Interseções entre cartografia social e territórios da mineração

Autores

  • Wagner Barbosa Batella Seção Local Juiz de Fora
  • Daniel Alves Braga UFJF
  • Vitória Custódio Christ de Carvalho

Palavras-chave:

Cartografia Social, Territ´órios da mineração, Conflitos Territoriais

Resumo

Grande parte dos conflitos territoriais envolve certa assimetria na correlação de forças entre os sujeitos envolvidos. Nessas disputas, é comum que os interesses das comunidades não sejam contemplados pelos sistemas técnicos, ditos institucionais, e em grande medida controlados pelo Estado. A Cartografia Social se apresenta como uma abordagem que vem ganhando atenção das Universidades e de Movimentos Sociais pelo seu potencial de construção coletiva, empoderamento das comunidades e instrumento de apoio na resistência de povos tradicionais. O presente trabalho foca a Cartografia Social e os territórios minerários. Visa um balizamento acerca do debate teórico-metodológico acerca dessa abordagem, bem como realiza a análise de outros trabalhos com foco na Cartografia Social.

Biografia do Autor

Wagner Barbosa Batella, Seção Local Juiz de Fora

Professor do Departamento de Geociências da UFJF e do PPGEO - UFJF.

Pesquisador do NuGea (Núcleo de Pesquisa Geografia Espaço e Ação)/UFJF.

Daniel Alves Braga, UFJF

Graduando em Geografia pela Universidade Federal de Juiz de Fora - MG. Bolsista de Extensão - PROEX/UFJF. Membro do Núcleo de Pesquisa Geografia, Espaço e Ação (NuGea) - UFJF.

Vitória Custódio Christ de Carvalho

Graduanda em Geografia pela Universidade Federal de Juiz de Fora - MG. Bolsista de Extensão - PROEX/UFJF. Membro do Núcleo de Pesquisa Geografia, Espaço e Ação (NuGea) - UFJF.

Referências

ACSELRAD, H., COLI, L. R. Disputas Cartográficas e disputas territoriais. In: Acselrad, H. Cartografias Sociais e Território. Rio de Janeiro: UFRJ, IPPUR. 2008.

ALMEIDA, A. W. B. de. Mapas e museus: uma nova cartografia social. Ciência e Cultura, v. 70, p. 58-61, 2018.

ARAÚJO, E. R.; FERNANDES, F. R. C. Mineração no Brasil: crescimento econômico e conflitos ambientais. In: Conflitos ambientais na indústria mineira e metalúrgica. Rio de Janeiro: CETEM/CICP, 2016.

CAMPELLO, L.; SANTIAGO, M.; ANDRADE, S. A Valorização da Identidade Cultural como Desafio à Concretização do Direito ao Desenvolvimento. Revista de Direito Brasileira, v. 19, n. 8 (2018).

CARNEIRO, K. G.; DE SOUZA, T. R.; MELO, T. L. Maquete-lousa: tecnologia social como ferramenta para a construção coletiva de territorialidades - o caso do plano popular do reassentamento coletivo de Gesteira/Barra Longa/MG. Indisciplinar, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 286–321, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/indisciplinar/article/view/32585. Acesso em: 8 set. 2021.

COLCHESTER, M. O mapeamento como ferramenta para garantir o controle comunitário: alguns ensinamentos do sudeste asiático. WRM Boletim nº 63. Outubro de 2002. Disponível em: <https://wrm.org.uy/pt/artigos-do-boletim-do-wrm/secao1/o-mapeamento-como-ferramenta-para-garantir-o-controle-comunitario-alguns-ensinamentos-do-sudeste-asiatico/>. Acesso em: 08 de set. de 2021.

CRAMPTON, J. W.; KRYGIER, J. Uma introdução à cartografia crítica. In: Acselrad, H. Cartografias Sociais e Território. Rio de Janeiro: UFRJ, IPPUR. 2008. P. 85-111.

DUARTE, P. A. Fundamentos de Cartografia. 2ª edição. Florianópolis: Editora da UFSC, 2002.

FELIPPE, M. F.; COSTA, A.; GONCALVES, R. J. A. F.; GUIMARÃES, I. P. M. B.; OLIVEIRA, G. B.; MACHADO, A. C. A. R.; REIS, L. A.; REZENDE, M. O. MINAS DE LAMA: Relatório da expedição geográfica no vale do rio Paraopeba. Juiz de Fora-MG, 2020.

GARCIA, J. C. (coord.; 2006). A história da cartografia na obra do 2.º Visconde de Santarém. Exposição cartobibliográfica, Maria Joaquina Feijoo (coord. científica-técnica), Biblioteca Nacional, Lisboa, 105 [7] p.; il. color.

GORAYEB, A.; MEIRELES, A. J. A. A cartografia social vem se consolidando como instrumento de defesa de direitos. Rede Mobilizadores ; 09 fev. 2014. Entrevista concedida a Eliane Araújo. Disponível em <http://www.mobilizadores.org.br/entrevistas/cartografia-social-vem-se-consolidando-com-instrumento-de-defesa-de-direitos/?eixo=>. Acesso em 14/10/2020.

IBRAM. Infográfico Mineração em Números – Segundo Trimestre de 2020. Portal da Mineração. 2020. Disponível em: <https://portaldamineracao.com.br/wpcontent/uploads/2020/07/Infogr%C3%A1fico-Minera%C3%A7%C3%A3o-em-N%C3%BAmeros-2%C2%BATRI2020-1-1.pdf>. Acesso em: 02/01/2021.

INSTITUTO TRICONTINENTAL DE PESQUISA SOCIAL. Não foi acidente, é crime! O rompimento da Barragem de Brumadinho (MG), no Brasil. Brasil de Fato. 01 de fev. de 2019. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2019/02/01/nao-foi-acidente-e-crime-o-rompimento-da-barragem-em-brumadinho-mg-no-brasil>. Acesso em: 02/01/2021.

IORIO, G. S.; MAGNO, L. Cartografia Social e Diversidade Territorial no Enfrentamento à Mineração na Serra do Brigadeiro. XIII ENANPEGE, A Geografia Brasileira na Ciência-Mundo: produção, circulação e apropriação do conhecimento. São Paulo: set. 2019.

JOLIVEAU, T. O lugar do mapa nas abordagens participativas. In: Acselrad, H. Cartografias Sociais e Território. Rio de Janeiro: UFRJ, IPPUR. 2008. p. 45-69.

LÉVY, Jacques. Uma virada cartográfica?. In.: ACSELRAD, Henri (Org.). Cartografias Sociais e território. Rio de Janeiro: UFRJ/IPPUR, 2008, pp. 153-167.

MAB- Movimento dos Atingidos por Barragem. Disponível em: <https://mab.org.br/>. Acesso em: 03/01/2021.

MASCARELLO, M. A.; SANTOS, C. F.; BARBOSA, A. L. O. Mapas... Por que? Por quem? Para quem? In.: Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais. Recife-PE, v. 7, n. 1, 2018, pp. 126-141.

MILANEZ, B. et al. (2019). Minas não há mais: avaliação dos aspectos econômicos e institucionais do desastre da Vale na bacia do rio Paraopeba. Versos - Textos para Discussão. PoEMAS, 3(1), 1-114.

Minas de Lama. 2020. Disponível em: <https://sites.google.com/view/minasdelama/home?authuser=0>. Acesso em: 03/01/2021.

RIBEIRO, A. C. T. Cartografia da ação social: Região latino-americana e novo desenvolvimento urbano. In: POGGIESE, H.; EGLER, T. T. C. (org.). Outro desarrollo urbano: ciudad incluyente, justicia social y gestión democrática. 1. Ed. Buenos Aires: CLACSO, 2009. p. 147-516.

ROCHA, B. T. G.; LADIM NETO, F. O.; MEIRELES, A. J. A.; GORAYEB, A. Conflitos socioambientais no campo em Apodi-RN: contribuições propositivas da cartografia social. Revista Geografar, Curitiba, v.11, n.1 (V CBEAGT), p. 99-112, jul./2016.

SANTOS, Adalberto Silva. Resistências culturais como estratégias de defesa da identidade. 2008. IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Salvador: Faculdade de Comunicação/UFBA, mai. 2008.

SANTOS, C. N. dos; TAFFAREL, C. C. Autonomia municipal, poder local e participação popular. JUSTIÇA DO DIREITO, v. 27, n. 2, jul./dez. 2013 - p. 275-297.

SHEPPARD, E. Produção de conhecimento através do sistema de informação geográfica (SIG) crítico: genealogia e perspectivas. In: Acselrad, H. Cartografias Sociais e Território. Rio de Janeiro: UFRJ, IPPUR. 2008. p. 113-151.

SOUZA, M. L. de. Autogestão, “Autoplanejamento”, Autonomia: atualidade e dificuldades das práticas espaciais libertárias dos movimentos urbanos. CIDADES, v. 9, n. 15, 2012.

VIEIRA, E. A. A (in) sustentabilidade da indústria da mineração no Brasil. Estação Científica (UNIFAP). Macapá, v. 1, n. 2, p. 01-15, 2011.

WANDERLEY, L. J.; MANSUR, M. S.; MILANEZ, B.; PINTO, R. G. Desastre da Samarco/Vale/BHP no Vale do Rio Doce: aspectos econômicos, políticos e socioambientais. Ciência e Cultura, São Paulo: v.68, n.3, jul/set. 2016.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Como Citar

BATELLA, W. B.; BRAGA, D. A.; CARVALHO, . V. C. C. de. Interseções entre cartografia social e territórios da mineração. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 57, p. 471–504, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/2275. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos