Feminicídio epistemológico

práticas misóginas na geografia

Autores

  • Carolina Russo Simon Seção Local Presidente Prudente

Palavras-chave:

sexismo, violência contra as mulheres, misoginia

Resumo

O objetivo deste texto é demonstrar como as práticas misóginas dentro dos ambientes acadêmicos, principalmente geográficos, são práticas de violências epistemológicas que visam a manutenção do sexismo dentro da academia e que podem ocasionar os feminicídios epistemológicos - a morte do pensamento de mulheres, principalmente de mulheres feministas. Para conduzir as reflexões, rememorei três cenas de situações vividas em ambientes onde se produz a ciência geográfica e as escrevi como forma de testemunho. Pretendo evidenciar a necessidade de uma práxis antipatriarcal na Geografia, se tornando não só uma agenda de pesquisa, mas uma postura cotidiana frente ao sistema de opressão e dominação mais antigo do mundo.

Referências

ABC. Academia Brasileira de Ciências. Mulheres são minoria entre reitores e nas bolsas de pesquisa mais prestigiadas. publicado em 07 de fevereiro de 2018. Disponível em:<http://www.abc.org.br/2018/02/07/mulheres-sao-minoria-entre-reitores-e-nas-bolsas-de-pesquisa-mais-prestigiadas/>. Acesso em 05-2022.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. [1967] Nova Fronteira, 2014.

BUTLER, Judith. El género em disputa: el feminismo y la subversión de la identidade. Barcelona: Editora Paidós, 2007.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2015.

BUTLER, Judith. Trouble dans le genre: le féminisme et la subversion de l'identité. La découverte, 2019.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Editora Ática, 1995

CESAR, Tamires Regina Aguiar de Oliveira. Gênero, poder e produção científica geográfica no Brasil de 1974 a 2013. 2015. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Mestrado em Gestão do Território. Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, 2015.

CESAR, Tamires Regina Aguiar de Oliveira. Gênero, trajetórias acadêmicas de mulheres e homens e a centralidade na produção do conhecimento geográfico brasileiro. 2019. Tese (Doutorado em Geografia) – Doutorado em Geografia. Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, 2019.

DINIZ, Débora; GEBARA, Ivone. Esperança feminista. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 2022.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Violência contra as mulheres em 2021. 2022. Disponível em< https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2022/03/violencia-contra-mulher-2021-v5.pdf>. Acesso em 05-2022.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa. Mulheres, corpo e acumulação primitiva. Rio de Janeiro: Editora Elefante, 2017.

GOMES, Izabel Solyszko. Feminicídios: um longo debate. Revista Estudos Feministas, v. 26, n. 2, 2018.

GUIMARÃES, R B. Saúde: fundamentos de geografia humana. São Paulo: Editora da UNESP, 2015.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Indicadores de Qualidade da Educação Superior, 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/ educacao-superior/indicadores-de-qualidade, Acesso em 05-2022.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014. DOI: < https://doi.org/10.1590/S0104-026X2014000300013 >. Acesso em 05-2022.

MANNE, Kate. Down girl, the logic of misogyny. New York: Oxford University Press, 2018.

MARX, Karl. O capital: livro 1, o processo de produção do capital [1867]. São Paulo: Boitempo, v. 894, 2013.

MASSEY, Doreen. The geography of trade unions: Some issues. Transactions of the Institute of British Geographers, p. 95-98, 1994.

MASSEY, Doreen B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Bertrand Brasil, 2008.

MORAES, Maria Lygia Quartim. Marxismo e feminismo: afinidades e diferenças. Crítica Marxista, n. 11, p. 89-97, Campinas, 2000.

MOREIRA, Ruy. O círculo e a espiral. Niterói: Ed. AGB Niterói, 2004. 192 p.

MOREIRA Ruy. Pensar e ser em geografia: Ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço geográfico. São Paulo: Contexto, 2010.

PEDROSO, Mateus Fachin. Situacionalidade e Interpretações: Quantas Geografias Cabem em uma Vida?. Revista Latino Americana de Geografia e Gênero, v. 10, n. 2, p. 66 78, 2019. ISSN 21772886. Acesso em 05-2022.

PINTO, Vagner André Morais. Gênero e vivência cotidiana na instituição do espaço da produção científica geográfica paranaense. 2017. Dissertação (Mestrado) – Mestrado em Gestão do Território. Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa- Paraná, 2017.

PINTO, Vagner Andre Morais. O Gênero enquanto componente da produção científica no espaço acadêmico UEPG. 2014. Monografia (Graduação)- Licenciatura em Geografia, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa- Paraná, 2014.

PNUD. PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO; ONU MULHERES. Do compromisso à ação: políticas para erradicar a violência contra as mulheres na América Latina e no Caribe. Panamá: PNUD–ONU MUJERES, 2017. Disponível em:

<http://www.onumulheres.org.br/wpcontent/uploads/2017/12/DEL_COMPROMISO_A_LA_ACCION_ESP.pdf.> Acesso em 05-2022.

RADFORD, Jill; RUSSELL, Diana EH (Ed.). Femicide: The politics of woman killing. Twayne Pub, 1992.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. Pólen Produção Editorial LTDA, 2019.

ROUSSEFF, Dilma. Misoginia e Manipulação da mídia. In: DÁVILLA, Manuela (org.) Sempre foi sobre nós: relatos de violência política de gênero no Brasil. Instituto se fosse você. Porto Alegre. p. 45-62, 2021

RUSSEL, Diana. RADFORD, Jill. Feminicídio. La política del asesinato de las mujeres. CEIICH/ UNAM: Cidade do México, 2006.

SAFFIOTI, H. I. B. Violência de gênero no Brasil atual. Estudos feministas, p. 443-461, 1994.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção [1996]. 4 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017.

SEGATO, Rita Laura. “¿Que és un feminicídio? Notas para un debate emergente”. In: Fronteras, violencia, justicia: nuevos discursos. PUEG/UNIFEM: Cidade do México, 2008.

SEGATO, Rita Laura. Femi-geno-cidio como crimen en el fuero internacional de los Derechos Humanos: el derecho a nombrar el sufrimiento en el derecho”. In: FREGOSO, Rosa Linda; BEJARANO, Cynthia (Orgs). Feminicídio en América Latina. Diversidad Feminista. CEIICH/UNAM: Cidade do México, 2011.

SILVA, Joseli Maria Silva. Ausências e silêncios do discurso geográfico brasileiro: uma crítica feminista ao discurso geográfico brasileiro. In: SILVA, Joseli Maria: Geografias Subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009, p.25-54.

SILVA, Joseli Maria. Gênero e espaço: Esse é um tema de geografia? In: AZEVEDO, D. A (Org.). Ensino de Geografia: Novos temas para geografia escolar. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2014. p. 97-125.

SILVA, Joseli Maria. “Relatos de si”: eu, a geografia e o indizível no campo científico. Caderno Prudentino de Geografia, vol. 2, n. Especial “Múltiplas e microterritorialidades nas cidades, p 173-189, junho, 2020.

SILVA, Joseli Maria. CÉSAR, Tamires R. A. de Oliveira e PINTO, Vagner André Morais. Gênero e Geografia brasileira: uma análise sobre o tensionamento de um campo do saber. In: Revista ANPEGE, vol. 11, n 15, 2015. p. 185-200.

SILVA, Joseli Maria; CESAR, Tamires Regina Aguia de Oliveira; PINTO, Vagner André Morais. Fazendo Geografias Feministas: apontamentos sobre desobediências epistemológicas. In: ALVES, Flamiron Dutra; AZEVEDO, Sandra de Castro (Org.). Análises geográficas sobre o território brasileiro: dilemas estruturais à Covid-19. Alfenas- MG, Editora Universidade Federal de Alfenas, 2020 p. 14-28, 2020.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Como Citar

SIMON, C. R. Feminicídio epistemológico: práticas misóginas na geografia. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 57, p. 166–189, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/2289. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos