CIDADES SAUDÁVEIS:

ANÁLISE DE INDICADORES INTRAURBANOS EM MONTES CLAROS-MG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54446/bpg.v109i1.2964

Palavras-chave:

Cidades Saudáveis, Problemas Urbanos, Indicadores

Resumo

O crescimento da urbanização no mundo a partir da segunda metade do século XIX gerou uma série de problemas urbanos de natureza espacial, econômica, social e ambiental. Nesse contexto, para melhorar a vida nas cidades surgiram projetos e ações, como o Movimento Cidades Saudáveis, iniciado no Canadá nas décadas de 1970 e 1980. No Brasil, a partir da década de 1970, as cidades experimentaram um crescimento significativo, o que resultou em problemas ambientais e urbanos que afetaram a qualidade de vida das populações urbanas, principalmente as mais pobres. Nessa direção, este artigo analisa as condições de vida em Montes Claros/MG, por meio da elaboração e aplicação do Índice de Cidades Saudáveis (ICS). O índice considera indicadores relacionados à saúde, educação, infraestrutura urbana, espaços verdes livres públicos e nível socioeconômico. A metodologia da pesquisa envolveu análise teórica, elaboração de mapas com o uso do software QGIS e cálculo do ICS a partir do software livre R Studio. Demonstrou-se que há regiões de planejamento em Montes Claros, como Ibituruna e Todos os Santos, cuja população apresenta bons níveis de ICS, pois são bem atendidas com serviços e equipamentos urbanos. Entretanto, o Distrito Industrial e Vilage do Lago concentram as rendas mais baixas da cidade, baixosníveis de ICS, e consequentemente, carecem demaior assistência em serviços básicos como saneamento e pavimentação.

 

Biografia do Autor

Luara Martins de Oliva Santos, Universidade Federal de Uberlândia

Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Doutoranda em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Iara Soares de França, Universidade Estadual de Montes Claros

Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia – UFU.
Professora do Departamento de Geociências, do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO) e
Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Ambiente e Território (PPGSAT) da Universidade Estadual de
Montes Claros/MG – UNIMONTES.

Referências

ALVES, L.; BENACHIO, M. V. As contribuições da educação ambiental para a construção de cidades saudáveis. Enciclopédia Biosfera, v. 7, n. 12, 2011.

ALVES, L. A. Cidades saudáveis e qualidade de vida em Uberlândia (MG): aportes metodológicos para um processo em construção. 495 f. Tese (Doutorado em Geografia e Gestão do Território) – Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Uberlândia/ Uberlândia, 2016.

CARDOSO, S. L. C.; VASCONCELLOS, M.; VASCONCELLOS, A. M. A. Gestão ambiental de parques urbanos: o caso do Parque Ecológico do Município de Belém Gunnar Vingren. Urbe.Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 7, p. 74-90, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3369.007.001.AO05

FERRAZ, S. T. Cidades saudáveis: uma urbanidade para 2000. Brasília: Paralelo 15; 1999.

FERNANDES, J. M.; LEITE, M. E.; PEREIRA, A. M. Especulação imobiliária e autossegregação em Montes Claros/MG. Revista Espaço e Geografia, v. 22, n. 2, 2020.

FRANÇA, I. S. A Cidade Média e suas Centralidades: o exemplo de Montes Claros no Norte de Minas Gerais.Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Uberlândia – UFU, Uberlândia, MG, 2007.

_____________; SOARES, B. Centralidade e Cidades Médias: O Setor de Saúde em Montes Claros. Boletim Goiano de Geografia, v. 34, n. 1, p. 1-15, 2014. DOI: https://doi.org/10.5216/bgg.v34i1.29311

FREIRE, M. S. M.; SALLES, R. P. S.; SÁ, R. M. P. F. Mapeando iniciativas territoriais saudáveis, suas características e evidências de efetividade. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 1757-1766, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.08172016

IBGE. Censo Demográfico, 2010. Disponível em:<https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mg/montes-claros.html>. Acesso em:17fev. 2022.

_____. Base de informações do Censo Demográfico 2010: Resultados do Universo por setor censitário. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

_____. Divisão Regional do Brasil em Regiões Geográficas Imediatas e Regiões Intermediárias. Coordenação de Geografia: RJ, 2017. 82p.

_____. Produto Interno Bruto dos Municípios, 2019. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/contas-nacionais/9088-produto-interno-bruto-dos-municipios.html?=&t=pib-por-municipio&c=3143302>. Acesso em 03mar.2022.

_____. Malha de Setores Censitários, 2020. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/estrutura-territorial/26565-malhas-de-setores-censitarios-divisoes-intramunicipais.html?edicao=30113&t=acesso-ao-produto>. Acesso em: 31 mai. 2022.

_____.Malhas territoriais, 2020. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/malhas-territoriais/15774-malhas.html?=&t=downloads>. Acesso em: 17 fev. 2022.

_____. População estimada, 2021. Disponível em <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mg/montes-claros.html>. Acesso em: 17 fev. 2022.

LEITE, M. E. Geoprocessamento aplicado ao estudo do espaço urbano: o caso da cidade Montes Claros / MG. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia: 2006.

___________Atlas Ambiental de Montes Claros/MG.Montes Claros: Editora Unimontes, 2020.

MENDES, R. Cidades Saudáveis no Brasil e os Processos Participativos: os casos de Jundiaí e Maceió. Tese (Doutorado em Serviços de Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000. Disponível em:<https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde-06112004-211843/pt-br.php> Acesso em: 2021-01-24.

MENESES, A. R. S. et al. Cidades saudáveis: o acesso equitativo a parques urbanos como promoção da saúde. The JournalofEngineeringandExactSciences, v. 7, n. 1, 2021. DOI: https://doi.org/10.18540/jcecvl7iss1pp12020-01-14e

MINISTÉRIO DAS CIDADES.Cadernos do Ministério das Cidades, v. 6 Brasília: MCidades/Governo Federal, 2004. Disponível em: < https://erminiamaricato.net/cadernos-mcidades/>. Acesso em: 7 nov. 2021.

MORATO, R. G.; KAWAKUBO, F. S.; LUCHIARI, A. Avaliação da qualidade de vida urbana no município de Embu por meio de técnicas de geoprocessamento. GEOUSP Espaço e Tempo(Online), v. 12, n. 2, p. 149-163, 2008. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74086>. Acesso em: 8 nov. 2021. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2008.74086

NAHAS, M. I. P. Bases teóricas, metodologia de elaboração e aplicabilidade de indicadores intraurbanos na gestão municipal da qualidade de vida urbana em grandes cidades: o caso de Belo Horizonte. Tese (Doutorado), Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, 2002.

_________________ (coord). Construção do Sistema Nacional de Indicadores para Cidades. IDHS: Instituto de Desenvolvimento Humano Sustentável da PUC Minas, 2005.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Twenty steps for developing a Healthy Cities project. World Health. Organization Regional Office for Europe.3rd Edition, 1997, 69 p. Disponívelem: <https://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0011/101009/E56270.pdf>. Acesso em 23 jan. 2021.

PEREIRA, A. M; A Cidade Média e Região: O significado de Montes Claros no Norte de Minas. Tese, UFU. Uberlândia, 2007.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Brasileiro-IDHM. Brasília:Ipea, FJP, 2013. Disponível em:<https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/130729_AtlasPNUD_2013.pdf>. Acesso em: 16 abr. 2022.

SANTOS, J. L. F.; WESTPHAL, M. F. Práticas emergentes de um novo paradigma de saúde: o papel da universidade. Estudos Avançados, São Paulo, v.13, n.35, p.71-88, 1999. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141999000100007>. Acesso em: 19 jan. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40141999000100007

SEMS. Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal de saúde 2022-2025. Montes Claros, 2021. Disponível em: <https://saude.montesclaros.mg.gov.br/arquivos>. Acesso em: 06 mar. 2022.

SOUZA, J. R. Trilhando por cidades saudáveis: contribuição metodológica de índice e sua aplicação em Uberlândia, Minas Gerais, Dissertação (Mestrado em Geografia), Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, 2016.

___________; SOARES, B. R. Urbanização contemporânea e qualidade de vida para “cidades inteligentes”: um debate a partir dos indicadores do IMRS na Microrregião de Araxá, Minas Gerais. Para Onde!?, v. 9, n. 2, p. 19-27, 2018. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-0003.82638

WESTPHAL, M. F. O movimento de municípios saudáveis: um compromisso com a qualidade de vida. Revista Ciência e Saúde Coletiva, p. 39-51, 2000. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141381232000000100005&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 19 jan. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000100005

Downloads

Publicado

2023-05-19

Como Citar

Martins de Oliva Santos, L., & Soares de França, I. (2023). CIDADES SAUDÁVEIS: : ANÁLISE DE INDICADORES INTRAURBANOS EM MONTES CLAROS-MG. Boletim Paulista De Geografia, 1(109), 235–254. https://doi.org/10.54446/bpg.v109i1.2964