Grandes projetos de desenvolvimento no estado do Rio de Janeiro

o que há de “novo”?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.62516/terra_livre.2023.3225

Palavras-chave:

Grandes Projeto de Desenvolvimento

Resumo

O presente artigo busca analisar, a partir de resultados de pesquisa de campo, análises documentais e de reportagens de veículos de comunicação, a situação dos grandes projetos de desenvolvimento cuja instalação ocorreram na primeira década do século XXI no estado do Rio de Janeiro. A pesquisa, portanto, analisa as propostas de planejamento territorial para o Rio de Janeiro promovida pelos principais agentes capitalistas modeladores do espaço e pelo Estado, para essa terceira década do século XXI. A investigação demostrou que a crise econômica do estado, a partir de 2015, com a queda do preço das commodities, afetou substancialmente os grandes projetos de desenvolvimentos e produziram mudanças de rumos, adaptações dos projetos e seus territórios. Concluímos que passada a fase mais aguda da crise, os projetos vêm se readequando e retomando sua incorporação territorial a partir de velhos e novos atores. Independente da nova dimensão de investimentos e das estruturas ou da mudança de tipologias das atividades econômicas vemos que os grandes projetos seguem tendo um papel discursivo central no planejamento territorial do estado do Rio de Janeiro.

Biografia do Autor

Ana Maria Costa, Universidade Federal Fluminense

Professora do Serviço Social da Universidade Federal Fluminense, campus Campos dos Goytacazes

Daniel Monteiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Gabriel Grabois, Universidade Federal Fluminense

Mestrando da Universidade Federal Fluminense

 

Gustavo Vitti, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Planejamento Urbano e Regional na Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luiz Jardim Wanderley, Universidade Federal Fluminense

Professor do departamento de Geografia da Universidade Federal Fluminense

Paulo Alentejano, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Faculdade de Formação de Professores

Pedro Leão, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Mestrando em Desenvolvimento Agrário na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Tássia Gabriele Balbi de Figueiredo e Cordeiro, IFFluminense

Possui Graduação em Geografia pela Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FFP/UERJ - 2008), Especialização em Educação Básica, modalidade Ensino de Geografia, pela FFP/UERJ (2010), Especialização em Educação Especial, modalidade Deficiência Mental, pela UNIRIO (2015) e Mestrado em Educação na área de Políticas, Direitos e Desigualdades pelo PPG-EDU FFP/UERJ (2013). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana (PPFH/UERJ). Professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal Fluminense (IFF) e colaboradora do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Geografia Agrária (GeoAgrária - FFP/UERJ). Tem experiência em Geografia e Educação do Campo, com ênfase em Políticas Públicas para a Educação do Campo e Ensino de Geografia.

Thiago Da Silva, Universidade Federal Fluminense

Professor de Geografia do Município de Mesquita e Doutor em Geografia Pela Universidade Federal Fluminense

Vinicius Da Silva, Universidade Federal Fluminense

Geógrafo pela Universidade Federal Fluminense

Referências

ABDALA, V. Petrobras e estatal chinesa fazem parceria para investir no Comperj. Agência Brasil, Brasília, DF, 04 jun. 2018. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-07/petrobras-e-estatal-chinesa-fazem-parceria-para-investir-no-comperj. Acesso em: 05 abr. 2021.

ABDALA, V. Petrobras e chinesa desistem de projeto conjunto para concluir o Comperj. Agência Brasil, Brasília, DF, 19 dez. 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-12/petrobras-e-chinesa-desistem-de-projeto-conjunto-para-concluir-comperj. Acesso em: 05 abr. 2021.

ALTINO, L. Governo do Rio lança plataforma sobre oferta de água, redução do risco de secas e prevenção contra inundações. Extra, Rio de Janeiro, 25 fev. 2021. Disponível em: https://extra.globo.com/noticias/rio/governo-do-rio-lanca-plataforma-sobre-oferta-de-agua-reducao-do-risco-de-secas-prevencao-contra-inundacoes-24897861.html. Acesso em: 22 abr. 2021.

BARCELOS, E. A. S. ; WANDERLEY, L. J. M. ; LEAO, O. M. R. ; ALENTEJANO, P. ; COSTA, P. D. . Barragem do Guapiaçu: uma necessidade diante da “crise hídrica” ou mais um negócio suspeito?. Terra Livre , v. 2, p. 183-204, 2014.

BARTRA, A. Con los pies sobre la tierra: despojo y resistencia en los territorios. Ciudad de México. UAM/Ithaca, 2015.

BINSZTOK, J; BARBOSA, J (org.). Modernização fracassada: Dossiê Comperj. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.

BRASIL, C. I. Com volta de obra, cidade do Comperj espera a criação de 5 mil vagas. Agência Brasil, Brasília, DF, 24 abr. 2018. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-04/com-volta-de-obra-cidade-do-comperj-espera-criacao-de-5-mil-vagas. Acesso em: 05 abr. 2021.

CAPETTI, P; ALMEIDA, C. Rio vai ampliar dependência do petróleo, e royalties chegarão a 25% da receita. O Globo, Rio de Janeiro, 25 jan. 2021 [atualização]. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/rio-vai-ampliar-dependencia-do-petroleo-royalties-chegarao-25-da-receita-1-24676521. Acesso em: 22 abr. 2022

CORRÊA, D. Obra em polo petroquímico do Rio pode empregar mais 7 mil. Agência Brasil, Brasília, DF, 30 ago. 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-08/obra-em-polo-petroquimico-no-rio-pode-empregar-mais-de-7-mil. Acesso em: 05 abr. 2021a.

CORRÊA, D. Petrobrás assina parceria para projetos de geração de gás. Agência Brasil, Brasília, DF, 09 out. 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-10/petrobras-assina-parceria-para-projetos-de-geracao-de-gas-natural. Acesso em: 05 abr. 2021b.

CORREA, G; WANDERLEY, L; ALENTEJANO, P; ROCHA-LEÃO, P; SILVA, V. Os conflitos por terra e território do quilombo de Baía Formosa: contribuições da geografia na luta contra o complexo turístico-imobiliário Aretê em Armação dos Búzios-RJ. Terra Livre, v. 1, n. 54, p. 22-68, jan.-jun./2020.

COSTA, A; BARCELOS, E; MILANEZ, B; ALENTEJANO, P; MORAES, R. O Projeto Minas Rio e seus impactos socioambientais: olhares desde a perspectiva dos atingidos. Relatório Preliminar. Rio de Janeiro/Minas Gerais, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

COSTA, P. D. ; WANDERLEY, L. J. M. ; ALENTEJANO, P. . A falácia da escassez: a crise hídrica e a barragem do rio Guapiaçu. In: Ana Costa et al (Org.). Geografia dos grandes projetos de desenvolvimento: reflexões a parti dos conflitos no estado do Rio de Janeiro. 1ed.Rio de Janeiro: Consequência, 2021, v. 1, p. 231-282.

DA SILVA, T. Produção do espaço e cultivo comercial de eucalipto no estado do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado em Geografia, Universidade Federal Fluminense, 2017.

IKEDA JUNIOR, R. Zona de sacrifício ambiental: O caso da Baía de Sepetiba – RJ. RPPR – Rio de Janeiro – vol. 5, nº 3, setembro a dezembro de 2018, p. 359-380.

FERREIRA, Leonardo. De olho na expansão do agronegócio, Rio quer ter polo de fertilizantes no Porto do Açu em São João da Barra. Portal OZK.com. 18 mar. 2021. Disponível em: https://www.portalozk.com/vaf/noticias/economia/de-olho-na-expansao-do-agronegocio-rio-quer-ter-polo-de-fertilizantes-no-porto-do-acu-em-sao-joao-da-barra/20451/Acessado em: 20 jun. 2022

FIRJAN, Mapa Firjan – 2016-2025 - Mapa de Desenvolvimento Estado do Rio de Janeiro, 2015.

GÓES, A. Com investimento de R$40 milhões, 59 hectares da APA de Guapimirim serão reflorestados. O Globo, 12 jun. 2020. Disponível em: https://blogs.oglobo.globo.com/ancelmo/post/com-investimento-de-r-40-milhoes-59-hectares-da-apa-de-guapimirim-serao-reflorestados.html . Acesso em: 22 abr. 2021.

GÓES, A. Mais um passo para a retomada do Comperj. O Globo, 16 out. 2018. Disponível em: https://blogs.oglobo.globo.com/ancelmo/post/com-investimento-de-r-40-milhoes-59-hectares-da-apa-de-guapimirim-serao-reflorestados.html . Acesso em: 22 abr. 2021.

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO, Plano de Diretrizes e Iniciativas Prioritárias do Governo do Estado do Rio De Janeiro (2019/2022), 2020.

GRUPO deTRABALHO de ASSUNTOS AGRÁRIOS da ASSOCIAÇÃO dos GEÓGRAFOS BRASILEIROS, SEÇÕES RIO e NITERÓI. Os grandes projetos de desenvolvimento e seus impactos sobre o espaço agrário fluminense. II Caderno de Textos do GT, [S.l.:s.n.],2012.

_________. Os “grandes projetos de desenvolvimento” e seus impactos sobre o espaço agrário do Rio de Janeiro. In MITIDIERO Jr., M. A., GARCIA, M. F. & VIANA, P. C. G. (Orgs.) A questão agrária no século XXI: escalas, dinâmicas e conflitos territoriais. São Paulo: Outras expressões, 2015. (pp. 430)

LISBOA, V. TAC prevê que Petrobrás invista R$ 815 milhões na região do Comperj. Agência Brasil, Brasília, DF, 09 ago. 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-08/tac-preve-que-petrobras-invista-r-815-milhoes-na-regiao-do-comperj. Acesso em: 05 abr. 2021.

LUNA, D; NUNES, F. GasLub entrará em operação entre 4º tri de 2021 e 1º tri de 2022, diz Petrobrás. Terra, 25 fev. 2021. Disponível em: https://www.terra.com.br/economia/gaslub-entrara-em-operacao-entre-4-tri-de-2021-e-1-tri-de-2022-diz-petrobras,fdd8c1ab6597e014f148ee2d545e8e4fcuf3ffp6.html. Acesso em: 05 abr. 2021.

ORDOÑEZ, R. Petrobrás dá passo rumo à privatização de gasodutos marítimos que ligam campos do pré-sal à terra. O Globo, Rio de Janeiro, 27 fev. 2021 [atualização]. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/petrobras-da-passo-rumo-privatizacao-de-gasodutos-maritimos-que-ligam-campos-do-pre-sal-terra-24668946. Acesso em: 22 abr. 2021.

OLIVEIRA, L. A emersão da região logístico-industrial do Extremo Oeste Metropolitano fluminense: reflexões sobre o processo contemporâneo de reestruturação territorial-produtiva. Espaço e Economia [Online], 7, 2015. DOI: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.1814

__________. Geografia dos grandes projetos de desenvolvimento: uma reflexão a partir do estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Consequência, 2021.

PAULANI, L. M. Acumulação e Rentismo: resgatando a teoria da renda de Marx para pensar o capitalismo contemporâneo. Revista de Economia Política, vol. 36, nº 3 (144), pp. 514-535, julho-setembro/2016. DOI: https://doi.org/10.1590/0101-31572016v36n03a04

PESSANHA, R. M. A relação transescalar e multidimensional “Petróleo-porto” como produtora de novas territorialidades. Tese do Programa de Pós Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana-UERJ. 2017

PIQUET, R. A hora da restauração: Rio deve capitanear as ações para recuperarmos áreas florestadas. O Globo, Rio de Janeiro, 15 jun. 2020. Disponível em:https://oglobo.globo.com/opiniao/a-hora-da-restauracao-24477328. Acesso em: 22 abr. 2.

POLO GasLub Itaboraí: Informações Gerais. Petrobrás, s.d. Disponível em: https://petrobras.com.br/pt/nossas-atividades/principais-operacoes/refinarias/polo-gaslub-itaborai.htm. Acesso em: 05 abr. 2021.021.

PORTER, M.E. The competitive advantage of nations New York: The Free Press, 1990. DOI: https://doi.org/10.1007/978-1-349-11336-1

QUINTELA, S. Desenvolvimento e Escalas de Conflito Ambiental: o caso do Complexo Logístico-Industrial do Porto do Açu em São João da Barra (RJ) Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, Rio de Janeiro, n. 4, mai. 2014 https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/cdf/article/view/11538/9083 DOI: https://doi.org/10.12957/cdf.2014.11538

ROCHA-LEÃO, P; SILVA, V. CORREA, G. Entre o latifúndio e os grandes projetos de desenvolvimento nas Baixadas Litorâneas do Rio de Janeiro: escalas da violência e da resistência na luta por território do Quilombo da Baía Formosa. In: GTAgrária. Geografia dos grandes projetos de desenvolvimento: uma reflexão a partir do estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Consequência, 2021.

ROSA, B. Comperj: Petrobrás paga indenização de R$ 50 milhões a cidades. O Globo, Rio de Janeiro, 19 ago. 20. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/comperj-petrobras-paga-indenizacao-de-50-milhoes-cidades-24258242. Acesso em: 22 abr. 2021.

SAMPAIO JR., P. A. Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo: tragédia e farsa. Serviço Social & Sociedade, v.112, p.672-688. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-66282012000400004

SILVA, R; MATOS, M. V. Petróleo e desenvolvimento regional: o Rio de Janeiro no pós-boom das commodities. Revista de Desenvolvimento Econômico – RDE - Ano XVIII – V. 2 - N. 34 - Agosto de 2016 - Salvador, BA – p. 704 – 722. DOI: https://doi.org/10.21452/rde.v2i34.4437

TINOCO, V. O Arco Metropolitano do Rio de Janeiro: modernização, acumulação e novo desenvolvimentismo. Espaço e Economia [Online], 14 | 2019. DOI: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.6136

WANDERLEY, L. Do Boom ao Pós-Boom das commodities: o comportamento do setor mineral no Brasil. Versos - Textos para Discussão PoEMAS , v. 1, p. 1-7, 2017.

Downloads

Publicado

2024-06-14

Como Citar

COSTA, A. M.; MONTEIRO, D.; GRABOIS, G.; VITTI, G.; WANDERLEY, L. J.; ALENTEJANO, P.; LEÃO, P.; BALBI DE FIGUEIREDO E CORDEIRO, T. G.; DA SILVA, T.; DA SILVA, V. Grandes projetos de desenvolvimento no estado do Rio de Janeiro : o que há de “novo”?. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 61, p. 776–832, 2024. DOI: 10.62516/terra_livre.2023.3225. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/3225. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Grupos de trabalho

Dados de financiamento