A Geografia brasileira e Michel Foucault

Autores

  • Aldo Luiz Fernandes Souza Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA)

Palavras-chave:

Geografia; Michel Foucault; Saber geográfico; Território.

Resumo

O pensamento do filósofo Michel Foucault tem se reafirmado como importante referencial no Brasil, com reverberações sobre pensamento geográfico. O objetivo deste trabalho é analisar a relação entre o pensamento foucaultiano e a geografia a partir das influências nas interpretações dos temas de pesquisa e por meio de desdobramentos sobre os próprios conceitos básicos da ciência geográfica. Adotou-se como metodologia um levantamento da produção bibliográfica dos geógrafos brasileiros em que é possível identificar, com clareza, uma certa força analítica e interpretativa das noções conceituais foucaultianas, como poder, governamentalidade, biopolítica, biopoder, heterotopia e outras. Os temas de pesquisa identificados na geografia foram agrupados em função da sua relação direta com essas noções. Dessa forma, foi possível traçar um quadro exploratório da relação entre o pensamento de Foucault e a geografia brasileira. Por fim, tentou-se identificar como as “teorias” e as noções foucaultianas foram desdobradas, ressignificando, inclusive, conceitos e teorias da geografia. Preliminarmente é possível afirmar que o pensamento de Foucault impactou bastante a geografia brasileira como referencial para interpretação de temas de pesquisa variados e inovadores, assim como contribuiu para ressignificar as próprias noções geográficas, em particular a noção de território.

Referências

ALMEIDA, Rafael Gonçalves de. Governamentalidade e Geografia: uma revisão crítica. Espaço e Cultura. UERJ, RJ, n. 34, p. 51-82, jul./dez., 2013. Disponível em: <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/espacoecultura/>. Acesso em: 9 de jun. 2021.

ALVES, Jaime Amparo. Topografias da violência: necropoder e governamentalidade espacial em São Paulo. Revista do Departamento de Geografia, v. 22, p. 108-134, 2011. DOI: 10.7154/RDG.2011.0022.0006. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47222>. Acesso em: 7 jun. 2021.

ALVES, Fernando Roberto Jayme. A dimensão espacial do poder: diálogos entre Foucault e a Geografia. A Geografia em Questão, v. 6, n. 01, p. 231-245, 2013. Disponível em: <http://e-revista.unioeste.br/index.php/geoemquestao/article/view/6725>. Acesso em: 9 jun. 2021.

AMBROZIO, Júlio. O conceito de território como campo de poder microfísico. Revista de Geografia. v. 3, n. 2, p.1-10, 2013. Disponível em: <https://www.ufjf.br/revistaGeografia>. Acesso em: 9 jun. 2021.

AQUINO, Julio Groppa. A difusão do pensamento de Michel Foucault na educação brasileira: um itinerário bibliográfico. Revista Brasileira de Educação. v. 18 n. 53 abr.-jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v18n53/04.pdf. Acesso em: 9 jun. 2021.

BATISTA, Bruno Nunes. A ordem do discurso geoescolar. Porto Alegre, UFRGS, 2017a. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Geociências, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Porto Alegre. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/164329>. Acesso em: 9 jun. 2021.

_________. Como nos tornamos professores de Geografia: discurso ordenado, prática neoliberal. REVISTA PEDAGÓGICA | V.19, N.42, SET./DEZ. 2017b.

_________. A governamentalidade neoliberal e algumas implicações no espaço geográfico contemporâneo. Élisée - Revista de Geografia da UEG, v. 7, n. 02, p. 1-19, 2018. Disponível em: <https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/7746>. Acesso em: 9 jun. 2021.

BENKO, Georges. A pós-modernidade e o geógrafo. GEOUSP Espaço e Tempo (On-line). São Paulo, v. 3, n. 2, p. 95-104, 2006. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.1999.123367. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/123367>. Acesso em: 7 jun. 2021.

CANTELMO, Weslley et al. Território e territorialismo: a abrangência conceitual e a noção de poder. Belo Horizonte. Caderno de Geografia. v. 25, n. 44, p. 343-367. 2015. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/Geografia/article/view/9669>. Acesso em: 9 jun. 2021.

CARVALHO, Marcos Bernardino de. Da biopolítica à biocivilização: controles — do espaço, do corpo e do territorio — em disputa. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias sociales, v. 494, n. 04, 2014. Disponível em: <https://revistes.ub.edu/index.php/ScriptaNova/article/view/14966>. Acesso em: 9 jun. 2021.

CASTRO, Luiz Guilherme Rivera de. Outros espaços e tempos, heterotopias. Primeiro Congresso Internacional Espaços Públicos, p. 1-12. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1807535/mod_resource/content/1/Castro.pdf. 2012>. Acesso em: 11 mai. 2021.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2009.

CLAVAL, Paul. Espaço e Poder. Rio de Janeiro. Zahar Editores, 1979.

CRUZ, Valter do Carmo. Lutas sociais, reconfigurações identitárias e estratégias de reapropriação social do território na Amazônia. Rio de Janeiro; UFF, 2011, Tese de doutorado.

_______. A “teoria como caixa de ferramentas”: reflexões sobre o uso dos conceitos na pesquisa em Geografia. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM GEOGRAFIA, 10., 2013, Campinas. Anais. [S. l.]: Editora UFGD, 2013. p. 4454-4466. Disponível em: <http://www.enanpege.ggf.br/2013/>. Acesso em: 18 jan. 2021.

_______. Da produção do espaço ao governo do espaço deslocamentos metodológicos para uma abordagem territorial. In: LIMONAD, Ester, BARBOSA, Jorge Luiz (org.) Geografias, Reflexões Conceituais, Leituras da Ciência Geográfica, Estudos Geográficos. - São Paulo : Editora Max Limonad, 2020, p. 142-169.

EVANGELISTA, Hélio de Araújo. Geografias moderna e pós-moderna. Rio de Janeiro. GEOgraphia, Ano 1, n. 1, p. 121-137, 1999. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13366>. Acesso em: 9 jun. 2021.

FERREIRA NETO, João Leite, MOREIRA, Jacqueline de Oliveira; ARAÚJO, José Newton Garcia; DRAWIN, Carlos Roberto. Usos de Foucault nos estudos de psicologia no Brasil. Psicologia & Sociedade, n. 29, e159930, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/psoc/a/Zj5gQd88RXbrMTNMs9tY6pz/?lang=pt>. Acesso em: 9 jun. 2021.

FUINI, Lucas Labigalini. Construções teóricas sobre o território e sua transição: a contribuição da Geografia brasileira. Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía, n. 26 (1), p. 221-242, 2017. Doi: 10.15446/rcdg.v26n1.56791.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes,1977.

_______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

_______. As palavras e as coisas. São Paulo. Martins Fontes. 1981.

_______. Segurança, território e população: curso dado no Colégio de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

_______ Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

_______. De espaços outros. Estudos avançados, n. 27 (79), p.113-122, 2013.

_______. Sobre a Geografia. In: Microfísica do poder. 2 edição. Rio de Janeiro/São Paulo. Editora: Paz e Terra. 2015, p, 244-261.

GONTIJO, Lucas de Alvarenga. Insurreição popular, Geografia social e teoria do reconhecimento: teoria versus práxis em análise da experiência de luta por moradia na região Izidora de Belo Horizonte. Caderno de Relações Internacionais. v. 6, n. 11, jul-dez. 2015. Disponível em: <https://faculdadedamas.edu.br/revistafd/index.php/relacoesinternacionais/article/view/176>. Acesso em: 9 jun. 2021.

GOMES, Fernando Bertani. Escalas da Necropolítica: Um ensaio sobre a produção do ‘outro’ e a territorialização da violência homicida no Brasil. Geografia, Ensino & Pesquisa. v. 21, n. 2, p. 46-60, 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/Geografia/rt/captureCite/27000/0>. Acesso em: 9 jun. 2021.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

______. Viver no limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de insegurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo. Edições Loyola. 1992.

LACOSTE, Yves. A Geografia- isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 19 ed. Campinas-SP. Ed. Papirus, 2012.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço. 3.ª ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MARQUES, Marcos Aurelio. Interdisciplinaridade e poder em Michel Foucault: outras imagens para a Geografia. Entre-Lugar. Dourados, MS, ano 5, n. 9, 1º semestre, 2014.

MALHEIROS, Bruno C.; CRUZ, Valter C. Geografias dos grandes projetos de desenvolvimento: territorialização de exceção e governo bio/necropolítico do território. Rio de Janeiro. GEOgraphia, vol: 21, n.46, 2019: mai./ago.

MENDONÇA NETO, Wilson Lopes; CHAVEIRO, Eguimar Felício. A construção de uma leitura biopolítica sobre a deficiência: a mediação do território. Espaço em Revista, v. 14 n. 1, p. 1-14, jan/jun.2012. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/espaco/issue/view/1172>. Acesso em: 9 jun. 2021.

MORAES, Robson de Sousa; RODRIGUES, Uelinton Barbosa. O conceito de poder em Michel Foucault e Hannah Arendt, como instrumento de definição da categoria território. Revista Geonorte. Manaus-AM, Edição Especial, v .7, n .1, p. 197-214, 2013. Disponível em: <https://www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/revistageonorte/article/view/1161/1051>. Acesso em: 9 jun. 2021.

MORAES, Antônio Carlos Robert. Foucault e a Geografia. In: TRONCA, A. (org.). Foucault Vivo. Campinas, SP, 1987, p. 127-136.

_____. Geografia histórica do Brasil: cinco ensaios, uma proposta e uma crítica. São Paulo: Annablume, 2009.

WILLIAMS, James. Pós-estruturalismo. Tradução: Caio Liudvig. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

RAGO, Margareth. O efeito-Foucault na historiografia brasileira. Tempo Social; Revista Social, USP, São Paulo, v. 7, n. 1-2, p. 67-82, out., 1995.

RANGEL, M. C.; TONELLA, C. Análise do território em Michel Foucault: o território como locus do poder. In: TRINDADE, G. A.; MOREIRA, G. L.; ROCHA, L. B., RANGEL, M. C.; CHIAPETTI, R. J. N. Geografia e ensino: dimensões teóricas e práticas para a sala de aula [online]. Ilhéus: Editus, 2017. p. 161-174. ISBN: 978-85-7455-526-3.

RAMOS, Tatiana Tramontani. Heterotopias urbanas: Espaços de poder e estratégias socioespaciais dos Sem-Teto no Rio de Janeiro. Polis [Online], n. 27, 2010. Disponível em: <http://journals.openedition.org/polis/916>. Acesso em: 30 abr. 2021.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ed. Ática 1993.

OLIVEIRA, Aldo Gonçalves de. O livro didático de Geografia como estratégia de governamento. Porto Alegre. UFRS. 2019. Tese (Doutorado) apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

SAQUET, Marcos A. Por uma Geografia das territorialidades e das temporalidades: uma concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. 2ª ed. Rio de Janeiro: Consequência, 2013.

_________. Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

SACK, R. D. Human territoriality: its theory and history. Cambridge: Cambridge University, 1986.

SOJA. Edward. Geografias pós-modernas: reafirmação do espaço na teoria social crítica. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1993. 323p.

SOUZA, M. J. L. O território: sobre espaço e poder. Autonomia e desenvolvimento. In CASTRO I. E; GOMES, P. C. C; CORRÊA, R. L. (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

______. Militarização da questão urbana. Lutas Sociais, São Paulo, n.29, p.117-129, jul./dez. 2012.

______. Os conceitos fundamentais da pesquisa socioespacial. 3 ed. Rio de Janeiro; Ed. Bertrand Brasil, 2016.

SILVA, Wellington Amâncio da. notas sobre heterotopias. Revista GeoSertões (Unageo/CFP-UFCG). vol.1, n. 2, jul./dez. 2016 <http://revistas.ufcg.edu.br/cfp/index.php/geosertoes/index>. Acesso em: 9 jun. 2021.

TAVARES, Felipe. Metropolização do espaço e biopolítica: território, insegurança e reconfiguração do Estado. Revista Eletrónica Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território, p. 429-452, 2018. Disponível em: <http://cegot.or>. Acesso em: 9 jun. 2021.

TRONCA, A. (org.). Foucault Vivo. Campinas-SP: ed. Pontes, 1987.

VALVERDE, Rodrigo Ramos Hospodar Felippe. A transformação da noção de espaço público: a tendência à heterotopia no Largo da Carioca. Rio de Janeiro. UFRJ, 2007. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ/IGEO/PPGG, 2007.

______. Os limites da inversão: a heterotopia do Beco do Batman, São Paulo, Boletim Goiano de Geografia, v. 37, n. 2, pp. 222-243, mai./ago., 2017. Disponível em: <https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/49153>. Acesso em: 9 jun. 2021.

______. A heterotopia dos museus brasileiros e os deslocamentos da Modernidade. PatryTer – Revista Latinoamericana e Caribenha de Geografia e Humanidades, v. 3, n. 5, p. 14-29, 2000. DOI: <https://doi.org/10.26512/patryter.v3i5.27267>. Acesso em: 9 jun. 2021.

______. Cracolândia: a heterotopia de um espaço público. Boletim Campineiro de Geografa. v. 5, n. 2, p.211-230, 2015. Disponível em: http://agbcampinas.com.br/bcg/index.php/boletim-campineiro/article/view/221. Acesso em: 9 jun. 2021.

Downloads

Publicado

2022-03-30

Como Citar

FERNANDES SOUZA, A. L. A Geografia brasileira e Michel Foucault. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 56, p. 112–151, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/terralivre/article/view/2220. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos