A constituição do planejamento regional como um “modelo estatal de modernização"

sua apropriação pelo Estado brasileiro e suas repercursões na modernização retardatária brasileira

Autores

  • Gabriel Pedro Alves Lopes AGB-VITÓRIA

Palavras-chave:

Planejamento Regional, Modernização Retardatária, Mobilidade do Trabalho, Autonomização

Resumo

O objetivo deste trabalho foi discutir como, onde surge e se desdobra o planejamento regional, buscando entender os principais significados e impactos de seu surgimento e propagação pelo mundo no Pós-II Guerra. Fizemos isso a partir de um resgate de um referencial teórico e geo-histórico acerca do planejamento regional. Partindo desde sua conformação enquanto um “modelo estatal de modernização”, na sua difusão nos países latino-americanos, até suas transformações conformadas a partir de sua apropriação na particularidade brasileira. Assim, pudemos entender que esse processo de instalação de um “modelo estatal de modernização” constituiu o modo pelo qual seria feita a “abertura” das regiões, com o discurso da “integração nacional” em direção a uma modernização retardatária na realidade brasileira. De modo que, resultaria na transformação, a partir de processos violentos, das categorias terras, trabalho e capital na particularidade brasileira.

Referências

BOECHAT, Cássio Arruda. O colono que virou suco: terra, trabalho, Estado e capital na modernização da citricultura paulista. 2013. Tese de Doutorado (Doutorado em Geografia Humana) - Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Faculdade de Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

BROSE, Markus. TVA e instituições de desenvolvimento regional: contribuições para a história das ideias. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2015.

CALICCHIO, Vera Lúcia & ARAÚJO, Maria Paula Nascimento. Cronologia 1930/1945. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas/CPDOC, 1976.

DE OLIVEIRA, Nathalia Capellini Carvalho de. A grande aceleração e a construção de barragens hidrelétricas no Brasil. Varia Historia, v. 34, p. 315-346, 2018.

DINIZ, Clélio Campolina. A questão regional e as políticas governamentais no Brasil. Texto para discussão, v. 159, 2001.

GAUDEMAR, Jean-Paul. de. Mobilidade do trabalho e acumulação do capital. Lisboa, Estampa, 1977.

HALL, Peter. Cidades do amanhã: uma história intelectual do planejamento e do projeto urbanos no século XX. Perspectiva, 2007.

KLUCK, Erick Gabriel Jones. Quando o planejamento vai para o Brejo: a mobilidade do trabalho e o planejamento territorial na modernização do Velho Chico. 2017. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

KURZ, Robert. O colapso da modernização. 5ª. Ed. Tradução de Karen Elsabe Barbosa. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

LEITE, Ana Carolina Gonçalves. Acumulação de capital, mobilização regional do trabalho e coronelismo no Brasil. Cuadernos de Geografía-Revista Colombiana de Geografía, v. 23, n. 1, p. 75-92, 2014

____________. O campesinato no Vale do Jequitinhonha: da sua formação no processo de imposição do trabalho à crise da (sua) reprodução capitalista. 2015. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

OLIVEIRA, Francisco de; MAZZUCCHELLI, Frederico. Padrões de acumulação, oligopólios e Estado no Brasil (1950-1976). in: A Economia da Dependência Imperfeita. 2ª ed. Rio de Janeiro: Graal, p. 76-113, 1977.

___________. A questão regional: a hegemonia inacabada. Estudos avançados, v. 7, p. 43-63, 1993.

___________. Noiva da Revolução/Elegia para uma Re (li) gião. São Paulo: Boitempo, 2008.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Como Citar

ALVES LOPES, G. P. A constituição do planejamento regional como um “modelo estatal de modernização": sua apropriação pelo Estado brasileiro e suas repercursões na modernização retardatária brasileira . Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 57, p. 685–715, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/2308. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos