Desflorestamento, urbanização e etnocídio indígena: o caso Guarani Mbya em São Paulo-SP

Autores

  • Victória Santos Silva Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Desflorestamento, etnocídio indígena, genocídio indígena, problemas socioambientais

Resumo

Desde o início da colonização no Brasil, as diversas nações indígenas presentes no território sofrem com uma política de aculturação e assimilação, ocorrência de epidemias, devastação de seus territórios, entre outras formas de violência, fatores que conjugados foram responsáveis pelo seu declínio populacional. Apesar do acúmulo sobres políticas públicas, ações e órgãos voltados para a questão indígena no Brasil, ainda hoje o país possui uma legislação que não trata corretamente o assunto, na maior parte das vezes não considerando as diferenças culturais e de cosmovisão entre parte da sociedade brasileira e os povos originários. Deste modo, este trabalho tem o objetivo de discutir o amálgama de problemas gerados pela devastação dos territórios indígenas, por meio da exemplificação do caso Guarani no Jaraguá, em São Paulo, que aborda urbanização e terra indígena demarcada. Para a elaboração do seguinte trabalho foi realizada uma revisão bibliográfica a respeito das diferentes problemáticas aqui relacionadas. Ademais, foram utilizadas fontes e dados secundários. O levantamento feito, a posterior reflexão e articulação dos materiais obtidos, permitiram a discussão sobre o genocídio cultural indígena a partir de uma perspectiva de análise que leva em conta a relação deste fenômeno com a ofensiva às formações florestais. Portanto, este estudo é uma intersecção, sobretudo, entre o campo da história e de uma geografia socioambiental.

Biografia do Autor

Victória Santos Silva, Universidade de São Paulo

Graduanda em História, Bacharel e Licenciatura, pela Universidade de São Paulo. Pesquisa História Indígena e História do Brasil Contemporâneo.

Referências

ALVES, Humberto Prates da Fonseca; ALVES Claudia Durand; PEREIRA, Madalena Niero; MONTEIRO, Miguel Viera. Dinâmicas de urbanização na hiperperiferia da metrópole de São Paulo: análise dos processos de expansão urbana e das situações de vulnerabilidade socioambiental em escala intraurbana. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 27, n°1, p.141-159, 2010.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Gabinete do Ministro. Portaria n° 683, de 15 de agosto de 2017. Dispõe sobre as diretrizes do planejamento conjunto de contratações, da realização de contratações compartilhada de bens e serviços pelas unidades do Ministério da Justiça e Segurança Pública, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília DF, 16 ago. 2017 p.31.

______. Ministério do Meio Ambiente. Gabinete da Ministra. Portaria Interministerial n° 60, de 24 de março de 2015. Estabelece procedimentos administrativos que disciplinam a atuação dos órgãos e entidades da administração pública federal em processos de licenciamento ambiental de competência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Ibama. Diário Oficial da União, Brasília DF, 25 mar. 2015 p.71.

BRIGHENTI, Clóvis Antônio. Necessidade de Novos Paradigmas Ambientais Implicações e Contribuição Guarani. Cadernos PROLAM/USP (ano 4 – vol. 2 – 2005), p. 33-56.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; CAIXETA, Ruben; CAMPBELL, Jeremy M.; FAUSTO, Carlos; KELLY, José Antonio; LOMNITZ, Claudio; LONDOÑO SULKIN, Carlos D.; POMPEIA, Caio; VILAÇA, Aparecida. Indigenous peoples boxed in by Brazil’s political crisis. HAU: Journal of Ethnographic Theory, v. 7, p. 403-426, 2017.

DEAN, Warren. A Ferro e Fogo: A História da devastação da Mata Atlântica Brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Fundação SOS Mata Atlântica; INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Período 2018 – 2019: Relatório Técnico. São Paulo, 2020.

GALVÃO, Roberta Fontan Pereira. Expansão Urbana e Proteção Ambiental em Metrópoles Brasileiras 1980-2010. 2011. 229 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.

GAMBA, C.; RIBEIRO, W. Indicador e Avaliação da Vulnerabilidade Socioambiental no Município de São Paulo. Geo Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 16, n. 1, p. 19-31, Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74266> Acesso em 05 de novembro de 2020.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. Brasil: 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

Disponível em: <https://brasil500anos.ibge.gov.br/territorio-brasileiro-e-povoamento/historia-indigena/os-numeros-da-populacao-indigena.html> Acesso em 28 de agosto de 2020.

______. Capítulo 6: Urbanização. Atlas do censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

______. Censo Demográfico. IBGE. Sidra: sistema IBGE de recuperação automática, Rio de Janeiro, 2011.

Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=cd&o=3&i=P&c=1298> Acesso em: 25 de agosto de 2020.

______. Os Indígenas no Censo Demográfico 2010: Primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

Disponível em: <https://indigenas.ibge.gov.br/estudos-especiais-3.html> Acesso em: 29 de agosto de 2020.

ISA, Instituto Socioambiental. Terra Indígena Jaraguá: Demografia. São Paulo, 2020.

Disponível em: <https://terrasindigenas.org.br/pt-br/terras-indigenas/3707> Acesso em: 30 de agosto de 2020

JATOBÁ, Sérgio Ulisses Silva. Urbanização, meio ambiente e vulnerabilidade social. Boletim Regional, Urbano e Ambiental nº 5, p.141-148. Brasília: IPEA, 2011.

Disponível em: <https://ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/boletim_regional/111125_boletimregional5.pdf> Acesso em: 29 de agosto de 2020.

LEMES, Priscila; LOYLA, Rafael. Mudanças climáticas e prioridade para a preservação de biodiversidade. Revista de Biologia Neotropical, v.11, n°1, p. 47-57, 2014.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da Terra: Índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MOTTA, Ana Villela de. Tekoa Pyau: Uma aldeia Guarani na Metrópole. 2007. 160 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2007.

MÜLLER, Mônica Gomes; SIMIONI Rafael Lazzarotto. Terras Indígenas e Modos de Ser: O sentido do Tekoha Guarani e o problema da demarcação das terras indígenas no Brasil. Direitos Culturais, Santo Ângelo, v. 11, n° 25, p. 53-78, 2016.

OLIVEIRA, Caroline. Povo Guarani impede ação de construtora que quer fazer 5 prédios no Pico do Jaraguá. Brasil de Fato. São Paulo, 06 de fev. 2020. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2020/02/06/guarani-impedem-acao-de-construtora-que-quer-fazer-5-predios-no-pico-do-jaragua-em-sp> Acesso em: 30 de agosto de 2020.

PACHECO, T; FAUSTINO, C. A Iniludível e Desumana Prevalência do Racismo Ambiental nos Conflitos do Mapa. In: PORTO, M.F; PACHECO, T; LEROY, J.P, comps. Injustiça ambiental e saúde no Brasil: o Mapa de Conflitos [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013, pp. 73-114

PRADO JR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras. 2011.

RIBEIRO, Wagner Costa. Justiça Espacial e Justiça Socioambiental: uma primeira aproximação. Estudos Avançados, São Paulo, v.31, n° 89, p.147-165, 2017.

RICUPERO, Rodrigo. A Formação da Elite Colonial: Brasil, 1530-1630. São Paulo: Alameda, 2009.

SCHWARTZ, Stuart. Segredos Internos: Engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SOUZA, Nathalia Lucas Tavares de. Tekoá Pyau: Território de Luta e Resistência Guarani no Jaraguá (SP). 2015. 172 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Rio Claro, 2015.

Downloads

Publicado

11/08/2021

Como Citar

Silva, V. S. (2021). Desflorestamento, urbanização e etnocídio indígena: o caso Guarani Mbya em São Paulo-SP. Boletim Paulista De Geografia, 1(105), 126–146. Recuperado de https://publicacoes.agb.org.br/index.php/boletim-paulista/article/view/2141

Edição

Seção

Artigos