Paisagens

uma breve análise cultural e urbana

Autores

  • Dennys Henrique Miranda Nunes Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro -PPGEO-UERJ/AGB Niterói - Rio de Janeiro (RJ) https://orcid.org/0000-0003-1402-1569

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3446

Palavras-chave:

Paisagem, Espaço, Arte Urbana, Grafite, Pixação

Resumo

O artigo expõe uma análise sobre o conceito da Paisagem em três momentos: considerações sobre a origem do conceito, a paisagem cultural e a paisagem urbana. O estudo identifica as primícias do que atualmente entendemos na Geografia como a Paisagem, além de relacionar os estudos atuais aos fenômenos culturais e urbanos, como os grafites e pixações (pichações) ligados ao Movimento Hip Hop na cidade do Rio de Janeiro/RJ. Temos como metodologia o levantamento bibliográfico, o trabalho de campo e uso de fotografias. Por fim, relacionamos as noções que esse conceito clássico pode oferecer para os estudos contemporâneos do espaço urbano e as relações que a cidade expressa a partir da ação de determinados grupos.

Biografia do Autor

Dennys Henrique Miranda Nunes, Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro -PPGEO-UERJ/AGB Niterói - Rio de Janeiro (RJ)

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGEO/UERJ), orientado pelo Prof. Dr. Ulisses da Silva Fernandes. Possui Mestrado (2023) em Geografia na linha de Globalização, Políticas Públicas e Reestruturação Territorial pelo PPGEO/UERJ e Graduação (2019) em Licenciatura Plena em Geografia pela Faculdade de Formação de Professores (FFP) da UERJ. Possui experiência na Gestão Pública de Ensino pela Secretaria Municipal de Educação de Niterói, atuando na Coordenação de Educação em Sustentabilidade, Esporte e Saúde (SME/CESESS - Niterói). Foi bolsista de Iniciação Científica - PIBIC, na área de FORMAÇÃO CONTINUADA EM REDE: Experiências e Narrativas Docentes do Grupo Alfabetização, Leitura e Escrita (GPALE), coordenado pela Profª. Drª. Jacqueline Morais (2016-2018).

Referências

ANGOTTI, Fabíola Belinger; RHEINGANTZ, Paulo Afonso; PEDRO, Rosa Maria Leite Ribeiro. Perfomações e múltiplas realidades do Porto Maravilha: entre consensos, resistências e controvérsias na zona portuária do Rio de Janeiro. Urbe - Revista Brasileira de Gestão Urbana, 11, 2019, pp. 1-19. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3369.011.e20180081

BECKER, Howard. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BERQUE, Augustin. Paisagem-Marca, Paisagem-Matriz: Elementos da Problemática para uma Geografia Cultural. In: CORRÊA, R. L; ROSENDHAL, Z. (Orgs.). Paisagem, Tempo e Cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004.

BRASIL. Lei nº 12.408, de 25 de maio de 2011. Altera o art. 65 da Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para descriminalizar o ato de grafitar, e dispõe sobre a proibição de comercialização de tintas em embalagens do tipo aerossol a menores de 18 (dezoito) anos. Brasília, DF: Presidência da República, 2011.

CARLOS, Claudio Lima. La otra cara del proyecto Puerto Maravilla: Zona portuaria de Río de Janeiro. Revista Latino-americana de Ambiente Construído & Sustentabilidade, Tupã-SP, v. 1, n. 2, 2020, pp. 1-15. DOI: https://doi.org/10.17271/rlass.v1i2.2544

CARVALHO, João Marcelo de. Xarpi: um registro sobre a pixação no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2017.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. São Paulo: Martins, 2007.

COSGROVE, Denis. A Geografia Está em Toda Parte: Cultura e Simbolismo nas Paisagens Humanas. In: CORRÊA, R. L; ROSENDHAL, Z. (Orgs.). Paisagem, Tempo e Cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004.

FERNANDES, Ulisses da Silva. Paisagem: uma prosa do mundo em Merleau-Ponty. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal Fluminense, Niterói: [s.n.], 2009, 160f.

GITAHY, C. O que é graffiti. – São Paulo: Brasiliense, 2012.

GÓIS, Marcos Paulo Ferreira de. Paisagens luminosas e cenários noturnos: formas, práticas e significados na cidade do Rio de Janeiro. – Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2017.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HERSCHMANN, Micael. O funk e o hip-hop invadem a cena. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

LEFEBVRE, Henri. La producción del espacio. Madrid: Capitán Swing, 2013.

LEFEBVRE, Henri. O Direito à Cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

MEINIG, D. W. O olho que observa: dez versões da mesma cena. Espaço e Cultura, Rio de Janeiro, n. 16, jul.-dez., 2003, pp. 35-46.

ROGER, Alain. Breve tratado del paisaje. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, 2014.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do Espaço Habitado: Fundamentos Teóricos e Metodológicos da Geografia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

SERPA, Angelo. Por uma geografia dos espaços vividos: geografia e fenomenologia. – São Paulo: Contexto, 2019.

SILVA, Armando. Atmosferas urbanas: grafite, arte pública, nichos estéticos. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2014.

SOUZA, Marcelo Lopes de. ABC do Desenvolvimento Urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2020.

TARTAGLIA, Leandro. A paisagem e o grafite na cidade do Rio de Janeiro. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n.7, 2013, pp.191-202.

Downloads

Publicado

2024-06-14

Como Citar

MIRANDA NUNES, D. H. Paisagens: uma breve análise cultural e urbana. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 61, p. 57–95, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3446. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3446. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos