Transformações da paisagem e dinâmicas socioespaciais nos compartimentos tabulares de Regeneração, Piauí

Autores

  • Ivamauro Ailton de Sousa Silva Universidade Federal do Pará (UFPA)

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3404

Palavras-chave:

Agricultura, Nordeste Brasileiro, Cerrado Piauiense, Paisagem

Resumo

As superfícies tabulares de Regeneração (Piauí), apresentaram transformações notáveis, decorrentes de usos da terra, associados aos cultivos agrícolas. Esse estudo tem, como objetivos, analisar as dinâmicas socioespaciais e identificar as mudanças da paisagem nesta área. A pesquisa foi construída, a partir de revisão bibliográfica, de elaboração de mapas temáticos, de coleta de dados primários e secundários, construção e de análise quantitativos. Os resultados revelam que os aspectos da paisagem (solo, relevo e clima) tiveram um papel relevante na atual ocupação das terras e na transformação da paisagem. O mapeamento realizado entre 2005 e 2020 indicou alterações na dinâmica de cobertura das terras, como, por exemplo, expansão da agricultura em áreas, em que não haviam produção agrícola em larga escala. As dinâmicas socioespaciais confirmam a substituição da cobertura vegetal por extensos campos de cultivo no topo das chapadas e revelam o aumento da produtividade de culturas, como a soja e milho. A pesquisa permitiu compreender as dinâmicas socioespaciais e avaliar as transformações da paisagem, resultantes do desenvolvimento de atividades agrícolas comerciais.

Biografia do Autor

Ivamauro Ailton de Sousa Silva, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Licenciado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás, mestre em Geografia pela Universidade Federal de Goiás e doutor em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é professor da Universidade Federal do Pará - Campus Cametá, onde atua na pesquisa e no ensino de graduação, em disciplinas e temas relacionados à natureza. Tem experiência na área de Geografia Física, com ênfase em climatologia e geomorfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: análise ambiental, desertificação, arenização, paisagens erodidas (badlands), dinâmica das chuvas, geomorfologia climática, paisagem e natureza no ensino de geografia, interfaces entre toponímias, geografia e história. Líder do grupo de pesquisa "Geografia Física, Paisagem e Ambiente" (CNPq) e integrante do Badlands Working Group, da International Association of Geomorphologists (IAG). Foi professor na Universidade do Estado de Mato Grosso (2014-2022) e exerceu atividades de ensino na Educação Básica, em distintas escolas da Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso (SEDUC-MT). 

Referências

ALVES, V. E. L. Mobilização e modernização dos cerrados piauienses: formação territorial no império do agronegócio. 2006. 305f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Universidade de São Paulo (USP), 2006.

ALVES, V. E. L. Modernização agropecuária e urbanização na região de cerrados do Centro Norte do Brasil: as novas dinâmicas urbanas no oeste da Bahia. In. ALVES, V. E. Modernização e regionalização nos cerrados do Centro-Norte do Brasil. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2015, p.227-268.

ANDRADE JÚNIOR, A. S.; BASTOS, E. A.; SILVA, C. O.; GOMES, A. A. N.; FIGUEREDO JÚNIOR, L. G. M. Atlas Climatológico do Estado do Piauí. Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2004b. 151 p. (Documentos-INFOTECA-E).

ARAÚJO, A. A. Modernização na fronteira agrícola dos cerrados piauienses: o caso de Bom Jesus. 2005. 164f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, 2005.

BARBOSA, A. M. F. Dinâmicas ambientais e transformações da paisagem no cerrado piauiense. 2013. 253f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Sergipe, 2013.

BATISTA, M. L. Bezerra; ALVES, J. S.; ALVES, C. L. B.; ANDRÉ, D. M. Análise fatorial e espacial da modernização agrícola no MATOPIBA. Revista de Economia e Sociologia Rural. v. 6, n. 3, 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9479.2022.261413

BOLFE, É. L.; VICTÓRIA. D. C.; CONTINI, E.; BRAYMA-SILVA, G. SPINELLI-ARAUJO, L.; GOMES, D. Matopiba em crescimento agrícola Aspectos territoriais e socioeconômicos. Revista de Política Agrícola. Ano XXV, n.4, out./nov./dez, 2016.

CENTRO DE PESQUISAS E RECURSOS MINERAIS (CPRM). Serviço Geológico do Brasil. Mapa geológico do estado do Piauí. Teresina: CPRM, 2006. Escala 1:1.000.000

CENTRO DE PESQUISAS E RECURSOS MINERAIS (CPRM). SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Atlas pluviométrico do Brasil: CPRM, 2011.

COLUSSI, J. Matopiba: mudanças no uso da terra na nova fronteira agrícola do Brasil e impactos socioeconômicos. 2017. 96f. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2017.

ELIAS, D. Agronegócio e novas regionalizações no Brasil. Revista Brasileira e Estudos Urbanos e Regionais, v.13, n.2, p.154-167, nov. 2011. DOI: https://doi.org/10.22296/2317-1529.2011v13n2p153

FERREIRA, R. V.; DANTAS, M. E. Relevo. In: PFALTZGRAFF, P. A. S.; TORRES, F. S. M.; BRANDÃO, R. L. Geodiversidade do estado do Piauí. Recife: CPRM, 2010

FREDERICO, S. Economia política do território e as forças de dispersão e concentração no agronegócio brasileiro. GEOgraphia, v. 17, p. 68-94, 2015. DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2015.v17i35.a13729

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Manual técnico de geomorfologia. / Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agropecuário do Brasil – Munícipios do Estado do Piauí, Pesquisa Pecuária Municipal – Regeneração (2005-2020).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estimativa da população no Brasil – Munícipios do Estado do Piauí (Regeneração). 2022.

MONTEIRO, M. S. L. Ocupação do cerrado piauiense: estratégia empresarial e especulação fundiária. 2002. 250f. Tese (Doutorado em Economia Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, 2002.

OLIVEIRA, I. J. Chapadões descerrados: relações entre vegetação, relevo e uso das terras em Goiás. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 34, n. 2, p. 311–336, 2014. DOI: https://doi.org/10.5216/bgg.v34i2.31734

OLIVEIRA NETO, J. V. O vale de um Rio Preto de Águas Cristalinas. Campo Grande: Editora Stil’l, 1999

PEREIRA, C. N.; CASTRO, C. N.; PORCIONATO, G. L. Expansão da agricultura no MATOPIBA e impactos na infraestrutura regional. Revista de Economia Agrícola, São Paulo, v. 65, n. 1, p. 15-33, 2018. DOI: https://doi.org/10.56468/1983-7747.erea032018

RUFO, T. F. Agronegócio e mercado de trabalho nos cerrados piauienses: novas dinâmicas, contradições e transformações. 2021. 378 f., il. Tese (Doutorado em Geografia) — Universidade de Brasília, Brasília, 2021.

SOUSA SILVA, I. A. Paisagens vermelhas do Piauí: dinâmicas naturais, erosividade da chuva e o mito da desertificação. 2021. 505f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2021.

SOUSA SILVA, I. A.; SUERTEGARAY, D. M. A.; BARROS, J. R. Entre chapadas e malhadas: transformações da paisagem e a expansão agrícola em Gilbués-Piauí. GEOgraphia, Niterói, v. 21, n. 45, p. 47-69, jan. /abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2019.v21i45.a14288

SOUZA, M. L. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

Downloads

Publicado

2024-06-14

Como Citar

SOUSA SILVA, I. A. de . Transformações da paisagem e dinâmicas socioespaciais nos compartimentos tabulares de Regeneração, Piauí. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 61, p. 447–481, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3404. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3404. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos