Expansão da COVID-19 em Unidades de Conservação na Amazônia

implicações para a mobilidade espacial da população no Mosaico do Baixo Rio Negro

Autores

Palavras-chave:

Mobilidade espacial da população, COVID-19, Amazônia, Unidades de Conservação, População e Ambiente

Resumo

Neste artigo analisamos a expansão da COVID-19 nas comunidades ribeirinhas do Mosaico de Áreas Protegidas do baixo Rio Negro (MBRN), localizado na região norte do país. Buscamos explicar em que medida a mobilidade espacial da população foi afetada pela doença, para além do seu papel como um vetor de difusão do vírus. Dessa forma, o artigo discute sobre os impactos da pandemia da COVID-19 no cotidiano da população em comunidades de Unidades de Conservação na Amazônia. Com base na aplicação de 760 surveys com moradores das comunidades rurais do MBRN, os resultados indicam que os deslocamentos para as cidades e, principalmente, a permanência nas residências de familiares são elementos que justificam o aumento de casos da doença nas comunidades ribeirinhas. Além disso, 72% dos entrevistados relataram uma redução no número de viagens para as cidades. Esse artigo lança luz para os impactos da COVID-19 na mobilidade espacial da população, prática central no cotidiano das comunidades ribeirinhas com dados primários ainda pouco presente na literatura da região

Biografia do Autor

José Diego Gobbo Alves, Unicamp

Graduado em Geografia (Licenciatura e Bacharelado) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP - Rio Claro), onde foi bolsista de projeto de extensão universitária (PROEX) e de iniciação científica (FAPESP). Mestre em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), onde foi bolsista de mestrado FAPESP. Atualmente é aluno do Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Sociedade (Doutorado) na Universidade Estadual de Campinas, sendo bolsista CAPES. Tem atuado desde a graduação nas áreas de Urbanização e dispersão urbana; Distribuição espacial da população; Mobilidade urbana e regional; Planejamento urbano e ambiental; Geoprocessamento e Mudanças no uso e cobertura da terra. No doutorado, pesquisa sobre a relação entre a distribuição espacial da população, trajetórias de uso e fragmentação florestal na Amazônia brasileira, tendo como estudo de caso o Mosaico de Áreas Protegidas do baixo rio Negro 

Julia Corrêa Côrtes, Universidade Estadual de Campinas

Engenheira Agrônoma (ESALQ/USP), Doutora e Mestra em Demografia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH/UNICAMP) com período de residência durante o doutorado no Center for Latin American Studies da University of Florida (LATAM/UF). Realizou pesquisa de pós-doutorado (PNPD/CAPES) pelo Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Sociedade (IFCH/NEPAM/UNICAMP). Atualmente é pesquisadora colaboradora do Laboratório de Urbanização e Mudança no Uso e Cobertura da Terra (FCA/UNICAMP). Com experiência interdisciplinar na região da Amazônia brasileira desde 2010, pesquisa através do método misto os processos demográficos do desmatamento, degradação e dinâmica no uso da terra. As atuais atividades de pesquisa abordam a distribuição populacional e dinâmicas socioespaciais, mobilidade e gênero, urbanização e urbanidades no rural.

Álvaro de Oliveira D'Antona, Universidade Estadual de Campinas

Formação em Ciências Humanas e em Sociais Aplicadas, incluindo Economia (graduação, 1989), Antropologia (mestrado, 1997) e Ciências Sociais (doutorado em Estudos de População, 2003; pós-doutorado em População e Ambiente, 2004). Livre-docente da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA-Unicamp), credenciado no Programa de Pós-graduação de Demografia (IFCH/Unicamp) e no mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (FCA/Unicamp). Pesquisador-colaborador do Núcleo de Estudos de População (NEPO-Unicamp). Participação em projetos de pesquisa nacionais e internacionais sobre População e Ambiente e temas afins, com experiência de campo com populações em áreas rurais da Amazônia e no Nordeste do Brasil (em áreas protegidas e em projetos de colonização). Entre 2010 e 2013, Coordenador de Pós-Graduação da FCA. Entre 2013 e 2017, Diretor Associado da FCA-Unicamp. Entre 2017 e 2021, Diretor da FCA-Unicamp. Desde 2021, Controlador Geral da Unicamp.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVÍL (ANAC). Dados estatísticos: número de voos e passageiros nacionais e internacionais. 2020. Disponível em: https://www.anac.gov.br/assuntos/dados-e-estatisticas/dados-estatisticos/dados-estatisticos. Acessado em: 22/05/2020

ALEIXO, N. C. R; SILVA NETO, J. C. A. ; PEREIRA, H. S. ; BARBOSA, D. E. S. ; LORENZI, B. C. . Au long des voies navigables : mobilité et évolution du COVID-19 dans l'État d'Amazonas. CONFINS (PARIS), p. 1-27, 2020

ALVES, JDG.; PEREIRA, HC. Populações Tradicionais e os efeitos das Mudanças Climáticas no Mosaico de Áreas Protegidas do Baixo Rio Negro (MBRN). Manaus: Universidade Estadual do Amazonas, 2023.

AMAZONAS. Secretária de Estado do Meio Ambiente. Portaria SEMA nº 32, de 17 de março de 2020. Proíbe o acesso e a promoção de eventos, encontros, filmagens etc. às unidades de conservação de caráter estadual. Manaus, 2020. Disponível em: http://meioambiente.am.gov.br/wpcontent/uploads/2020/03/Portaria-N.-32.2020-Emergencial-Covid-19-4.pdf Acessado em: 01/05/2022

AMAZONAS. Secretária de Estado do Meio Ambiente. Portaria SEMA n° 12, de 10 de fevereiro de 2021. Reforça os decretos anteriores, permitindo a visitação sanitária. Disponível em: https://www.transparencia.am.gov.br/wpcontent/uploads/2021/02/PORTARIA-n.-012-2021-SEMA.pdf. Acessado em: 13/10/2023

BARRETO, I. C. H. C. et al. Colapso na saúde em Manaus: o fardo de não aderir às medidas não farmacológicas de redução da transmissão da Covid-19. Saúde em Debate, v. 45, p. 1126-1137, 2021

BECKER, B. A Urbe Amazônida: a floresta e a cidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2013

BRASIL. Covid-19: Painel Coronavírus. 2023. Atualizado em 13/03/2023. Disponível em: https://covid.saude.gov.br. Acessado em: 13/03/2023

BRASIL. Portaria Nº 227, de 22 de março de 2020. 2020a. MMA & ICMBio: Suspende por tempo indeterminado a visitação pública em UCs federais. Disponível em: https://www.in.gov.br/ en/web/dou/-/portaria-n-227-de-22-de-marco-de-2020-249490867. Acessado em: 13/03/2023

BRASIL. Portaria Nº 890, de 25 de agosto de 2020. 2020b.MMA & ICMBio: Permite a reabertura da visitação pública nas Unidades de Conservação Federais. Disponível em: https://biblioteca.mpsp.mp.br//phl_img/portal/blegis/blegis_16ago2020.html. Acessado em: 13/03/2023

CRODA, J. H. R; GARCIA, L. P. Resposta imediata da Vigilância em Saúde à epidemia da COVID-19. EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE, v. 29, p. e2020002, 2020.

DA SILVA, R. J., DOS SANTOS, J. P., VIANA, F. M. F., OLER, J. R. L., E STEWARD, A. M. Impactos da COVID-19 nas cadeias produtivas e no cotidiano de comunidades tradicionais na Amazônia Central. Mundo Amazónico, 11(2), 75-92, 2020. http://dx.doi.org/10.15446/ma.v11n2.88436

DIDIER, K. et al. O mosaico do baixo Rio Negro e o seu Plano de Monitoramento. In: DIDIER K, ESTUPIÑÁN G.M.B. (editores). 2017. Plano de Monitoramento do Mosaico de Áreas Protegidas do Baixo Rio Negro, Amazonas, Brasil. Wildlife Conservation Society (WCS Brasil) e o Conselho do Mosaico do Baixo Rio Negro, Manaus, Amazonas, Brasil.

FUNDAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO AMAZONAS (FVS). Painel COVID-19 do Amazonas: Atualizado em 09/09/2022. Disponível em: http://www.saude.am.gov.br/painel/corona/. Acessado em: 28/02/2023

LAVOR, A. Amazônia Sem Respirar: Falta de oxigênio causa morte e revela colapso em Manaus. FioCruz: RADIS, fev 2021. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/handle/icict/46768/AmazôniaSemRespirar.pdf?sequence=2&isAllowed=y. Acessado em: 23/08/2022

MACHADO, M.L; FREITAS, R. O primeiro ano de pandemia no Brasil em 43 eventos. Nexo Jornal. 2021 Disponível em: https://pp.nexojornal.com.br/linha-do-tempo/2021/O-primeiro-ano-de-pandemia-no-Brasil-em-43-eventos. Acessado em: 13/03/2023

MONTE-MÓR R. Urbanização extensiva e lógicas de povoamento: um olhar ambiental. In: Santos M, SOUZA M, SILVEIRA M. Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec-Anpur; 1994. p. 169-181

MUNIZ, E. S. A interiorização da covid-19 na Amazônia: reflexões sobre o passado e o presente da saúde pública. Hist. cienc. saude-Manguinhos 28 (3) • Jul-Sep 2021 • https://doi.org/10.1590/S0104-59702021005000007

NUNES, M. O PAPEL DAS ESTRUTURAS TERRITORIAIS NA PROPAGAÇÃO DA COVID-19 NA FRONTEIRA AMAZÔNICA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2021. Nota Técnica nº25. DOI: http://dx.doi.org/10.38116/ntdirur25

OLIVAR, J. M. N et al. ‘Rio Negro, We care’. Indigenous women, cosmopolitics and public health in the COVID-19 pandemic. Global Public Health, 17:11, 3126-3141, DOI: 10.1080/17441692.2021.1959941

ORELLANA, J. A tripla tragédia epidêmica por covid-19 e a subnotificação de mortes em Manaus. Reportagem: Brasil de Fato, 2022. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2022/02/07/analise-a-tripla-tragedia-epidemica-por-covid-19-e-a-subnotificacao-de-mortes-em-manaus. Acessado em: 28/02/2023

PADOCH, C., BRONDÍZIO, E., COSTA S, PINEDO-VASQUEZ P, SEARS R.R., SIQUEIRA, A. Urban forest and rural cities: Multi-sited households, consumption patterns, and forest resources in Amazonia. Ecology and Society. 2008;13(2).

PARDINI, R.; et al. COVID-19 pandemic as a learning path for grounding conservation policies in science. Perspectives in Ecology and Conservation, v. 19, p. 109-114, 2021

PORTUGAL. Direção Geral de Saúde. Portugal, 2020. Disponível em: https://covid19.min-saude.pt/

PERROTA, A. P. Serpentes, morcegos, pangolins e ‘mercados úmidos’ chineses: Uma crítica da construção de vilões epidêmicos no combate à Covid-19. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social – Rio de Janeiro – Reflexões na Pandemia, 2020

REDE ECLESIAL PAN-AMAZÔNICA (REPAM-Brasil). Pan-Amazônia chega à marca de 100 mil mortes por Covid-19. Disponível em: https://repam.org.br/pan-amazonia-marca-100-mil-covid/. Acessado em: 26/09/2022

REX, F. E. e al. Spatial analysis of the COVID-19 distribution pattern in São Paulo State, Brazil. Ciênc. saúde coletiva 25 (9), setembro de 2020. https://doi.org/10.1590/1413-81232020259.170820203

RIBEIRO, S. P.; REIS, A. B. Worldwide COVID-19 spreading explained: traveling numbers as a primary driver for the pandemic. BIOLOGICAL SCIENCES • An. Acad. Bras. Ciênc. 92 (4) • 2020 • https://doi.org/10.1590/0001-3765202020201139

SCHOR, T. et al. APONTAMENTOS METODOLÓGICOS SOBRE O ESTUDO DE IDADES E DE REDE URBANA NO ESTADO DO AMAZONAS, BRASIL. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do curso de Ciências Sociais da UNIFAP, v. 9, n. 1, p. 09-35, 2016.

SIMONETTI, S. R.; NASSAR, P. M.; JESUS, J. S.. “O turismo parou”: a pandemia e as comunidades do Mosaico do Baixo Rio Negro (AM). In: Iara Brasileiro; David Bouças; Helena Costa; Daniela Alvares. (Org.). Turismo, Sustentabilidade e Covid-19: entre incertezas e esperanças. 1ed.Brasília: LETS/UnB, 2022, v. , p. 50-71

VENTURA, D. et al. Challenges of the COVID-19 pandemic: for a Brazilian research agenda in global health and sustainability. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, p. e00040620, 2020.

WICKHAM, H. ggplot2: Elegant Graphics for Data Analysis. Springer-Verlag New York, 2016.

WORLD WIDE FUND FOR NATURE (WWF). COVID-19 e áreas protegidas e conservadas. 2020. Disponível em: https://wwfbr.awsassets.panda.org/downloads/final_covid_e_areas_protegidas_e_conservadas_logoiucn.pdf. Acessado em: 26/04/2022

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). A World at Risk. Annual report on global preparedness for health emergencies Global Preparedness Monitoring Board. September 2019. Disponível em: <https://apps.who.int/gpmb/assets/annual_report/GPMB_annualreport_2019.pdf>

ZORZETTO, R. Epidemiologia. Novo coronavírus começou a se espalhar no Brasil entre janeiro e fevereiro. Pesquisa Fapesp, 12 maio 2020. Disponível em: <https://revistapesquisa.fapesp.br/novo-coronavirus-comecou-a-se-espalhar-no-brasil-entre-janeiro-efevereiro/>

Downloads

Publicado

2023-08-02

Como Citar

ALVES, J. D. G.; CÔRTES, J. C.; D’ANTONA, Álvaro de O. Expansão da COVID-19 em Unidades de Conservação na Amazônia: implicações para a mobilidade espacial da população no Mosaico do Baixo Rio Negro. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 59, p. 246–285, 2023. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/2933. Acesso em: 25 set. 2023.

Funding data

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)