Jogo Plague.Inc

Possibilidade pedagógica entre a pandemia e o ensino de Geografia

Autores

  • Joênio Carvalho dos Anjos UFVJM/ESTUDANTE

Palavras-chave:

Ensino, Interdisciplinaridade, Geografia, Pandemia, Plague.Inc

Resumo

A geografia, assim como as demais ciências humanas, tem por finalidade, no ambiente escolar despertar nos estudantes a consciência crítica da realidade social na qual estão inseridos: um mundo de contradições. Dessa forma, refletir sobre o ensino de Geografia faz-se de extrema importância, dada às transformações do mundo moderno e suas implicações no cotidiano dos indivíduos. Como uma dessas transformações de grave impacto global, a pandemia provocada pela SARS COV-2, conhecida também por COVID-19, ocasionou crises sanitárias, sociais, econômicas e políticas, alcançando significativo número de óbitos no Brasil e no mundo. A ação dos governantes, diante da crise sanitária e também humanitária tem sido decisiva no combate ao vírus, ressalva para o caso brasileiro, o qual não demonstrou a eficiência desejada/esperada, no que tange às decisões do governo federal. Objetivou-se apresentar alternativas ao ensino de geografia e dessa maneira, utilizou-se o jogo Plague.Inc enquanto mecanismo de contribuição para análises do espaço geográfico e as questões contemporâneas aliadas a pandemia e suas implicações na compreensão do mundo. Dessa maneira adotou-se a metodologia qualitativa exploratória, bem como a interdisciplinaridade enquanto possibilidade de intersecção entre conteúdos, a qual possa contribuir com o diálogo e construção de pensamento crítico. A pesquisa demonstrou a eficiência no jogo Plague.Inc enquanto facilitador que dialogue com as realidades vivenciadas pelos estudantes na pandemia no espaço geográfico, bem como os conteúdos pertinentes. Por fim, como produto final, esta pesquisa produziu-se um infográfico, a fim de que este possa orientar os educadores e os estudantes quanto à utilização do jogo.

Referências

BAUMAN, Zygmunt, 1925 – Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi / Zygunt Bauman; tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro, Zahar, 2005).

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

DUARTE, Paulo Araújo. Cartografia básica. Florianópolis: UFSC, 1986.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. (org.). O Que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GIROTTO, Eduardo Donizeti; SANTOS, David Augusto. A GEOPOLÍTICA E O ENSINO DE GEOGRAFIA: PROPOSTAS PARA A RETOMADA DO DIÁLOGO. Geografia Ensino & Pesquisa, v. 15, n. 3, p. 139-153, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/7351. Acesso em: 20 jun. 2021.

SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul., São Paulo: Cortez 2010.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

Downloads

Publicado

12/07/2022

Como Citar

Carvalho dos Anjos, J. (2022). Jogo Plague.Inc: Possibilidade pedagógica entre a pandemia e o ensino de Geografia . Boletim Paulista De Geografia, 1(106), 1–19. Recuperado de https://publicacoes.agb.org.br/index.php/boletim-paulista/article/view/2346