Circuito rap e a ação do Coletivo Grajaú Rap City

um instrumento analítico para se interpretar a produção cultural e econômica nas quebradas das grandes cidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3435

Palavras-chave:

densidades, metrópoles, produção cultural-econômica, Hip-Hop, Circuito RAP

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar a complexidade da dimensão espacial produtiva do RAP (Rhythm and Poetry), que denominamos Circuito RAP. Como forma de reconhecer a sua dinamicidade e ação organizada dos agentes ligados diretamente a esse seguimento musical, cuja essência está nas quebradas, ou áreas periféricas. O Circuito RAP apresenta-se como uma proposta metodológica para se interpretar a economia nas periferias das cidades brasileiras. Direcionamos a apresentação dos resultados das situações geográficas no distrito do Grajaú, no extremo Sul de São Paulo, a partir do coletivo Grajaú RAP City. É a partir da própria organização do meio ambiente urbano construído que os agentes periféricos se articulam para dar forma às suas condições de sobrevivência material.

Biografia do Autor

Mauricio Moysés, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Graduado (bacharelado e licenciatura), Mestre e Doutor em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas - Unicamp. Atua principalmente nos seguintes temas: território usado, espaço banal, circuitos culturais, Cultura Hip-Hop, Circuito Rap, territorialidades e urbananização. Atua como membro pesquisador do Laboratório de Investigações Geográficas e Planejamento Territorial - GEOPLAN, do Departamento de Geografia do Instituto de Geociências da Unicamp. Atua como docente no Ensino Superior, Fundamental II e Médio, bem como arte educador e hiphopeiro. É autor do livro - Véi, aqui o papo é reto - o Circuito RAP do Distrito Federal (Editora CRV, 2022).

Referências

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2019.

ALTAMIRANO, Micaela. Entre fluxos de centralidades e margens: a São Paulo do Grajaú. In: Ana Claudia de Oliveira; Maria Aparecida Junqueira. (Org.). São Paulo: escrita-imagem em atravessamento estético-político. 1ed.São Paulo: EDUC, 2018, v., p. 37-150.

ALVES, Cristiano Nunes. (2014) Os Circuitos e as Cenas da música na cidade do Recife: o lugar e a Errância Sonora. 2014. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Geociências (IG), Universidade Estadual de Campinas, 2014.

ARROYO, Mónica. “A economia invisível dos pequenos”. In: Le Monde Diplomatique. Brasil, ano 2, n. 15, outubro de 2008.

CASTRO, Cloves Alexandre de. Geografias das lutas por direitos no distrito do Grajaú SP: o caso do movimento social “Nós da Sul”. Rev. NERA. Presidente Prudente, v. 22, n. 49, pp. 15-30, Ma-Ago./2019. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/nera/article/download/5992/4905/23524 DOI: https://doi.org/10.47946/rnera.v0i49.5992

COSTA, Henrique. Cultura, política e empreendedorismo no Brasil contemporâneo. Le Monde Diplomatique Brasil, ed. 129, abril, 2018.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2015.

GORZ, André. O imaterial. Conhecimento, valor e capital. São Paulo: Editora Annablume, 2005.

MOYSÉS, Mauricio (2023). Espaço banal e essência cotidiana: ações contrarracionais do RAP pela superação da pobreza estrutural-urbana em São Paulo-SP e São Luís-MA. Tese (doutorado em Geografia). Campinas, Universidade Estadual de Campinas, 2023.

MOYSÉS, Mauricio. (2018) Circuito RAP do Distrito Federal: território usado e lugar. 2018. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Instituto de Geociências (IG), Universidade Estadual de Campinas, 2018.

RAIMUNDO, Sílvia Lopes. (2017) Território, cultura e política: movimento cultural das periferias, resistência e cidade desejada. Tese (doutorado) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, SP, 2017.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Crise urbana e novas imagens do trabalho: recortes analíticos do pequeno empresário. Rio de Janeiro: UFRJ/IPPUR, 1996.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. O desenvolvimento local e a arte de ‘resolver’ a vida. In LIANZA, Sidney & ADDOR, Felipe. Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. Porto Alegre: Editora da UFRGS, Pp. 109-120, 2005.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Por uma sociologia do presente: ação, técnica e espaço. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012.

RIBEIRO, Ana Clara Torres; SILVA, Cátia Antônia. Impulsos globais e espaço urbano: sobre o novo economicismo. El rostro urbano de América Latina. O rostro urbano da América Latina. Buenos Aires, CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2004.

RIBEIRO, Ana ClaraTorres. A cidade neoliberal: crise societária e caminhos da ação. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. OSAL, Observatorio Social de América Latina, Año VII no. 21 sep-dic, 2006.

SANTANA, Isabella. Perifativa: As manifestações culturais do Grajaú. Trabalho de Conclusão de Curso - TCC (graduação), Bacharel em Jornalismo, Comunicação Social, Fiam Faam - Centro Universitário, São Paulo, 2020.

SANTOS, Milton. A Natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo: Edusp, 2013 [1993].

SANTOS, Milton. O Espaço Dividido. São Paulo: Edusp, 2002 [1979].

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 1ª Ed; Rio de Janeiro: Record, 2000.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço e tempo. São Paulo: Edusp, 2008 [1994].

SANTOS, Milton; e SILVEIRA, María Laura. Globalização e Geografia: a compartimentação do espaço. Caderno Prudentino de Geografia, nº18, de 1996.

SEADE, Fundação. São Paulo 465 anos. São Paulo, jan. 2019. Acessado em: 19/12/2019. Disponível em: https://www.seade.gov.br/wp-content/uploads/2019/02/Municipio_Sao_Paulo_.pdf.

SILVA, Adriana Maria Bernardes da. A contemporaneidade de São Paulo: Produção de informações e novo uso do território brasileiro. Tese (Doutorado em Geografia Humana), Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

SILVEIRA, María Laura. Concretude territorial, regulação e densidade normativa. In: Revista Experimental, nº 02, p. 35-45, 1997.

SILVEIRA, Maria Laura. Da pobreza estrutural à resistência: pensando os circuitos da economia urbana. Ciência Geográfica - Bauru - XVII - Vol. XVII - (1): Janeiro/Dezembro, 2013.

SILVEIRA, María Laura. Uma situação geográfica: do método à metodologia In: Revista Território, ano IV, nº. 6, p. 21-27, 1999.

SODRÉ, Muniz. Apresentação. In: PAIVA, Raquel e SANTOS, Cristiano Ribeiro dos (orgs.) Comunidade e contra-hegemonia: rotas de comunicação alternativa. Rio de Janeiro: Manuad X: FAPERJ, pp. 07-09, 2008.

Downloads

Publicado

2024-06-14

Como Citar

MOYSÉS, M. Circuito rap e a ação do Coletivo Grajaú Rap City: um instrumento analítico para se interpretar a produção cultural e econômica nas quebradas das grandes cidades. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 61, p. 216–246, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3435. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3435. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos