Qual o lugar da avaliação no Ensino de Geografia?

Autores

Palavras-chave:

Avaliação, Ensino, Geografia, Estado Avaliador, Política Educacional

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar uma breve reflexão sobre a questão da avaliação no ensino de Geografia organizando a discussão em três momentos: na primeira uma apresentação conceitual da avaliação vista como elemento de organização do trabalho pedagógico; em seguida, alguns apontamentos sobre sua localização na conformação da escola capitalista. Por último buscaremos focalizar nossa análise na identificação de determinados pontos que julgamos ser centrais nesse debate e, a partir disso, realizar algumas considerações sobre a relação entre a avaliação e ensino de Geografia, bem certos desafios teórico-metodológicos e políticos a serem enfrentados por quem atua no magistério.

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Mudanças no Estado-avaliador: comparativismo internacional e teoria da modernização revisitada in: Revista Brasileira de Educação, v. 18 n. 53 abr.-jun. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/bBY4jtTrbmqnxmRcJrQkpqj/?format=pdf&lang=pt. Último acesso em: 10/09/2021

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1983.

Autor. Velhas Garrafas em Rótulos Novos: A Crítica da Geografia que se Ensina no Currículo de 7a. Ano da SEEDUC-RJ. XII Encontro Nacional de Prática de Ensino de Geografia. 2013, João Pessoa: Anais... João Pessoa, 2013.

BONAMINO, Alícia e SOUSA, Sandra Zákia. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola in: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 373-388, abr./jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/rtQkYDSjky4mXG9TCrgRSqJ/?format=pdf&lang=pt. Último acesso em 15/07/2021.

BOURDIEU, Pierre e PASSERON, Jean Claude. A Reprodução: Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1975.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Pensar pela Geografia: ensino e relevâncial social. Goiânia: C&A Alfa Comunicação, 2019.

COUTO, Marcos Antonio Campos. A Geografia como ciência das práticas e dos saberes espaciais - Por um novo modelo clássico de organização curricular. Revista Tamoios, v. 13, p. 5-25, São Gonçalo, 2017. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/tamoios/article/download/30150/22581. Último acesso em: 04/08/2021.

DIAS SOBRINHO, José. Campo e Caminhos da Avaliação: a avaliação da educação superior no Brasil in: FREITAS, Luiz Carlos de. (org.). Avaliação: construindo o campo e a crítica. Florianópolis: Editora Insular, 2001. p. 13-62.

ENGUITA, Mariano Fernandéz. A Face Oculta da Escola. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul, 1989.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17a. Edição. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1987.

FREITAS, Dirce Nei Teixeira. A avaliação da educação básica no Brasil: dimensão normativa, pedagógica e educativa. Campinas: Editora Autores Associados, 2007.

FREITAS, Luiz Carlos de. Crítica da Organização do Trabalho Pedagógico e da Didática. Campinas: Papirus Editora, 1995.

______________________. (org.) Avaliação: construindo o campo e a crítica. Florianópolis: Editora Insular, 2001.

HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2001.

_____________________ Avaliação Mediadora: Uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Editora Mediação, 2014.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem – componente do ato pedagógico. São Paulo: Editora Cortez, 2011.

__________________________.Sobre Notas Escolares: Distorções e Possiblidades. São Paulo: Editora Cortez, 2014.

KLIEBARD. Herbert. M. Os Princípios de Tyler. In: MESSICK, R. G., BASTOS, L. e PAIXÃO, R.B. (orgs.) Currículo: Análise e Debate. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1980.

MARX, Karl. Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. São Paulo: Boitempo Editorial, 2005.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Ideologias Geográficas: Espaço, Cultura e Política no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2002.

MOREIRA, Ruy. O Discurso do Avesso – para a crítica da Geografia que se Ensina. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

PERRENOUD, Pierre. Da excelência à Regulação das Aprendizages: Entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

RAVELA, Pedro, PICARONI, Beatriz e Loureiro, Graciela. Como mejorar la evaluación em el aula? Reflexiones y propuestas de trabajo para docentes. Montevideo, Grupo Magro Editores, 2019.

SAUL, Ana Maria. Avaliação Emancipatória – desafio à teoria e à prática de avaliação e reformulação do currículo. Campinas: Editora Autores Associados, 1988.

SAVIANI. Demerval. História das Ideias Pedagógicas no Brasil. Campinas: Editora Autores Associados, 2008.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005

TARLAU, R.; MOELLER, K. O consenso por filantropia: como uma fundação privada estabeleceu a BNCC no Brasil. Currículo sem Fronteiras, v. 20, n. 2, p. 553-603, maio/ago. 2020. Disponível em: http://curriculosemfronteiras.org/vol20iss2articles/tarlau-moeller.pdf. Último acesso em: 09 maio 2021.

VLACH, Vânia Rubia Farias. A propósito do ensino de geografia: em questão, o nacionalismo patriótico. (Dissertação de Mestrado). São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana da Universidade de São Paulo, 1988.

Downloads

Publicado

30/03/2022

Como Citar

DE FRANÇA FILHO, A. L.; DA FRANÇA ANTUNES, C. Qual o lugar da avaliação no Ensino de Geografia?. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 56, p. 279–308, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/2234. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos