Processo saúde-trabalho-doença e reestruturação produtiva no agrohidronegócio canavieiro da 10ª região administrativa de Presidente Prudente, São Paulo

Autores

  • Gabriel Vitor Nascimento Ferreira Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente
  • Diógenes Rabello Seção Local Presidente Prudente

Palavras-chave:

Trabalho, Adoecimento, Processo saúde-trabalho-doença, Agrihidronegócio canavieiro, Degradação Sistêmica do Trabalho

Resumo

Tratar do adoecimento dos trabalhadores que atuam agrohidronegócio canavieiro da 10ª Região Administrativa de Presidente Prudente é nosso principal objetivo e também implica uma opção metodológica, política e ideológica de compreender a saúde em sua perspectiva social dos agravos, de maneira fluída e dinâmica, direta e indiretamente ligada às mazelas e contradições inerentes ao processo destrutivo de reprodução do capitalismo. A partir dessa opção buscaremos apresentar ao longo deste trabalho um debate, sempre dialogando com a pesquisa empírica realizada através de trabalhos de campo com roteiro semiestruturados nos municípios do recorte, acerca do processo saúde-trabalho-doença que afeta a classe trabalhadora de nosso recorte no âmbito da transição tecnológica do agrohidronegócio canavieiro, e que se manifesta através de doenças ocupacionais, acidentes de trabalho, intoxicações por agrotóxico e incomodações ocupacionais.

Referências

ALVES, G. O Novo e precário mundo do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2000.

ALVES, F. J.; NOVAES, J.R. (Orgs.). Migrantes – Trabalho e trabalhadores no Complexo Agroindustrial Canavieiro (os heróis do agronegócio brasileiro). São Carlos: EDUFSCar, 2007.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. 7. ed. São Paulo: Boitempo, 1999. 259 p.

______. O que é Sindicalismo. SP: brasilienses s.a, 1982.

______. Adeus ao Trabalho? SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2000.

AZEVEDO, J. R. N. de. Expansão da Agroindústria Canavieira no Mato Grosso do Sul: relação Capital x Trabalho e Reconfiguração Espacial. 2008. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2008.

AZEVEDO, J.R.N.;THOMAZ JR., A.; OLIVEIRA, A.M.S. A (re)organização do capital canavieiro. O caso do Oeste Paulista. Geografia em Atos, Presidente Prudente, v.1, n.8, p.23-30, 2008.

BARRETO, M. J. Territorialização das agroindústrias canavieiras no Pontal do Paranapanema e os desdobramentos para o trabalho. 2012. 244 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2012.

BENTO, F. S. Territórios em Disputa e a Dinâmica Geográfica do Trabalho no Século XXI (Processo social e acesso a terra e a água, formas de exploração e saúde ambiental) – (Relatório de pesquisa), 2013 – Faculdade de Ciências e tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2013.

BIHR, A. Da grande noite à alternativa: o movimento operário europeu em crise. São Paulo: Boitempo, 1998.

SILVA, Edith Seligmann. Trabalho e Desgaste Mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

FERREIRA, E.R; ALVES, F.D. Organização Espacial da Cana-de-Açúcar: uma análise evolutiva. In: ENCONTRO DE GRUPOS DE PESQUISA "AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS", 5, 2009, Santa Maria. Anais... Santa Maria: UFSM, 2009. p. 1-18.

HECK, F. M. Degradação anunciada do trabalho formal na Sadia, em Toledo (PR). 2013. 217 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

LOURENÇO, Edvânia Ângela de Souza. Alienação e Agravos à saúde dos Trabalhadores no Setor Sucroenergético. In: LOURENÇO, E. A. S.; NAVARRO, V. L. (Orgs.). O Avesso do Trabalho III: Saúde do Trabalhador e Questões Contemporâneas. Outras Expressões- SP, 2013.

MATOS, Marcelo Badaró. Trabalhadores e sindicatos no Brasil. SP: Expressão Popular, 2009.

MANIGLIA, Elisabete; JÚNIOR, J. R. P. A. J. Modernização perversa e degradação ambiental através da proibição gradativa da queima da cana-açúcar; diferenças e convergências entre mecanização da colheita da cana e eliminação da queima. In: LOURENÇO, E. A. S; CARMO, O. A. C; SANT’ANA, R.S. (Orgs). Questão Agrária e Saúde dos Trabalhadores: desafios para o século XXI. Cultura Acadêmica- SP, 2011.

MANIGLIA, Elisabete. Sustentabilidade e saúde do Trabalhador. In Saúde do Trabalhador: desafios para a seguridade social e o movimento sindical. In: LOURENÇO, E.A.S et. al (Orgs). Cultura Acadêmica, 2012.

MINAYO, M. C. de S.; ASSIS, S. G.; SOUZA, E. R. de (Orgs.) Avaliação por triangulação de métodos: abordagens de programas sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

NOVAES, J. R. Impressões: Uma reflexão sobre o trabalho no agronegócio da cana. Uma síntese do Encontro “Trabalhadores Canavieiros: Saúde, Direito, Trabalho”. São Carlos, 2007.

PERPÉTUA, G. M.; THOMAZ JUNIOR, A. Território, trabalho e saúde do trabalhador: uma aproximação necessária. Goiânia, Boletim Goiano de Geografia, V.38, N.1, jan./abr., 2018. p.27-482018. Disponível em: <http://www.pastoraldomigrante.com.br>, acessado em: 08 jun. 2008.

PIGNATI, Wanderley. O processo Saúde-Trabalho-Doença, os Sindicatos e os Desafios Para Vigilância em Saúde do Trabalhador. In: LOURENÇO, E. A. S.; NAVARRO, V. L. (Orgs.). O Avesso do Trabalho III: Saúde do Trabalhador e Questões Contemporâneas. Outras Expressões- SP, 2013.

RABELLO, D. Pesquisa Qualitativa: Discutindo estratégias metodológicas em Geografia Agrária. Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2015.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. Ática: São Paulo, 1993.

SILVA, M; MELO, B. Partir e ficar. Dois mundos unidos pelas trajetórias de migrantes. Revista Internacional de Mobilidade Humana, Brasilia, v. XVII, n. 33, p. 129-151, jul./dez. 2009.

SILVA, M. A. M. O trabalho oculto nos canaviais Paulistas. Agrária, São Paulo Nº2, pp.2-39, 2005.

______. A morte ronda os canaviais Paulistas. Revista Abra, V.3, N.2, ag/dez, 2006, p. 11- 143

______. Trabalho e trabalhadores na região do “Mar de cana e do Rio de Álcool”. Perspectivas, São Paulo V. 39 Jan-Jun 2011

THOMAZ JUNIOR, A. Por trás dos canaviais os nós da cana (Uma contribuição ao entendimento da relação Capital X Trabalho e do Movimento Sindical dos Trabalhadores na Agroindústria Canavieira Paulista). São Paulo: Annablume/FAPESP, 2002.

______. Dinâmica Geográfica do Trabalho no Século XXI (Limites explicativos, autocrítica e Desafios Teóricos). Tese (Livre Docência em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente, 2009, volumes 1 e 2. Disponível em: <http://www4.fct.unesp.br/ceget/LD/inciar.html>. Acesso: 14 abr. 2012

______. O Agrohidronegócio no centro das disputas territoriais e de classe no Brasil do Século XXI. Campo Território, V. 5, N° 10, Uberlândia, 2010.

______. Degradação e Centralidade do Trabalho (As Contradições da Relação Capital x Trabalho e o Movimento Territorial de Classe). Pegada, Presidente Prudente, 2012, V.13, N°2, p. 4-19.

______. A Nova Face do Conflito pela Posse da Terra no Pontal do Paranapanema (SP): Estratégia de Classe do Latifúndio e do Capital Agroindustrial Canavieiro. In: Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil. V.2. ANTUNES, R. (Org.). São Paulo: Boitempo, 2013a. pp. 325-340.

______. Territórios em Disputa e Movimento Territorial do Trabalho e da Classe Trabalhadora. Pegada, Presidente Prudente, V.14, N°2, 2013b, pp. 1-24.

______. Trabalho e Saúde no Ambiente Destrutivo do Agrohidronegócio Canavieiro no Pontal do Paranapanema (SP) - BRASIL. Presidente Prudente, Pegada, V.14, N°2, 2014, pp. 01-15.

_______. Movimiento territorial del trabajo en el campo y de la clase trabajadora. In: HIDALGO, F.; HOUTART, F.; LIZÁRRAGA, C. P. (Orgs.). Agriculturas campesinas en Latinoamérica - Propuestas y desafíos. Quito: Clacso/IAEN, 2014. pp. 181-198. ISBN: 978-9942-950-43-7

Disponível em: http://www.clacso.org.ar/libreria_cm/archivos/pdf_312.pdf

_______. Degradação Sistêmica do Trabalho no Agrohidronegócio. Mercator, Fortaleza, v.16, 2017, p.1-20. Disponível: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/2082>. Acesso em: 26 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.4215/rm2017.e16020

_______. Geografia do Trabalho por Inteiro. Pegada, Presidente Prudente, V.19, N. 2, 2018a, p.6-56.

_______. Movimento Territorial do Trabalho e Desterreação do Sujeito/Classe. In: Geografia e Trabalho no século XXI. N.9. Presidente Prudente: Editorial Centelha, 2018b. p.32-74.

THOMAZ JUNIOR, A.; LEAL, A. C.; GUIMARÃES, R. B.; Luchiari, A. Conflitos Territoriais, Relações de Trabalho e Saúde Ambiental no Agrohidronegócio Canavieiro no Pontal do Paranapanema (SP). Scripta Nova - Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales - Vol. XVI, núm. 418 (30), noviembre de 2012. Universidad de Barcelona. Disponível: http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-418/sn-418.htm

THOMAZ JUNIOR, A.; LEÃO, L. H. C.; PIGNATI, W. A. Trabalho Rural, Degradação Ambiental e Contaminação por Agrotóxicos. In: Avesso do Trabalho IV, São Paulo: Expressão Popular, 2016.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Como Citar

NASCIMENTO FERREIRA, G. V.; RABELLO, D. Processo saúde-trabalho-doença e reestruturação produtiva no agrohidronegócio canavieiro da 10ª região administrativa de Presidente Prudente, São Paulo. Terra Livre, [S. l.], v. 2, n. 57, p. 788–827, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/2270. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos