-chave:

MMC, território, luta, feminismo

Resumo

O presente artigo procura apresentar reflexões acerca do território de luta e resistência feminista a partir do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC). Pretende-se, portanto, evidenciar e identificar as teorias feministas que contribuem para a interpretação do espaço geográfico, entender a produção teórica sobre território das mulheres camponesas. A metodologia se baseou na pesquisa militante, através de análise bibliográfica e documental. Para as camponesas, compreender o espaço como possibilidade, permite pensar a construção de territórios baseados no bem viver, pois trazem a herança das mulheres indígenas, negras, camponesas, lutadoras que as inspiram a construir a nova sociedade.

Biografia do Autor

Janaina Francisca de Souza Campos Vinha, Universidade Federal do Triangulo Mineiro

Formada em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), Campus de Presidente Prudente, possui doutorado em Geografia pela mesma instituição. Foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e realizou estágio na University of Manitoba, Canadá. Atualmente é docente da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Referências

Referências

BRINGEL, Breno; VARTELLA, Renata Versiani Scott. A pesquisa militante na América Latina hoje: reflexões sobre as desigualdades e as possibilidades de produção de conhecimentos. Revista Digital do Direito Administrativo, vol.3, n. 3, p.474-489, 2016. São Paulo. Disponível no URL: www.revistas.usp.br/rdda DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2319-0558.v3i3p474-489

CINELLI. Catiane. Programa de sementes crioulas de hortaliças: experiência e identidades no Movimento de Mulheres Camponesas. 2012. 113 p. (Dissertação de mestrado). Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), Ijuí, 2012.

GASPARETO, Sirlei A. K. Pedagogia da semeadura: a Construção de Saberes pelo Movimento de Mulheres Camponesas no Programa de Sementes Crioulas”. Ed. Dialogar. São Paulo, SP. 2018.

GADELHA, Renata Rocha. História e Lutas da Territorialização do Movimento de Mulheres Camponesas de Minas Gerais. Revista NERA, v. 24, n. 57, p. 158-184, Dossiê I ELAMSS, 2021.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Movimentos socioterritoriais e movimentos socioespaciais: contribuição teórica para uma leitura geográfica dos movimentos sociais. Revista Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária -NERA. São Paulo, Presidente Prudente, ano 8, n. 6, p. 24-34 – janeiro/junho de 2005 – ISSN 1806-6755 DOI: https://doi.org/10.47946/rnera.v0i6.1460

FERNANDES, Bernardo Mançano. Movimento Social como Categoria Geográfica. In: Revista Terra Livre nº 15. São Paulo: AGB, 2000b, pp. 59-85.

MOVIMENTO DE MULHERES CAMPONESAS. Deliberações do Movimento de Mulheres Camponesas – Brasil. Uma Afirmação de Muitas Histórias. Documento Tese do MMC. Brasília, 2004.

MOVIMENTO DE MULHERES CAMPONESAS - MMC, Feminismo Camponês e Popular, Ed. Passografic, Passo Fundo, 2018.

RAFFESTIN, Claude. Por Uma Geografia do Poder. São Paulo: Editora Ática, 1993.

REIS, Maria Lopez. Estudos de Gênero na Geografia: uma análise feminista da produção do espaço. Espaço e Cultura, URRJ, RJ, N. 38, P.XX-XX, JUL/DEZ. 2015. DOI: https://doi.org/10.12957/espacoecultura.2015.29067

SAQUET, Marco Aurélio. Construindo uma proposta de abordagem territorial (i)material. In: SAQUET, M.A. (org.). Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular, 2007, p. 157-200.

SEIBERT, Iridiani Graciele. Feminismo Camponês Popular: Contribuição das mulheres camponesas a luta de transformação social, Dissertação de mestrado no Programa de Pôs graduação de Estudos Comparado para as Américas, Ciências Sociais, Universidade de Brasília/UNB, Brasília, 2019.

SEIBERT, Iridiani Gracieli, RODRIGUES, Sandra Marli da Rocha. A Aproximação teórica entre o Feminismo Camponês e Popular e o Marxismo Latino-americano. 2017. Disponível em: https://singa2017.files.wordpress.com. Acesso 15.06.2021.

SILVA, Edcleide da Rocha; SANTOS, Gabriela Maria Cota dos; PEREIRA, Glaciene Vareiro; SANTOS Margarida de Oliveira dos. Mulheres indígenas em defesa do território e da identidade. In: MEZADRI, Adriana Maria et al. (org.). Feminismo camponês popular: reflexões a partir de experiências no Movimento de Mulheres Camponesas. 1. ed. São Paulo: Outras expressões, 2020. p. 49-61

SILVA, Joseli Maria; ORNAT, Márcio José. Geografias feministas na América Latina: desafios epistemológicos e a decolonialidade de saberes. Journal of Latin American Geography, Volume 19, Number 1, January 2020, pp 163-171 (article) DOI: https://doi.org/10.1353/lag.2020.0019

SILVA, Susana Maria Veleda da. Geografia e Gênero/Geografia Feminista o que é isto? Boletim Gaúcho de Geografia, 23: 105 - 110, março, 1998. Versão online disponível em:

http://seer.ufrgs.br/bgg/article/view/38385.

VINHA, Janaina Francisca de Souza Campos. Território (i)material e Geografia Agrária: paradigmas em questão. Revista NERA. Ano 16, n°23, p. 27 - 42 – julho/dezembro de 2013 – ISSN 1806-6755. DOI: https://doi.org/10.47946/rnera.v0i23.2636

Downloads

Publicado

2024-06-14

Como Citar

TABORDA, N. W.; VINHA, J. F. de S. C. Movimento de Mulheres Camponesas: território de luta e resistência feminista. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 61, p. 750–775, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3471. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3471. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos