Aplicación de la predicción meteorológica para el pronóstico de la abundancia potencial del Aedes aegypti en Buenos Aires

Autores

  • R. Bejarán Dpto. de Cs. de la Atmósfera, Universidad de Buenos Aires, Argentina
  • A. de Garín Dpto. de Cs. de la Atmósfera, Universidad de Buenos Aires, Argentina
  • N. Schweigmann Dpto. de Cs. Biológicas, Universidad de Buenos Aires, Argentina

Resumo

O mosquito Aedes aegypti é o mesmo vetor urbano da dengue e da febre amarela. A cidade de Buenos Aires foi afetada pela epidemia de febre amarela durante a segunda metade do século XIX e começo do XX. Entre as décadas de 1920 e 1950, o monitoramento foi descontínuo, mas quando vindo de fora, a abundância desse mosquito na cidade foi muito baixa e em 1967 ele foi declarado erradicado. Em 1995, ele foi detectado na cidade e tardio monitoramento do mosquito produziu uma importante elevação de sua abundância. Por outro lado, a preferência de muitos turistas argentinos pelo Brasil, América Central e as ilhas do Caribe (em muitos casos, zonas endêmicas de dengue), tem intensifi cado o risco de entrada do vírus em Buenos Aires. Devido a isto, um método de detecção da abundância potencial ovos de Ae. aegytpti foi desenvolvido. O método é baseado nas condições de atmosfera limitantes para a sobrevivência do adulto e também considera o impacto meteorológico sobre os dados de desenvolvimento do ciclo gonotrópico. Neste texto, predições climáticas e meteorológicas são usadas como input no desenvolvimento do método. A comparação com dados permitirá avaliar a performance do modelo. Os resultados mostram que o modelo permite detectar o início do período de atividade desta espécie e também inferir, com algumas semanas de antecipação, momentos estratégicos para a aplicação de métodos de controle

Downloads

Publicado

2015-08-10

Como Citar

BEJARÁN, R.; DE GARÍN, A.; SCHWEIGMANN, N. Aplicación de la predicción meteorológica para el pronóstico de la abundancia potencial del Aedes aegypti en Buenos Aires. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 20, p. 171–178, 2015. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/182. Acesso em: 21 abr. 2024.