Terra Livre n. 50 - PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SUBMISSÃO DE ARTIGOS

07/05/2018

Novo prazo para submissão: 30 de maio de 2018

Ementa – “A Geografia toma partido”.

            A atual conjuntura se assenta no processo de reestruturação programática da ofensiva neoliberal no Brasil. As novas predileções da agenda do capital, no contexto da recomposição burguesa, estão sendo sentidas em todos os setores da sociedade de modo indissociável da totalidade sistêmica, ficando evidentes os fatores determinantes da crise orgânica do capital. Em seu emaranhado caleidoscópico, as ações para a manutenção e ampliação da reprodução do capital se materializam por meio das contrarreformas de caráter intersetorial, aglutinando na extensa pauta a redefinição da relação capital-trabalho-Estado. Isto significa no primeiro momento a intensificação da precariedade do trabalho, concomitante à a criminalização dos movimentos sociais e representativos da classe trabalhadora. Soma-se a isso, a imanência de conflitos territoriais e ambientais de toda ordem escalar e histórico-identitária, o esgarçamento objetivo-subjetivo da vida metropolitana, o recrudescimento das teses ancoradas na Teoria do Capital Humano para a orientação das finalidades formativas nos diferentes níveis e modalidades da educação brasileira, a ascensão do neoconservadorismo, e a persistência em novo patamar do racismo, sexismo-homofobia, xenofobia, etc.

            Diante de tal cenário urge, sobretudo no campo das ciências sociais e humanas, a necessária produção de respostas e contraposições de cunho científico para o desvelo das contradições e suas bases etiológicas, indicando de modo incisivo a irrefutável potencialidade destrutiva de tal ordenamento geográfico na contemporaneidade, conciliado aos novos horizontes para a sociedade brasileira. Neste sentido, reiterando a historicidade da Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB) para a construção de uma sociedade mais justa e humana, seu papel no campo científico nacional sob tal intento, assim como sua militância ao lado dos povos oprimidos e classes subalternas, convidamos as geógrafas e os geógrafos para a socialização de suas pesquisas, ensaios e resenhas na 50º edição da Revista Terra Livre, que tem como tema “A Geografia toma partido”.

            A presente temática se deriva do indispensável posicionamento da Geografia brasileira ante os dilemas societários em jogo nos dias atuais, refutando no primeiro momento o significado que o mesmo se pulveriza no senso comum, como representatividade de classe no corpo da sociedade política. Ao mesmo tempo, se recusa o caráter dirigente e organizativo da consciência social, assim como a proposição vertical da pauta para os movimentos sociais.

O “tomar partido” aqui em voga se funde às possibilidades polissêmicas que o termo permite, sendo concebido de modo primário como a necessária tomada de ação no contexto de disputa política, científica, ideológica e programática na escala nacional. No segundo momento reiteramos sua peculiaridade enquanto coadunação e organicidade às demais associações científicas, organizações da sociedade civil, movimentos sociais e entes representativos de classe, tendo como premissa a produção de novos significados e posicionamentos para a reprodução social e material da vida. E por fim, cientes da importância do papel político da ciência geográfica na formação socioespacial brasileira, o presente dossiê temático tem como prerrogativa a conjunção dos temas que abrangem a realidade e sua concreticidade, no contexto de disputa sobre seus significados, projetos, determinantes e intencionalidades, para o endosso das lutas sociais que emergem em tempos sombrios, assim como contribuições para a solidificação do método geográfico para a práxis.