Geodiversidade do município de Lucena, Paraíba, visando a geoconservação

Autores

  • Luciano Schaefer Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba
  • Thiago da Silva Farias

Palavras-chave:

Geopatrimônio; Geoconservação; Lucena; Litoral Urbano

Resumo

O município costeiro de Lucena tem passado por inúmeras transformações nas últimas décadas, em decorrência de um crescimento urbano acelerado e de um fluxo sazonal no período do verão, que pressionam o meio natural, típico de zonas costeiras com sua beleza paisagística- belas praias, falésias, recifes, bancos de areia, um estuário de grandes proporções, entre outras. Esta beleza natural ímpar, entrelaçada a uma cultura secular resultou em bens de inegável importância histórica, científica, pedagógica, turística, entre outros valores, o que lhe imprime um caráter patrimonial. O aumento da demanda turística e da ocupação humana sobre o patrimônio requer práticas que visem sua preservação, a geoconservação pois ambos apresentam vulnerabilidade, em decorrência da pressão demográfica imposta. Este artigo apresenta a geodiversidade presente em Lucena, litoral norte do Estado da Paraíba, de modo a identificar locais de interesse à geoconservação que apresentem riscos iminentes de degradação. Para tanto, um mapeamento desta geodiversidade e seu geopatrimônio foi executado através do inventário de locais com relevantes valores. Enquanto percurso metodológico, foi necessário um estudo detalhado da literatura quanto às informações geocientíficas e históricas da área e um minucioso trabalho de campo. Foram inventariados e avaliados qualitativamente 5 locais de interesse a foz do Rio Paraíba, a Praia de Gameleira, os terraços marinhos holocênicos, os arenitos praiais e a falésia inativa. Vivemos em um mundo onde a exploração sem limites dos recursos naturais tem causados danos irreversíveis à geodiversidade, e a inserção de uma consciência ambientalista, voltada especificamente ao patrimônio abiótico é emergente e necessária.

Biografia do Autor

Thiago da Silva Farias

Técnico em Controle Ambiental - IFPB Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB Pós-Graduando em Gestão dos Recursos Ambientais do Semiárido - IFPB Mestre em Geografia - PPGG/UFPB

Referências

ALHEIROS, M.; LIMA FILHO, M., 1991. Formação Barreiras. Revisão da faixa sedimentar costeira de Pernambuco, Paraíba e parte do Rio Grande do Norte. Recife: DEGEO. Estudos Geológicos, 10: 77- 78.

ALMEIDA A.C. Dunas de Quiaios, Gândara e Serra da Boa Viagem: uma abordagem ecológica da paisagem. Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1997.

BARBOSA, J. Evolução da Bacia da Paraíba durante o Maastrichtano- Paleoceno: formações Gramame e Maria Farinha, NE do Brasil. Dissertação (Mestrado em Geologia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

BARBOSA, L. M.; BITTENCOURT, A.; DOMINGUEZ, J.; MARTIN, L., 1986. The Quaternary coastal deposits of the State of Alagoas: influence of the relative sealevel changes. In: RABASSA, J. (ed): Quaternary of South America and Antartic Peninsula: 269-290, Balkema Publ., v. 4.

BARRETO, A.; ASSIS, H.; BEZERRA, F. H. R.; SUGUIO, K. Arrecifes, a calçada do mar de Recife. Publicado online em 27 de outubro de 2010. Disponível em:

http://sigep.cprm.gov.br/sitio040/sitio040_impresso.pdf. Acesso em 26 abril 2021.

BEZERRA, F. H.; VITA-FINZI, C., 2000. How active is a passive margin? Paleosismicity in Northeastern Brazil. Geology, 28: 591- 594.

BRILHA, J. Património Geológico e Geoconservação. A Conservação da Natureza na sua vertente Geológica. Palimage Editores, Viseu, 2005.

BITTENCOURT, A.; MARTIN, L.; DOMINGUEZ, J.; FERREIRA, Y., 1983. Evolução paleogeográfica quaternária da costa do estado de Sergipe e da costa sul do Estado de Alagoas. Rev. Bras. Geoc. 13 (2): 94- 95.

DANTAS, V. C.; MORAIS, E. C.; BEZERRA, K. B. Impacto do carnaval na quantidade de resíduos sólidos em praias de Lucena-PB. Congresso Brasileiro de Oceanografia. Associação Brasileira de Oceanografia. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em:http://www.globalgarbage.org/praia/downloads/V-CBO-2012/0810.pdf. Acesso em: 2 set. 2020.

DOMINGUEZ, J. M., BITTENCOURT, A. C., LEÃO, Z. M., AZEVEDO, A. E. Geologia do quaternário costeiro do Estado de Pernambuco. Rev. Bras. Geoc., v. 20, n. 1, p. 208- 215, 1990.

FURRIER, M. Caracterização geomorfológica e do meio físico da Folha de João Pessoa- 1: 100.000. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA-IBGE. Recenseamentos gerais e estatísticas populacionais no Brasil. Disponível em

http://memoria.ibge.gov.br/sinteses-historicas/historicos-dos-censos/censos demograficos#_ftn11. Acesso em 13 abril 2020.

JONES, B.; ROSSEN, M.R.; RENAULT, R.W. Silicacemented beachrock from lake Taupo, North Island, New Zealand. Journal of Sedimentary Research, v. 67, p. 805-814, 1997.

KOMAR, P.D. Beach process and sedimentation. New Jersey: Prentice-Hall Inc., 417 p., 1976.

FERREIRA JUNIOR, A. V. Mapeamento da zona costeira protegida por arenito de praia (beachrocks) em Nísia Floresta – RN. 2005. 86 p. Dissertação (Mestrado em Geodinâmica e Geofísica) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal. 2005.

GUEDES, L. S. Monitoramento geoambiental do estuário do Rio Paraíba do Norte-PB por meio da cartografia temática digital e de produtos de sensoriamento remoto. 2002. 77 f. Dissertação (Mestrado em Geodinâmica) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. 5 jun. 2002. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/18745. Acesso em: 10 out. 2020.

LIMA, C. C., VIVIERS, M. C., MOURA, J. R. S., SANTO, A. M., CARMO, I. O., 1990. O Grupo Barreiras no Bacia Potiguar: relações entre o padrão de afloramento, estruturas pré-brasilianas e neotectonismo. Cong. Bras. Geol., 36, 1990, Natal. Anais... Natal: SBG, vol. 2, p. 607- 620.

MADRUGA, A. G. C. Mudança de vento: redistribuição das funções no espaço de uma comunidade pesqueira Lucena- Paraíba. Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 1985.

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. Diagnóstico do Município de Lucena. Recife: Ministério de Minas e Energia, Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, 2005. (Projeto Cadastro de Fontes de Abastecimento por Água Subterrânea).

MOORE, C.H. JR. Intertidal carbonate cimentation, Grand Cayman, West Indies. Journal of Sedimentary Petrology, v. 43, p. 591-602, 1973.

NASCIMENTO, M. A.; RUCHKYS, U. A; MANTESSO- NETO, V., 2008. Geodiversidade, Geoconservação e Geoturismo: trinômio importante para a proteção do patrimônio geológico. Ed. Sociedade Brasileira de Geologia.

NEVES, S. Erosão costeira no Estado da Paraíba. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2003.

NIEUHOF, J. Memorável viagem marítima e terrestre ao Brasil. São Paulo: Livraria Martins, 1942.

OTAVIO, J. M.; HOLANDA, T. F.; SILVA, W. S. A. FORMAÇÃO E DIAGÊNESE DE ARENITOS DE PRAIA: Uma Revisão Conceitual. Clio Arqueológica. Universidade Federal de Pernambuco. v. 32, n. 3, p. 88-106, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/246390/35500. Acesso em: 22 nov. 2020.

PEREIRA, L. S., 2019. Mapeamento do geopatrimônio e do patrimônio cultural da região de João Pessoa (Paraíba) para fins de geoturismo urbano e costeiro. 2019. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

PEREIRA, L. S; CUNHA, L. S. Patrimônio geomorfológico de João Pessoa, Paraíba: uma visão preliminar. Cong. Nac. de Geomorfologia., 7, 2015, Lisboa. Anais..., Lisboa: APG, p. 325-331, 2015.

PEREIRA, L. S.; PEREIRA, I. P. S. (2018). Inventário do Geopatrimônio de Joao Pessoa e Cabedelo (Paraíba), Nordeste do Brasil. Iberografias, 14, 43-59.

PICKARD, G. L; EMERY, W. Physical Oceanography. London: Pergamon Press, 1982.

RAND, H.; MABESOONE, J. Northeastern Brazil and the final separation of South America and Africa. Paleogeograpgy, Paleoclimatology, Paleoecology, 38, p. 163- 183, 1982.

ROSSETTI, D.; GÓES, A.; BEZERRA, F. H.; VALERIANO, M.; BRITO NEVES, B. B.; OCHOA, F., 2012.Contribution to the stratigraphy of the onshore Paraíba Basin, Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 84: 313- 333.

ROSSETI, D. De F. in FLORENZANO, T. G. (org.). Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: oficina de textos, 2008.

SERRANO, E.; RUIZ- FLAÑO, P. Geodiversity. A theorical and applied concept. Geog. Helv., n. 62, p. 140- 147, 2007.

SILVA, Lígia M.T., 2003. Nas margens do rio Paraíba do Norte. Geociências, UFPB. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/handle/tede/5820. Acesso em: 22 dez. 2020.

SOUZA, E. Estratigrafia da sequência clástica inferior (andares Coniaciano- Maastrichtiano inferior) da Bacia da paraíba e suas implicações paleogeográfica. Tese (Doutorado em Geologia), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

SUGUIO, K., MARTIN, L., 1978. Quaternary marine formations of the State of São Paulo and Southern Rio de Janeiro. In: International Symposium on Coastal Evolution in the Quaternary, 1, 1978. São Paulo. Special Publication, v. 1, 55 p.

SUGUIO, K.; BARRETO, A. M. F.; OLIVEIRA, P. E. de; BEZERRA, F. H. R.; VILELA, M. C. S. H. Indicadores de variações holocênicas do nível do mar ao longo da costa dos estados de Pernambuco e Paraíba, Brasil. Geologia USP. Série Científica, [S. l.], v. 13, n. 4, p. 141-152, 2013.

Downloads

Publicado

14/07/2022

Como Citar

Schaefer Pereira, L., & da Silva Farias, T. (2022). Geodiversidade do município de Lucena, Paraíba, visando a geoconservação. Boletim Paulista De Geografia, 1(106), 20–40. Recuperado de https://publicacoes.agb.org.br/index.php/boletim-paulista/article/view/2250