Feira livre e tradicional do Crato-Ce:

espaço educativo das africanidades no ensino de geografia

Autores

  • Meryelle Macedo da Silva
  • Rafael Ferreira da Silva Universidade Regional do Cariri

Palavras-chave:

Feira livre e tradicional, Africanidades, Ensino de geografia, Lei. 10.639/03.

Resumo

O artigo aborda a relação entre o ensino de geografia e a efetivação do ensino de história e cultura africana e afro-brasileira na educação básica normatizada pela Lei. 10.639/03. A compreensão da geo-história em sua forma-essência promove a consciência espacial acerca das africanidades. Diante desse contexto, refletimos sobre nosso lugar, a saber, o município do Crato, que faz parte da região do Cariri cearense. O Crato é marcado por uma geo-historicidade singular em razão das influências dos povos africanos e seus descendentes, o que repercutiu num patrimônio cultural negro, como é o caso da feira livre e tradicional. Desse modo, objetivamos analisar a feira como espaço educativo das africanidades no ensino de geografia. Fundamentados no método da afrodescendência, realizamos a pesquisa bibliográfica e a prática de campo, esta ocorrida através dos percursos urbanos, nas ruas centrais da urbe cratense, onde a feira acontecia em meados do século XIX, e posteriormente no seu atual território. Tivemos como técnicas de coleta de dados, a iconografia, através dos registros fotográficos. Vislumbramos a feira como espaço educativo por excelência em relação ao conhecimento e reconhecimento das africanidades.  A Lei. 10639/03, em especial no ensino de geografia tem no espaço da feira terreno de efetivação, enquanto ação de enfrentamento do racismo, de valorização da diversidade cultural, de alcance da identidade afrodescendente e de conhecimento/reconhecimento da história e cultura africana e sua afrodescendência.

Biografia do Autor

Meryelle Macedo da Silva

Mestra em Educação pela Universidade Regional do Cariri

Rafael Ferreira da Silva, Universidade Regional do Cariri

Graduando em Licenciatura em Geografia pela Universidade Regional do Cariri-URCA

Referências

BRÍGIDO, João. Apontamentos para a história do Cariri. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2007.

CALLAI, Helena Copettti. Estudar o lugar para compreender o mundo. In: CASTROGIOANNI, Antonio. (Org.). Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 83-134.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Afrodescendência e Africanidades: um dentre os diversos enfoques possíveis sobre a população negra no Brasil. Interfaces de Saberes (FAFICA. Online). v. 1, p. 14-24, 2013.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Arte e tecnologia africana no tempo do escravismo criminoso. Revista Espaço Acadêmico, v. 14, n.166, p.104-111, março. 2015.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Cultura afrocearense. In: Artefatos da cultura negra no Ceará. CUNHA JUNIOR et al .(Orgs.). Fortaleza: Edições UFC, 2011. p. 102-132.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Tecnologia africana na formação brasileira. Rio de Janeiro: CEAP, 2010.

FARIAS FILHO, W. A. Crato: Evolução Urbana e Arquitetura 1740- 1960. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2007.

GIRÃO, Osvaldo; LIMA, Surama Ramos. O ensino de Geografia versus leitura de imagens: resgate e valorização da disciplina pela “alfabetização do olhar”. Geografia Ensino & Pesquisa, v. 17, n.2 p. 88-106, maio./ago. 2013.

GURGEL, Ana Paula C. Entre serras e sertões: a(s) (trans)formação(ões) de centralidade(s) na Região Metropolitana do Cariri/CE. 2012. 129 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)-Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2012.

GURGEL, Ana Paula Campos. TRÊS CIDADES, UMA REGIÃO METROPOLITANA E SEUS CENTROS: configuração urbana e dinâmica de centralidades do Crajubar. CEOBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.5, n.14, p. 78-102, out. 2013.

IRFF, Ana Sara R.P.C. Cabras, caboclos, negros e mulatos: escravidão e núcleos familiares no Cariri cearense (1850-1884). Afro-Ásia, n. 53, p.9-44, 2016.

LIMA, Alessandro Luís Lopes de. Uma arqueologia dos territórios negros: contas e miçangas no triângulo histórico de São Paulo: (sécs. XIX-XX). 2019. 243 f. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Programa de Pós-Graduação em Arqueologia-Universidade de São Paulo, São Paulo. 2019.

MENEZES, Paulo Epídio. O Crato do meu tempo. Disponível em: < https://ufdc.ufl.edu/AA00000260/00001> . Acesso em: 30 nov. 2021.

MOREIRA, Ruy. O que é geografia. 2.ed. São Paulo: Brasiliense, 2009.

NUNES, Cicera; CUNHA JUNIOR, Henrique. Os Congos de Milagres: a escola e o ensino da cultura de base africana no Cariri cearense. In: Artefatos da cultura negra no Ceará. CUNHA JUNIOR et al .(Orgs.). Fortaleza: Edições UFC, 2011. p. 41-45.

NUNES, Cicera; SANTOS, Risomar Alves. A formação de professores e a inclusão da Lei nº 10.639/2003 nas práticas educativas no cariri cearense. In: Artefatos da cultura negra no Ceará. CUNHA JUNIOR et al .(Orgs.). Fortaleza: Edições UFC, 2011. p. 56-72.

OLIVEIRA, Alexsandra Flávia Bezerra de. Feira Livre de Bodocó: memórias, africanidades e educação. 2013. 151 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira-Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. 2013.

OLIVEIRA, João César Abreu; ABREU, Roberto Cruz. Resgatando a história de uma cidade média: Crato capital da cultura. Revista Historiar, ano 2, n. 1, p. 244-262, 2010.

OLIVEIRA, Pedro Alberto de. As origens da escravidão do Ceará. Rev. Inst. do Ceará, Fortaleza, n. 99, p. 325-338, jan/dez. 1979.

PAIVA, Eduardo França. Bateias, carumbés, tabuleiros: mineração africana e mestiçagem no Novo Mundo. In: PAIVA, Eduardo França.; ANASTASIA, Carla Maria Junho. (Orgs.) O trabalho mestiço: maneiras de pensar e formas de viver séculos XVI a XIX. São Paulo: Annablume, 2002, p. 187-207.

PEDROZA, Antonia Márcia Nogueira. Estratégias de vida: histórias de mulheres escravas na cidade do Crato (Ceará) na segunda metade do século XIX. In: Encontro Estadual de História., 2012, Caicó, RN. Anais eletrônicos... V ANPUH. Disponível em: <%20vida%20historias%20de%20mulheres%20escravas%20na%20cidade%20do%20Crato>. Acesso em: 11 nov. 2020.

QUERINO, Manuel. O colono preto como fator da civilização Brasileira. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/20815/13416>. Acesso em: 12 dez. 2020.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. 2. reimpressão. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. 6 ed. São Paulo: USP, 2012.

SOUZA, Lorena Francisco de. As relações etnicorraciais na geografia escolar: desafios metodológicos e pedagógicos. Revista produção acadêmica, v. 2, n. 2. p. 04-19, dez . 2016.

SOUZA, Márcia Aparecida de.; CUNHA JUNIOR, Henrique. Festança de família negra tradicional do interior do Rio de Janeiro: memória, história e patrimônio cultural da população negra. In: Afro patrimônio cultural. SANTOS, Marlene Pereira dos.; CUNHA JUNIOR, Henrique. (Orgs.). Fortaleza: Via Dourada, 2019. p. 232-265.

WEIMER, Günter. Interrelações arquitetônicas Brasil África. Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul 28 de maio de 2008. Disponível em: <https://www.ihgrgs.org.br/artigos/membros/G%C3%BCnter%20Weimer%20-%20Inter-rela%C3%A7oes%20Arquitetonicas%20Brasil-Africa.pdf> . Acesso em: 4 jan. 2021.

Downloads

Publicado

12/07/2022

Como Citar

Macedo da Silva, M., & Ferreira da Silva, R. (2022). Feira livre e tradicional do Crato-Ce:: espaço educativo das africanidades no ensino de geografia. Boletim Paulista De Geografia, 1(106), 138–152. Recuperado de https://publicacoes.agb.org.br/index.php/boletim-paulista/article/view/2138