Capistranas da Geografia: o patrimônio pensado a partir da Fenomenologia Existencial

THE PATRIMONY THINKING THOUGHT FROM THE EXISTENTIAL PHENOMENOLOGY

Autores

  • Tiago Rodrigues Moreira Unicamp
  • Letícia Carolina Teixeira Pádua Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Palavras-chave:

Liberdade, Lugar, Diamantina, Experiência.

Resumo

Diamantina, cidade entre morros mineiros, entre ouros e diamantes nas minas, no seu centro histórico a história é encarnada nos casarões imponentes do barroco. As capistranas são os olhos de Diamantina, é pela capistranas que o sujeito se movimenta. Diante disso então nos propomos a percorrer as capistranas dessa cidade. Então, no decorrer desse caminhar uma angustia nos colocou em estado de questionamento. Que é patrimônio? Que patrimônio é esse? Para quem o é? Pelas capistranas de Diamantina lançamos as perguntas norteadoras deste trabalho. Que é liberdade? Ao morar em uma cidade tombada como patrimônio histórico cultural, qual a relação que existe entre a liberdade e patrimônio? Qual a relação do lugar com o patrimônio?  Pretendemos com este texto procurar uma possível contribuição de Sartre à Geografia que pode ser melhor explorada e, sobretudo, operacionalizada em termos metodológicos.

Biografia do Autor

Tiago Rodrigues Moreira, Unicamp

Mestre em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas pela Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA Unicamp). Licenciado em Geografia pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). 

Letícia Carolina Teixeira Pádua, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Docente de Geografia pela Universadade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Doutora em Geografia pela USP. Líder do Grupo de Pesquisa em Geografia Humanista, Arte e Psicologia Fenomenológia GHUAPO.

Referências

ALVES, Alexandre Ferreira de Assumpção. O tombamento como instrumento de proteção ao patrimônio cultural. Revista Brasileira de Estudos Políticos, v. 98, 2008, pp. 65-98.

ARRUDA, Francimar Duarte . A questão do imaginário: a contribuição de Sartre. Em Aberto, Brasília, ano 14, n.61, jan./mar. 1994.

BRASIL. Constituição (1988): Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF:Senado Federal:Centro Gráfico, 1988.

CALDEIRA, Altino Barbosa. A conservação das cidades históricas e do patrimônio arquitetônico no Brasil, com referência especial ao Estado de Minas Gerais e à cidade de Mariana. Tese para o grau de Doutor em Filosofia (PhD) Tradução de Letícia Carolina Teixeira Pádua (2002). The University of Sheffield School of Architecture. Setembro de 1997.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Tradução de Luciano Vieira Machado. 4ª Ed. São Paulo: Estação Liberdade: UNESP, 2006. 288 p.

DAL GALLO, Priscila Marchiori; MARANDOLA JR., Eduardo. O método do diário: buscando a experiência de ser migrante. Ateliê Geográfico. Goiânia, v.4, n.3, Ago 2010.

DARDEL, Eric. O Homem e a terra: natureza da realidade geográfica. Tradução Werther Holzer. São Paulo: Perspectiva, 2011. 159p.

GONÇALVES, Cristiane Souza. Experimentações em Diamantina. Um estudo sobre a atuação do SPHAN no conjunto urbano tombado 1938-1967- São Paulo, 2010. 224 p.

GONÇALVES, Jose Reginaldo Santos. O patrimônio como categoria de pensamento. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mário (orgs). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009, 320 p.

HEIDEGGER, Martin. CONSTRUIR, HABITAR, PENSAR. [Bauen, Wohnen, Denken] (1951) conferência pronunciada por ocasião da "Segunda Reunião de Darmastad", publicada em Vortäge und Aufsätze, G. Neske, Pfullingen, 1954. Tradução de Marcia Sá Cavalcante Schuback

______. A caminho da linguagem. Petrópolis: Vozes, 2003

HOLZER, Werther. O lugar na geografia humanista.Revista Território, Rio de Janeiro 4.7 1999 pp. 67-78

______. A Geografia Humanista: sua trajetória 1950-1990. Londrina: Eduel, 2016. 392 p.

IPHAN, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/872 Acesso em 23/08/2017

MEMORIAL, do Memorial do Rio Grande do Sul. Cadernos de história.

LIMA, Walter Matias. Lições sobre Sartre- Maceió: EDUFAL, 2009. 131p.

OLIVEIRA, Lívia de. O sentido de lugar. In: MARANDOLA JR., Eduardo; HOLZER, Werther.; OLIVEIRA, Lívia de. (orgs.) Qual o espaço do lugar?: geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012.

MARANDOLA JR. Eduardo. Sabor enquanto experiência geográfica: por uma geografia hedonista Geograficidade, v.2, n.1, Verão 2012.

______. Habitar em risco: mobilidade e vulnerabilidade na experiência metropolitana. São Paulo: Bluncher, 2014, pp. 248.

PÁDUA, Letícia C. T. A Geografia de Yi-Fu Tuan: Essências e Persistências. 2013. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

PREFEITURA Municipal de Diamantina. Site da Prefeitura municipal http://diamantina.mg.gov.br/ Acessado em 23/08/2017.

REIMÃO, C. Consciência, Dialética e Ética em J.-P. Sartre. Lisboa Imprensa Nacional. Casa da Moeda, 2005.

RENAULD, Vinicius. O conceito de “liberdade” em o ser e o nada de Sartre: um recorte a partir do fazer do ter e do ser. Sapere Aude. v.4, n.8, 2013, pp.294-300.

______. Saint Genet: ator e mártir. Tradução Lucy Magalhães. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

______. O existencialismo é um humanismo. Tradução João Batista Kreuch. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

______ . O ser e o nada – ensaio de ontologia fenomenológica. Tradução: Paulo Perdigão. 6 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2015.

TOMAZ, Paulo Cesar. A Preservação do Patrimônio Cultural e sua Trajetória no Brasil. Revista de História e Estudos Culturais, v. 7, n. 2, ano VII, 2010.

TUAN, Yi Fu. Espaço e lugar: perspectiva da experiência. Tradução Lívia de Oliveira. Londrina: Eduel, 2013. 248p.

UNESCO. Historic Centre of the Town of Diamantina. Disponível em: <http://whc.unesco.org/en/list/890>. Acesso em: 17/07/2017.

WELLS, Jeremy. Aspectos Teóricos e Aplicados da Integração da Fenomenologia à Prática da Conservação do Patrimônio. Geograficidade, v.6, n.1, 2016, pp. 4-18.

Downloads

Publicado

30/03/2022

Como Citar

MOREIRA, T. R.; CAROLINA TEIXEIRA PÁDUA, L. Capistranas da Geografia: o patrimônio pensado a partir da Fenomenologia Existencial: THE PATRIMONY THINKING THOUGHT FROM THE EXISTENTIAL PHENOMENOLOGY. Terra Livre, [S. l.], v. 1, n. 56, p. 182–207, 2022. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/2218. Acesso em: 27 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos