O processo de patogenização espacial referente ao uso de agrotóxicos no Espírito Santo

Autores

  • Paulo Cesar Aguiar Junior Escola Nacional de Saúde Pública - ENSP

Palavras-chave:

Espaço, Agrotóxicos, Patogenização espacial, Perigo.

Resumo

O presente artigo fundamenta-se na representação do fenômeno epidemiológico em suas manifestações externas (intoxicações e mortes por agrotóxico), como ponto de partida para se compreender o processo de patogenização espacial. Para tanto, adota-se os pressupostos teóricometodológicos da vertente crítica da Geografia e da Epidemiologia, como referencial para se analisar os principais princípios ativos e grupos químicos, frequentemente vinculados aos adoecimentos, bem como seus perigos à saúde humana. Segundo dados do Toxcen (2007-2014), verifica-se um total de 5165 casos notificados de intoxicação por agrotóxico no Espírito Santo, os quais se ligam principalmente aos ingredientes ativos aldicarb – interferente endócrino e glifosato – provável cancerígeno, responsáveis por aproximadamente 50% das notificações no estado.

Referências

ABASS, K, et al. An evaluation of the cytochrome P450 inhibition potential of selected pesticides in human hepatic microsomes. Journal of Environmental Science and Health, Part B, 44 (6), 53-563, 2009. doi: 10.1080/03601230902997766

BASTOS, Geíza Nepomuceno & ESQUIEL,Carla Liliane Waldow. O contrabando de agrotóxicos e a violação do direito fundamenrtal à saúde: estudo de caso na região oeste do Paraná. Ciências Sociais Aplicadas em Revista - UNIOESTE/MCR - v.17 - n. 33 - 2º sem.2017 - p 170 a 191 - ISSN 1982-3037.

BOCHNER, Rosany. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas SINITOX e as intoxicações humanas por agrotóxicos no Brasil. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2007, vol.12, n.1, pp.73-89.

BOMBARDI, Larissa Mies. Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia. São Paulo: FFLCH – USP, 2017.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República.

BRASIL. Ministério da Saúde. Glossário do Ministério da Saúde: projeto de terminologia em saúde / Ministério da Saúde – Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 142 p.

BREILH, Jaime. Epidemiologia: economia, política e saúde. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista: Fundação de Desenvolvimento da UNESP: HUCITEC, 1991.

CARNEIRO, Fernando Ferreira. Uso de sementes geneticamente modificadas e agrotóxicos no Brasil: cultivando perigo. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 22, núm. 10, octubre, 2017, pp. 3333-3339.

CARNEIRO, Fernando Ferreira et al (Org.). Dossiê Abrasco – Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. ABRASCO, Rio de Janeiro, abril de 2012. 1ª Parte. 98p.

___________________________________. Dossiê Abrasco: Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: Epsjv, 2015. 623 p.

CAMUS, Albert, 1913-1960. A peste. 7ª edição – Rio de Janeiro: Bestbolso, 2018.

CARSON, Rachel. Primavera Silenciosa. São Paulo: Gaia, 2010, 305p.

COMUNIDADE EUROPEIA. Directive 2009/128/EC of the European Parliament and of the Council of 21 October 2009.

FRIEDRICH, Karen. Câncer e resíduos de agrotóxicos nos alimentos. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde - INCQS/FIOCRUZ, 2012.

FRIEDRICH, Karen et al., Dossiê contra o Pacote do Veneno e em defesa da Vida!. Or. – 1. ed. -- Porto Alegre: Rede Unida, 2021. 336 p. (Série Saúde, Ambiente e Interdisciplinaridade, v.2).

GEORGE, Pierre. Os Métodos da geografia. São Paulo, SP: Difusão Europeia do Livro, 1972.

HAESBAERT, Rogério; PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A nova desordem mundial. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

HESS, Sonia Corina; NODARI, Rubens Onofre. Parecer técnico n°. 01/2015: análise técnica acerca dos riscos associados ao glifosato, agrotóxico com uso autorizado no brasil. 2015.

____________________________________________. Glifosato, o maior dos venenos. In: Hess, S. C. (Org.). Ensaios sobre poluição e doenças no Brasil. São Paulo: Outras Expressões, 2018, p. 151-164.

HESS, S. C. et al. Agrotóxicos: críticas à regulação que permite o envenenamento do país. Edição especial - Agronegócio em tempos de colapso planetário: abordagens críticas. Vol. 57, p. 106-134, jun. 2021. DOI: 10.5380/dma.v56i0.76169. E-ISSN 2176-9109

ITHO, Sony de Freitas et al. Importância dos “registros paralelos” como incremento das notificações ao SINAN no Espírito Santo. In: IV Congresso brasileiro de toxicologia clínica e 1° Simpósio brasileiro de toxicologia analítica, 2012, Águas de Lindóia.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Agropecuário 2017: Resultados definitivos. Brasília: IBGE, 2019b.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Demográfico 2010: características da população e dos domicílios: resultados do universo. In: IBGE. Sidra: sistema IBGE de recuperação automática. Rio de Janeiro, 2011a.

INCA. Posicionamento do instituto nacional de câncer josé alencar gomes da silva acerca dos agrotóxicos. 10. ed. Brasil: Ministério da Saúde, 2015. 5 p.

LARA, S. S. de; PIGNATI, W. A.; PIGNATTI, M. G.; LEÃO, L. H. DA C.; MACHADO, J. M. H. A agricultura do agronegócio e sua relação com a intoxicação aguda por agrotóxicos no Brasil. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 15, n. 32, p. 1-19, 22 out. 2019.

MACHADO, P. Um avião contorna o pé de jatobá e a nuvem de agrotóxico pousa na cidade: história da reportagem / Paulo Machado. – Brasília : Anvisa, 2008. 278 p. : il.

MOSTAFALOU, S.; ABDOLLAHI, M. Pesticides: an update of human exposure and toxicity. Archives of Toxicology, 91(2), 549-599, 2017. doi: 10.1007/s00204-016-1849-x.

NETO, Jaime Bernardo. Gênese da estrutura agrária do Espírito Santo: estudos comparativos entre os domínios da pecuária do extremo norte e as de pequena propriedade no centro-sul. Dissertação. Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais. 2012.

OLIVEIRA-SILVA, JJ., and MEYER, A. O sistema de notificação das intoxicações: o fluxograma da joeira. In: Peres F, Moreira JC, organizadores. É veneno ou é remédio? Agrotóxicos, saúde e ambiente. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 317-326.

PERES, F, MOREIRA, JC. O desafio interdisciplinar da avaliação da exposição humana a agrotóxicos. In: Peres F, Moreira JC, organizadores. É veneno ou é remédio? Agrotóxicos, saúde e ambiente. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 347-366.

PIGNATI, W. A.; MACHADO, J. M. H.; CABRAL, J. F. Acidente rural ampliado: o caso das “chuvas” de agrotóxicos sobre a cidade de Lucas do Rio Verde - MT. Ciênc. saúde coletiva, v. 12, n. 1, p. 105-114, 2007.

PIRES, D.X. et al. Uso de agrotóxicos e suicídios no Mato Grosso do Sul. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21(2):598-605, mar-abr, 2005.

Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN. Tabulação de dados: a partir de 2007: intoxicação exógena. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013 .

SINDIVEG - SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA DEFESA VEGETAL. Dados de Mercado. 2016.

SOARES, Darli Antônio; ANDRADE, Selma Maffei de; CAMPOS, João José Batista de. Epidemiologia e indicadores de saúde. In: ANDRADE, Selma Maffei de; SOARES, Darli Antônio; CORDONI JUNIOR, Luiz (Org.). Bases da saúde coletiva. Londrina: Editora UEL, 2001. Cap. 10, p. 183-210.

SOARES, Wagner Lopes. Uso dos agrotóxicos e seus impactos à saúde e ao ambiente: uma avaliação integrada entre a economia, a saúde pública, a ecologia e a agricultura. 2010. 150 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública e Meio Ambiente) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2010.

SOARES, Wagner Lopes and PORTO, Marcelo Firpo de Souza. Uso de agrotóxicos e impactos econômicos sobre a saúde. Rev. Saúde Pública [online]. 2012, vol.46, n.2, pp.209-217.

SOARES, Wagner Lopes; PORTO, Marcelo Firpo de Souza; CUNHA, Lucas Neves. Uma política de Incentivo fiscal a agrotóxicos no Brasil é Injustificável e insustentável. Abrasco - GT Saúde e Ambiente; 2020.

RATHISH, D.; AGAMPODI, S.; JAYASUMANA, C. Acetylcho-linesterase inhibitor insecticides related acute poisoning, availability and sales: trends during the post-insecticide-banperiod of Anuradhapura, Sri Lanka. Environmental Healthand Preventive Medicine, 23 (1), 27, 2018. doi: 10.1186/s12199-018-0716-1

TESSLER, Marga Inge Barth. A vigilância sanitária e os princípios da precaução e da prevenção. IV Encontro Internacional dos Profissionais em Vigilância Sanitária- ABPVS, Foz do Iguaçú/PR, 2004.

TOCANTINS. Adriane Feitosa Valadares. Secretaria de Estado da Saúde. Instrutivo comentado da ficha de notificação/investigação: intoxicação exógena. Palmas, 2016. 19 p.

Downloads

Publicado

30/03/2022

Como Citar

AGUIAR JUNIOR, P. C. O processo de patogenização espacial referente ao uso de agrotóxicos no Espírito Santo. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 56, p. 649–700, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/2217. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos