A ideologia nacional brasileira como ferramenta política

ordem, progresso, conservadorismo e coerção

Autores

Palavras-chave:

Pensamento geográfico, ideologia nacional, mitos fundadores

Resumo

A ascensão do bolsonarismo no Brasil foi pautada, dentre outras coisas, pela apropriação de símbolos nacionais. Visando trazer elementos que contribuam para a compreensão do referido movimento, embora não o analise em si, o texto resgata aspectos de construção ideologia nacional brasileira e possíveis diálogos com a Geografia em processo de institucionalização no país, com objetivo de investigar de que maneira esta ciência contribuiu para esta construção. Analisaremos o mito do verdeamarelismo, e sua conexão com a bandeira nacional; a dicotomia litoral-sertão e sua relação com a ideia de “ordem e progresso” e do mito de “país do futuro”; e a construção de uma sociedade que se estabelece sobre o mito da “democracia racial” enquanto se estrutura por meio da diferença de cor, classe e exploração do trabalho.

Biografia do Autor

Rogata Soares Del Gaudio, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Associada IV do Programa de Pós-Graduação e do Curso de Geografia/UFMG

Doralice Barros Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora titular da Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

ALMEIDA. L. F. R. Estado-Nação e Ideologia: Elementos para uma discussão. In. AUTOR , 2014, pp 66-87

AUTOR, 2020. Dissertação

ARAÚJO, G. C. C. Edenismo e ideologia espacial no imaginário brasileiro (1930-1986). Unesp. Rio Claro. 2016 (Tese de doutorado).

AZEVEDO, A. A Geografia em São Paulo e sua evolução. In: Boletim Paulista de Geografia. Março, 1954, nº 16. p. 45-65

BARBATO, L. F. T. A construção da identidade nacional brasileira: necessidade e contexto. Revista Eletrônica História em Reflexão: Vol. 8 n. 15 – UFGD – Dourados, jan/jun. 2014. p. 1-15.

BEZERRA, O. de L.; GOMES, G. A. de O. Notas sobre a história do trabalho no Brasil: a consagração em fatos, valores e músicas. História & Perspectivas, Uberlândia (58); 223-236, jan./jun. 2018.

CHALHOUB, S. Vadios e barões no ocaso do Império: o debate sobre a repressão da ociosidade na Câmara dos Deputados em 1888. Estudos Ibero-Americanos, Curitiba, v. 9, n.1-2, p. 53-67, 1983.

CHAUI, M. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2000.

DEFFONTAINES, P. Os indivíduos-tipos do Brasil. Boletim geográfico. Maio de 1947, nº 50. p. 140-146. 954, nº 16. p. 45-65.

JURT, J. O Brasil: um Estado-nação a ser construído. O papel dos símbolos nacionais, do Império à República. Revista MANA 18(3): 471-509, 2012.

LAUERHASS, L.; NAVA, C. (orgs.). Brasil: uma identidade em construção. São Paulo. Ática. 2007. LÖWY, M. Ideologias e Ciência Social. São Paulo. Cortez, 1995.

MORAES, A. C. R. O sertão: um “outro geográfico”. Terra Brasilis [Online], 4 - 5 | 2003, posto online no dia 05 novembro 2012, consultado em março de 2023. Disponível em: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/.

____________, Ideologias geográficas: Espaço, cultura e política no Brasil. Hucitec. São Paulo. 1988.

MOREIRA, R. O pensamento geográfico brasileiro: As matrizes brasileiras, volume 3. São Paulo, Contexto, 2016.

SCHAWARCS, L. M.; STARLING, H. M. Brasil: uma biografia. Companhia das Letras, São Paulo, 2015.

Downloads

Publicado

2023-08-02

Como Citar

SOARES, L.; SOARES DEL GAUDIO, R.; PEREIRA, D. B. A ideologia nacional brasileira como ferramenta política : ordem, progresso, conservadorismo e coerção. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 59, p. 703–740, 2023. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/2940. Acesso em: 15 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)