Gestão e ordenamento territorial na Amazônia brasileira

repercussões e correlações com o cenário da pandemia de COVID-19

Autores

Palavras-chave:

Covid-19, Ordenamento, Gestão, Território, correlação

Resumo

A pandemia de Covid-19 foi o maior evento de saúde do último século, sobretudo pelos impactos econômicos e sobre a vida ocasionados. O objetivo deste trabalho é analisar a pandemia e as correlações com a realidade socioeconômica e espacial da região amazônica, compreendendo que, o quadro apresentado é produto do modelo de gestão e ordenamento do território. Utilizou-se dados de variáveis socioeconômicas do IBGE, além de informações do DataSus. Como método, indicadores foram construídos e agrupados conforme características convergentes. Medidas de tendência central e de diferenças de proporção serviram como base para utilização em modelos de correlação. Para a região amazônica os resultados indicam correlação entre alguns indicadores de desigualdade socioeconômica e instrução educacional, além da vinculação destes com a incidência e o total de óbitos. A nível de Brasil, tais indicadores demonstraram-se ainda mais relevantes. Por fim, concluiu-se que o modelo de ordenamento e gestão do território amazônico, historicamente produziu um ambiente de alta segregação social, o que ampliou drasticamente a vulnerabilidade e suscetibilidade da população a pandemia.

Referências

ANDERSEN, K. G. et al. The proximal origin of SARS-CoV-2. Nature medicine, v. 26, n. 4, p. 450-452, 2020.

AYRES, M.; AYRES JUNIOR, M.; AYRES, D. L.; SANTOS, A. A. S. BioEstat: Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biomédicas. Belém: Mamirauá (ONG), 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Painel de casos de doença pelo coronavírus 2019 (COVID-19) no Brasil pelo Ministério da Saúde. 2021. Disponível: <https://covid.saude.gov.br/>. Acesso: 27 de out. 2021.

CAMPOS, H. S. Influenza, uma nova tsunami. Pulmão RJ.;14(2):104-8. 2005.

CARMO, A.; RÊGO, P.. COVID19 no Alentejo: breves notas sobre territórios de baixa densidade e o seu futuro. Finisterra, v. 55, n. 115, p. 163-168, 2020.

COHEN, J.. Statistical power analysis for the behavioral sciences. Hillsdale, NJ, Erlbaum. 1988.

DANCEY, C.; REIDY, J. Estatística Sem Matemática para Psicologia: Usando SPSS para Windows. Porto Alegre, Artmed. 2006.

DA SILVA, S. A. A pandemia de Covid-19 no Brasil: o acesso e a qualidade dos serviços de saúde como determinante social. Revista Contexto Geográfico, [S. l.], v. 6, n. 11, p. 56–76, 2021. DOI: 10.28998/contegeo.v6i11.12811.

ESCOBAR, A. L. A interiorização da pandemia: potenciais impactos em populações em situação de vulnerabilidade na Amazônia. NAU Social, v. 11, n. 20, p. 137-143, 2020.

FIGUEIREDO, F., et al. Desvendando os Mistérios do Coeficiente de Correlação de Pearson (r). Revista Política Hoje, v. 18, n. 1, p. 115-146, 2009.

FRADE, F. C. C. A componente ambiental no ordenamento do território. Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Universidade de Coimbra, Portugal, 1999.

HAESBAERT, R. Da Desterritorialização e Multiterritorialidade. Rio de Janeiro. In: Anais do V Congresso da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional - ANPUR, v. 3, 2001.

KOHLHEPP, G. Conflitos de interesse no ordenamento territorial da Amazônia brasileira. Estudos avançados, v. 16, p. 37-61, 2002.

________________. Desenvolvimento regional na Amazônia Brasileira: estratégias de ordenamento territorial e conflitos entre interesses econômicos e uso sustentável dos recursos naturais nas florestas tropicais, 2007.

LIRA, S. R. B. et al.. Desigualdade e heterogeneidade no desenvolvimento da Amazônia no século XXI. Nova Economia, v. 19, n. 1, p. 153-184, 2009.

LIU, Y., et al. The reproductive number of COVID-19 is higher compared to the SARS coronavirus. Travel Medicine Journal, 2020. DOI: https://doi.org/10.1093/jtm/taaa021

MELLO, N.A. & THÉRY, H. A armadura do espaço amazônico: eixos e zoneamento. ALCEU, , Vol. 1, N°2, p. 181- 214. 2001

MENDONÇA, F. D. et al. Região Norte do Brasil e a pandemia de COVID-19: análise socioeconômica e epidemiológica/North region of Brazil and the COVID-19 pandemic: socioeconomic and epidemiologic analysis/Región Norte de Brasil y la pandemia de COVID-19: análisis.. Journal Health NPEPS, v. 5, n. 1, p. 20-37, 2020.

MESQUITA, A. A. et al. Espacialização geográfica da Covid-19 na Amazônia sul-ocidental: a contribuição da geografia do risco na gestão da pandemia no estado do Acre-Brasil. UÁQUIRI-Revista do Programa de Pós Graduação em Geografia da Universidade Federal do Acre, v. 2, n. 1, 2020.

NOVEL. Coronavirus Emergency Response Epidemiology Pneumonia, et al. The epidemiological characteristics of an outbreak of 2019 new coronavirus diseases (COVID-19) in China. Zhonghua liu xing bue xue za zhi = Zhonghua liuxingbingxue zazhi, 2020, 41.2: 145. DOI: 10.3760/cma.j.issn.0254-6450.2020.02.003

SILVA, R. G. C. et al. Fronteira, direitos humanos e territórios tradicionais em Rondônia (Amazônia Brasileira). Revista de Geografía Norte Grande, n. 77, p. 253-271, 2020.

SOUZA, M. L de. O território: sobre o espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: In: CORRÊA, R, L, (Org.). Geografia: conceitos e temas. 2º Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

VIANA, R. L. et al Saúde ambiental e desenvolvimento na Amazônia legal: indicadores socioeconômicos, ambientais e sanitários, desafios e perspectivas. Saúde e Sociedade, v. 25, p. 233-246, 2016.

WAN, Y. et al. Receptor recognition by the novel coronavirus from Wuhan: an analysis based on decade-long structural studies of SARS coronavirus. Journal of virology, v. 94, n. 7, p. e00127-20, 2020.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Como Citar

AZEVEDO MESQUITA, A.; DE AGUIAR CAVALCANTE, M. M. Gestão e ordenamento territorial na Amazônia brasileira: repercussões e correlações com o cenário da pandemia de COVID-19. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 57, p. 656–684, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/2287. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos