A CIDADE E A FESTA

CAMINHO EM BUSCA DA DIFERENCIAÇÃO PARA O MERCADO DE CIDADES

Autores

  • Amélia Cristina Alves Bezerra Doutora em Geografia e Professor do Departamento de Geografia da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte

Palavras-chave:

Festa, Cidades-renovação, Mossoró-RN

Resumo

Celebrar a unidade, (re)elaborar as identidades, espetacularizar a diferença, é com estes objetivos que algumas festas vêm sendo capturadas e (re)inventadas em algumas cidades brasileiras. Mas quais são os contextos e os objetivos que têm motivado essa capturação e espetacularização das festas? Quais os impactos desse processo na dinâmica sócio-espacial das cidades e, consequentemente, no cotidiano dos seus moradores? Em que medida ocorre essa espetacularização? Quais são as tensões resultantes desse processo? Essas e outras questões motivaram a elaboração do presente artigo cujo objetivo específico é entender qual tem sido o papel da festa na cidade nesse momento histórico em que a necessidade de (re)afirmação das diferenças coloca-se como uma das formas de diferenciação no mercado de cidades. Para pensar essas questões estamos partindo de uma referência empírica específica que é a cidade de Mossoró, localizada no nordeste brasileiro. Para tanto, dividimos o artigo em três momentos. No primeiro, elaboramos uma reflexão acerca da festa, sobre os diferentes olhares que têm sido lançados sobre a mesma, sobretudo no que se refere ao seu papel no processo de produção de uma identidade territorial. No segundo, tentamos situar este processo de “renovação” das cidades, no qual a demarcação das particularidades se impõe como um dos elementos necessários para inserção no “mercado de cidades” e, nesse processo, buscamos entender o processo de espetacularização vivenciado pela sociedade e, especificamente, pela festa. Por fim, no terceiro momento, apresentamos a dinâmica que vem se instalando em Mossoró, lugar que nos instigou a pensar as questões que orientam a presente reflexão.

Referências

AMARAL, R. C. M. P (1997). Festa à Brasileira Significados do festejar, no país que “não é sério”. Tese de doutorado apresentada no Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo sob a orientação do Prof. Dr. José Guilherme Cantor Magnani. São Paulo.

ARANTES, O & VAINER, C & MARICATO, E (2002). A cidade do pensamento único – Desmanchado consensos. Petrópolis, RJ: Vozes.

ARANTES, O. Cultura e transformação urbana (2002). In. PALLAMIN: V. M. & LUDEMANN, M. (orgs). Cidade e Cultura: esfera publica e transformação urbana. São Paulo: Estação Liberdade.

BAKHTIN, M (2002). A cultura popular na Idade Média e no renascimento: O contexto de François Rebelais. São Paulo: Hucitec.

BOURDIEU, P (1989). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand.

CALVO, E. G (1991). Estado de Fiesta. Madrid: Ed. Espasa-Calpe.

CASTELLS, M. & BORJA, J (1996). As cidades como atores políticos. In Revista Novos Estudos. CEBRAP. Nº 45 Julho .

CHAVES, C. A (2003) Festas da Política. Uma etnografia da modernidade no sertão (Buritis-MG). Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ.

DEBORD, G (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto.

DEL PRIORE, M (2000). Festas e Utopias no Brasil Colonial. São Paulo: Ed Brasiliense.

DI MEO G (2001). La geógraphie en fêtes. Paris: Ed. Geophrys.

DURKHEIM; E (2003). As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Martins Fontes.

DUVIGNAUD, J (1983). Festas e Civilizações. Fortaleza: Universidade federal do Ceará.

FELIPE, J. L (2000). A (re) invenção do Lugar: Os Rosados e o “país de Mossoró” .In Território/LAGET, UFRJ- ano VI no 10 (jan/jun.2001)- Rio de Janeiro:UFRJ.

FERNANDES, N. N (2001). Escolas de Samba: sujeitos celebrantes e objetos celebrados. Rio de Janeiro: Secretaria das Culturas, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro..

FERREIRA, L. F (2003). O lugar Festivo- A festa como essência espaço-temporal do lugar. In Espaço e Cultura – Nº 15- Rio de Janeiro: UERJ, NEPEC (janeiro-junho)

GUARINELLO, N. L (2001). Festa, trabalho e cotidiano. In. Festa cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Ed. Hucitec./Edusp.

HAESBAERT, R (2002). Territórios Alternativos. Niterói: Ed. EDUFF; São Paulo: Ed Contexto, 2002.

__________, (1997). Des-territorialização e identidade: a rede “gaúcha” no Nordeste. Niterói: Ed. EDUFF.

__________, (2002). Fim dos territórios ou novas territorialidades? In Identidades: LOPES, L. P. M. & BASTOS, L. C. (orgs) Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas, SP: Mercado das Letras. .

HALL, S (1998). A identidade cultural na pós-modernidade. 2ª Edição. Rio de Janeiro: DP&A..

HARVEY, D (2000). Condição Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola.

HOBSBAWM, E. & RANGER, T (2002) A invenção das tradições; tradução de Celina Cardim Cavalcanti. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

JACQUES, P. B (2004). Espetacularizaçao Urbana Contemporânea. In. Territórios Urbanos e Políticas Culturais. Cadernos PPG-AU/FAUFBA/ Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Ano 2. Salvador.

LEFEBVRE H (1983). La presencia y la ausencia. Contribución a la teoría de las representaciones. México, D.F. Fondo de Cultura Econômica.

__________, (1991). The Production of space. Oxford (R.U) e Cambridge (EUA): Blackwel.

__________, (1991). O direito a cidade. Tradução de Rubens Eduardo Frias. São Paulo.

MORIGI, V. J (2001). Imagens recortadas, tradições reinventadas: as narrativas da festa junina em Campina Grande – Paraíba. Tese de doutorado apresentada ao Departamento de Sociologia da Faculdade de Filpspfia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, Julho.

PAIVA NETO, F. F (1998). Mitologias do “País de Mossoró”. Mossoró: Coleção Mossoroense, Série “C” Mossoró: volume 1056. Setembro.

SÁNCHEZ, F (1997). Cidade espetáculo: política, planejamento e city marketing. Curitiba: Ed.Palavra.

_______ (2001) A reinvenção das cidades na virada do século: agentes, estratégias e escalas de ação política. In. Revista Sociologia Política de Curitiba nº 16, p.31-49, junho.

_______(2003). A Reinvenção das Cidades para um mercado mundial. Chapecó:Argos..

SANTOS, Valmir (2003). Quadrilha da liberdade. In. Jornal Folha de São Paulo. São Paulo. 25 Setembro.

SEABRA, O (2002). O irredutível da Festa. In: CD-RUM do XII Encontro Nacional de Geógrafos. João Pessoa.

SILVA, T. T. (org). HALL, S, & KATHRYN, W (2000). Identidade e Diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

Downloads

Publicado

12/07/2021

Como Citar

Bezerra, A. C. A. (2021). A CIDADE E A FESTA: CAMINHO EM BUSCA DA DIFERENCIAÇÃO PARA O MERCADO DE CIDADES. Revista Fluminense De Geografia, 3(5). Recuperado de https://publicacoes.agb.org.br/index.php/revista-fluminense/article/view/2199

Edição

Seção

Artigos