Condicionantes Geoambientais e clima urbano, o caso de Presidente Prudente-SP

Autores

  • Larissa Dorigon Unesp, campus de Presidente Prudente

Resumo

As cidades sofreram diversas alterações em função da ação antrópica, resultando num processo intenso de adensamento e verticalização que criou rugosidades na superfície e modificou as trocas de energia entre a superfície e a baixa troposfera. Em 1976 o professor Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro formulou uma proposta de análise destas interferências nos climas das cidades e propôs uma apreciação integrada entre os condicionantes urbanos e os geoambientais de cada ambiente específico, a fim de compreender as anomalias de temperatura e higrometria das cidades. Sendo assim, o presente estudo buscou relacionar a temperatura da superfície detectada em Presidente Prudente com os aspectos geoambientais (hipsometria declividade e orientação das vertentes) encontrados na cidade. A análise mais detalhada terá como referência os bairros Cohab e Cecap, uma vez que lá foram encontradas as maiores temperaturas da superfície. Como resultado geral compreende-se que o clima urbano não pode ser somente explicado ou entendido através de um único viés de análise, pois este fenômeno é resultante de toda estrutura da cidade, desde os aspectos físicos, como também os urbanos e humanos. 

Downloads

Publicado

2018-10-13

Como Citar

DORIGON, L. Condicionantes Geoambientais e clima urbano, o caso de Presidente Prudente-SP. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 49, p. 87–114, 2018. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/1014. Acesso em: 21 abr. 2024.